Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Adoráveis Malandros

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/10/2009 | 07:00


Você talvez se lembre de "Os Vigaristas" - um filme de Ridley Scott, de 2003, estrelado por Nicolas Cage e Sam Rockwell. Com (quase) o mesmo título brasileiro - "Vigaristas" -, estreia agora "The Brothers Bloom", de Rian Johnson, com Mark Ruffalo, Adrien Brody e Rachel Weisz. O filme tem algo do clima de "O Grande Truque", de Christopher Nolan.

Logo no começo, o espectador é apresentado aos irmãos Bloom, ainda crianças. O mais velho domina o outro, planejando a vida dele como um papel que o garoto tem de desempenhar - para que ambos possam lucrar.

FASCINAÇÃO - Desde o primeiro golpe, na infância, fica flagrante a atração do mais novo pelas mulheres. E assim como quando menino a imagem da garota diante da caverna exerce sobre ele seu mistério, adulto - e interpretado por Brody -, ele fica galvanizado por Rachel, diante de sua mansão.

Ela é milionária e o Bloom mais velho bola um plano para tirar dinheiro da ricaça. Desenvolve-se um relato em que realidade e imaginação se misturam. Ruffalo é um mágico que tira seus ases da manga, mas chega um momento em que todos os planos se confundem e Brody não sabe mais o que ocorre. É um personagem trágico, que nunca teve o controle da própria vida.

Mas o filme não investe na tragédia. O diretor Johnson, a quem se deve o cultuado noir "A Ponta de Um Crime" - lançado somente em DVD no País -, investe numa veia mais cômica e uma das atrações do filme é a interpretação de Rachel.

A atriz de "O Jardineiro Fiel" já exercitou seu talento de comediante na série "A Múmia", mas aqui é a primeira vez que o faz num projeto mais ‘sério'. Por um momento, parece que o diretor também vai perder o controle de seu filme, mas ele o recupera e Vigaristas reabre com estilo a vertente de "Golpe de Mestre", só que num tom mais grave.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Adoráveis Malandros


23/10/2009 | 07:00


Você talvez se lembre de "Os Vigaristas" - um filme de Ridley Scott, de 2003, estrelado por Nicolas Cage e Sam Rockwell. Com (quase) o mesmo título brasileiro - "Vigaristas" -, estreia agora "The Brothers Bloom", de Rian Johnson, com Mark Ruffalo, Adrien Brody e Rachel Weisz. O filme tem algo do clima de "O Grande Truque", de Christopher Nolan.

Logo no começo, o espectador é apresentado aos irmãos Bloom, ainda crianças. O mais velho domina o outro, planejando a vida dele como um papel que o garoto tem de desempenhar - para que ambos possam lucrar.

FASCINAÇÃO - Desde o primeiro golpe, na infância, fica flagrante a atração do mais novo pelas mulheres. E assim como quando menino a imagem da garota diante da caverna exerce sobre ele seu mistério, adulto - e interpretado por Brody -, ele fica galvanizado por Rachel, diante de sua mansão.

Ela é milionária e o Bloom mais velho bola um plano para tirar dinheiro da ricaça. Desenvolve-se um relato em que realidade e imaginação se misturam. Ruffalo é um mágico que tira seus ases da manga, mas chega um momento em que todos os planos se confundem e Brody não sabe mais o que ocorre. É um personagem trágico, que nunca teve o controle da própria vida.

Mas o filme não investe na tragédia. O diretor Johnson, a quem se deve o cultuado noir "A Ponta de Um Crime" - lançado somente em DVD no País -, investe numa veia mais cômica e uma das atrações do filme é a interpretação de Rachel.

A atriz de "O Jardineiro Fiel" já exercitou seu talento de comediante na série "A Múmia", mas aqui é a primeira vez que o faz num projeto mais ‘sério'. Por um momento, parece que o diretor também vai perder o controle de seu filme, mas ele o recupera e Vigaristas reabre com estilo a vertente de "Golpe de Mestre", só que num tom mais grave.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;