Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

STJ rejeita os recursos de policiais no caso do Carandiru

Dois políticos da região então entre envolvidos que podem ser presos; ainda cabe contestação


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

21/09/2021 | 00:33


O STJ (Superior Tribunal de Justiça) rejeitou os recursos especiais movidos pelos policiais envolvidos no caso do massacre do Carandiru. O acórdão, cujo relatório teve assinatura do ministro Joel Ilan Paciornik, foi publicado e envolve dois políticos do Grande ABC, que correm risco ser presos pelo episódio ocorrido em 1992. Militares, o secretário de Segurança Urbana de São Bernardo, Carlos Alberto dos Santos (MDB), e o ex-vereador Marcos Medeiros (PSD), de Santo André, foram condenados, houve reversão penal, mas viram as sentenças serem restabelecidas.

Ainda cabe contestação no STF (Supremo Tribunal Federal) por supostas infrações a normas constitucionais ou mesmo habeas corpus no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). A quinta turma do STJ já havia, em agosto, recomposto as penas dos 74 policiais envolvidos na invasão da PM no complexo penitenciário após rebelião e que resultou no assassinato de 111 detentos. Na ocasião, Carlos Alberto era tenente-coronel da Rota e Medeiros, sargento da corporação. Ambos haviam sido sentenciados por júri popular a até 624 anos de prisão por homicídio qualificado. Em 2016, contudo, tiveram as penas anuladas.

Os embargos de declaração são cabíveis, conforme a decisão, nas hipóteses de correção de omissão, obscuridade, ambiguidade ou contrariedade. “No caso em tela, não há omissão. O acórdão embargado contém os fundamentos pelos quais, no caso concreto, a súmula 7 invocada em petição de embargos de declaração em face da decisão monocrática foi considerada totalmente irrelevante para os fins propostos pela defesa, qual seja, obstar o conhecimento do agravo em recurso especial. Assim, não se identificou o caráter infringente do alegado nos embargos de declaração.”

Carlos Alberto foi candidato a vereador, sem sucesso, na eleição de 2020. Registrou 1.321 votos. Já Medeiros exerceu mandato de parlamentar pelo tucanato entre 2005 e 2008.

A Prefeitura pontuou que o “processo é alheio ao município e condiz a fatos que ocorreram há cerca de 30 anos”. “A decisão do STJ não representa condenação definitiva, razão pela qual não há cumprimento da decisão”, sustentou o governo. De acordo com a defesa do secretário, “no momento oportuno, haverá recurso e será apresentado ao STF e até lá o coronel Carlos Alberto continua no comando da secretaria”.

O Paço acrescentou que o prefeito tem “total confiança no seu trabalho, que vem sendo desempenhado de modo exemplar para toda sociedade e até a presente data não há nada que imponha sua saída”.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;