Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

‘Endiabrados’ lançam novo CD


Gislaine Gutierre
Do Diário do Grande ABC

31/10/2005 | 08:26


Bastou colocar o primeiro CD no mercado para que o retorno viesse líquído, certo e mais que merecido. Agora, a talentosa Prado Blues Band, liderada pelos irmãos Igor e Yuri, de São Caetano, ganha uma noite só sua na mais tradicional casa de blues da capital – o Bourbon Street Music Club – para lançar seu segundo álbum, Blues and Swing (independente, R$ 20 para compra via site www.pradoblues.com).

É um fato importante, mas não o único. Os meninos do Grande ABC já conquistaram a simpatia de um figuraço do West Coast Blues residente na California, Estados Unidos: o produtor Jerry Hall, dono do selo Pacific Blues. Ele está interessado em distribuir por lá o Blues and Swing e uma rápida passada pelo site já leva a crer que o grupo seria o primeiro representante da América Latina em seu selo.

Bem amparada para deslanchar na carreira, a Prado Blues Band já está. O segundo álbum vem referendado por vários representantes do gênero, como o exigente guitarrista Nuno Mindelis, que participa da faixa They Call Me Little Devil. A letra, aliás, é resultado de uma declaração do músico ao Diário, que os chamou de “pequenos endiabrados”. “Ele escutou (a música) e deu risada!”, diz Igor.

O veterano gaitista e vocalista Steve Guyger, dos Estados Unidos, gravou com o quarteto Goodbye Goodbye Blues. A gravação ocorreu após a segunda parceria dele em shows com a Prado no Brasil. “Ele entrou no estúdio e foi cantando na hora, de improviso. Ele compõe desse jeito”. O tom lamentoso desse blues tem tudo a ver com o momento: Guyger estava triste pois novamente teria de se despedir dos amigos brasileiros.

Outra que se encantou com o talento dos rapazes foi a cantora norte-americana Jamie Wood, que vem acompanhando o trabalho do grupo desde o primeiro CD. “Ela dizia que nosso som era diferente de tudo o que ela ouviu de países abaixo da linha dos Estados Unidos”, conta Igor. O convite para a parceria foi aceito imediatamente, e eles gravaram – cada um em seu país – a ótima versão do clássico Honeysuckle Rose (A.Razaf/Waller).

Mais assinaturas garantem o prestígio da banda: a do gaitista Johnny Rover; do guitarrista italiano Enrico Crivellaro; do vocalista J.J. Jackson; dos tecladistas Adriano Grineberg e Flávio Naves e do pianista Leo Mitrulis. Mas nem todos estarão no show desta segunda. O que está confirmada é a participação de André Calixto (sax tenor) e Silas (sax barítono), figuras importantes no upgrade sonoro do segundo álbum, ao lado do trombonista Renê.

Mas o mais importante é que a Prado faz um som coeso – como legítimo representante do jump blues, calcado no som dos anos 40 e 50 –, de grande qualidade técnica e criatividade. Até a apresentação visual da banda e do encarte é coerente com a proposta (eles fizeram questão de enviar a foto ‘envelhecida’ publicada nesta página). E como se não bastasse, o som é contagiante, capaz de cativar até o mais empedernido dos opositores do gênero.

Prado Blues Band – Show da banda com convidados. Nesta segunda, às 21h30. No Bourbon Street Music Club – r. dos Chanés, 127, São Paulo. Tel.: 5561-1643. Couvert: R$ 20 (não há meia entrada).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘Endiabrados’ lançam novo CD

Gislaine Gutierre
Do Diário do Grande ABC

31/10/2005 | 08:26


Bastou colocar o primeiro CD no mercado para que o retorno viesse líquído, certo e mais que merecido. Agora, a talentosa Prado Blues Band, liderada pelos irmãos Igor e Yuri, de São Caetano, ganha uma noite só sua na mais tradicional casa de blues da capital – o Bourbon Street Music Club – para lançar seu segundo álbum, Blues and Swing (independente, R$ 20 para compra via site www.pradoblues.com).

É um fato importante, mas não o único. Os meninos do Grande ABC já conquistaram a simpatia de um figuraço do West Coast Blues residente na California, Estados Unidos: o produtor Jerry Hall, dono do selo Pacific Blues. Ele está interessado em distribuir por lá o Blues and Swing e uma rápida passada pelo site já leva a crer que o grupo seria o primeiro representante da América Latina em seu selo.

Bem amparada para deslanchar na carreira, a Prado Blues Band já está. O segundo álbum vem referendado por vários representantes do gênero, como o exigente guitarrista Nuno Mindelis, que participa da faixa They Call Me Little Devil. A letra, aliás, é resultado de uma declaração do músico ao Diário, que os chamou de “pequenos endiabrados”. “Ele escutou (a música) e deu risada!”, diz Igor.

O veterano gaitista e vocalista Steve Guyger, dos Estados Unidos, gravou com o quarteto Goodbye Goodbye Blues. A gravação ocorreu após a segunda parceria dele em shows com a Prado no Brasil. “Ele entrou no estúdio e foi cantando na hora, de improviso. Ele compõe desse jeito”. O tom lamentoso desse blues tem tudo a ver com o momento: Guyger estava triste pois novamente teria de se despedir dos amigos brasileiros.

Outra que se encantou com o talento dos rapazes foi a cantora norte-americana Jamie Wood, que vem acompanhando o trabalho do grupo desde o primeiro CD. “Ela dizia que nosso som era diferente de tudo o que ela ouviu de países abaixo da linha dos Estados Unidos”, conta Igor. O convite para a parceria foi aceito imediatamente, e eles gravaram – cada um em seu país – a ótima versão do clássico Honeysuckle Rose (A.Razaf/Waller).

Mais assinaturas garantem o prestígio da banda: a do gaitista Johnny Rover; do guitarrista italiano Enrico Crivellaro; do vocalista J.J. Jackson; dos tecladistas Adriano Grineberg e Flávio Naves e do pianista Leo Mitrulis. Mas nem todos estarão no show desta segunda. O que está confirmada é a participação de André Calixto (sax tenor) e Silas (sax barítono), figuras importantes no upgrade sonoro do segundo álbum, ao lado do trombonista Renê.

Mas o mais importante é que a Prado faz um som coeso – como legítimo representante do jump blues, calcado no som dos anos 40 e 50 –, de grande qualidade técnica e criatividade. Até a apresentação visual da banda e do encarte é coerente com a proposta (eles fizeram questão de enviar a foto ‘envelhecida’ publicada nesta página). E como se não bastasse, o som é contagiante, capaz de cativar até o mais empedernido dos opositores do gênero.

Prado Blues Band – Show da banda com convidados. Nesta segunda, às 21h30. No Bourbon Street Music Club – r. dos Chanés, 127, São Paulo. Tel.: 5561-1643. Couvert: R$ 20 (não há meia entrada).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;