Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Chácara Baronesa é a 17ª comunidade a
receber as trocas do programa Moeda Verde

Divulgação/PMSA Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Iniciativa andreense troca resíduos recicláveis por alimento em locais carentes


Do Dgabc.com.br

28/07/2021 | 18:49


Moradores da comunidade Chácara Baronesa, no Jardim Las Vegas, em Santo André, começaram a participar das trocas do Moeda Verde nesta quarta-feira (28). No local, a estimativa do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) é beneficiar 900 famílias que vivem em situação de vulnerabilidade.

“Mais uma comunidade atendida, um projeto que vem para ajudar a todos os envolvidos, pensando sempre na saúde alimentar dos participantes, com uma variedade grande de alimentos que são oferecidos pelo Banco de Alimentos e também cuidando da nossa cidade, juntos somos mais fortes”, afirma a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Carolina Barreto Serra.

O núcleo é o 17º a ser beneficiado pelo programa que, a cada cinco quilos de resíduos recicláveis descartados pela população, entrega um quilo de alimento hortifrúti. A iniciativa de Santo André, realizada pelo Fundo Social de Solidariedade, por meio do Banco de Alimentos, e pelo Semasa, foi criada em 2017 e serviu de inspiração para outras cidades, sendo destaque também na mídia internacional.

“O Moeda Verde é um programa que nos enche de orgulho, permite deixar as comunidades mais limpas e trazer mais dignidade para os moradores da nossa cidade. Uma ação importante que integra o Plano de Metas da Administração e que estará presente em 30 núcleos até 2024”, comenta o superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

Na estreia no novo local, a população trocou os resíduos por beterraba, milho, maçã, laranja e verduras fresquinhas. Até junho deste ano, em todos os núcleos participantes, já foram recebidas 437,35 toneladas de resíduos secos e, em troca, doadas 87 toneladas de legumes, frutas e verduras.

O líder comunitário David Marinho, de 32 anos, participou da primeira troca nesta quarta. “Muitas vezes a gente pensa que o reciclável é lixo, por isso acabamos jogando os materiais no lixo convencional. Neste momento de pandemia, em que nós estamos sofrendo, poder trocar algo que a gente ia jogar por alimento é muito importante. Os alimentos são frescos e isso contribui com a saúde da nossa população”, ressalta.

Atualmente, a iniciativa está presente nos núcleos: Ciganos, Capuava (o campeão das trocas), Ciprestes, Eucaliptos, Vista Alegre (Morro da Kibon), Santa Cristina, Jardim Cristiane, Sítio dos Vianas, Cruzado, Pintassilgo, Tamarutaca, Sorocaba, Espírito Santo, Missionários, Sacadura Cabral e Lamartine, sendo estes dois últimos com lançamentos em julho de 2021.

Em agosto, as trocas serão iniciadas no núcleo Maurício de Medeiros e, até o final do ano, outras três comunidades também vão receber as ações. O Moeda Verde faz parte das premissas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas e integra o compromisso municipal pelas Cidades Sustentáveis.

   

Fotos: Divulgação/PMSA


 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;