Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Segundo dia de manifestaçao do MST é marcado com invasao no RS


Do Diário do Grande ABC

22/09/1999 | 12:44


O segundo dia da manifestaçao dos pequenos agricultores que reivindicam a liberaçao de R$ 30 milhoes junto ao Banco do Brasil, foi marcado pelas 400 famílias de sem-terra que invadiram às 5h desta quarta-feira, parte da Granja Agropecuária 3 Pinheiros, em Capao Bonito do Sul (RS). Com a invasao, eles pretendem pressionar o Incra (Instituto Nacional de Colonizaçao e Reforma Agrária) e o governo do estado a cumprirem o acordo de julho, no qual constava o assentamento de 2.500 famílias acampadas.

Segundo um dos líderes estaduais do MST, Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra , Augusto Olson, o acordo nao foi cumprido.

A propriedade, pertencente a Alzira Bonotto Machado, localiza-se a 42 quilômetros do centro da principal cidade da Regiao, Lagoa Vermelha e possui no total 2.600 hectares.

De acordo com Olson, há dois anos nao se planta nada na área ocupada pelos manifestantes, 816 hectares. O líder ainda acrescentou que a granja está penhorada por dívidas ao Banco do Brasil, BRDE e Caixa Econômica Federal, superiores a R$ 12 milhoes. "Os bancos deveriam executar a dívida e com isso seria possível destinar a área para assentamento" afirmou Augusto Olson.

As famílias invasoras, vindas do acampamento de Chiapeta a 250 quilômetros de distância da granja, também visam pressionar o governo federal contra a eventual reduçao dos índices de produtividade do campo, determinantes para a deasapropriaçao ou nao das áreas, a serem oficialmente divulgadas pelo Ministério de Política Fundiária no sábado (25).

``Os fazendeiros querem reduzir o índice de 0,8 cabeças de gado por hectare para 0,4 cabeças. Isso significaria uma cabeça de gado a cada 10 hectares, o que é um absurdo'' declarou Augusto Olsson. Os sem-terra também revogam a liberaçao de recursos de R$ 2 mil para financiamento de safras, para cada uma das 7 mil famílias assentadas no Rio Grande do Sul.

O deputado Luiz Mainardi (PT-RS), propôs ao ministro de Política Fundiária, Raul Jungmann, a divisao da Regiao de Bagé, principal área de confrontos entre fazendeiros e sem-terra no Rio Grande do Sul, em dois módulos: um para financiamento da pecuária de corte de alta tecnologia e outro para intensificar a reforma agrária com assentamentos de mais 4 mil famílias.

A proposta feita pelo deputado consta ainda o assentamento de mais 1.200 famílias a mais das que lá atualmente residem em 20 mil hectares de 35 assentamentos, e que centralizariam suas atividades numa bacia de leite e na fruticultura.

Alegando que os assentamentos na regiao nao sao produtivos, nao dando retorno à sociedade e ainda empobrecendo a regiao de Bagé, o principal líder dos ruralistas da regiao e diretor da comissao de assuntos fundiário da Farsul (Federaçao da Agricultura), Gedeao Pereira, acusa que dos 100 assentamentos no Estado, mantidos com subsídios públicos como o Proceda, apenas três sao auto-suficientes e poderiam ser emancipados.

Bloqueando metade da avenida Alberto Bins e impedindo a saída de dinheiro do Banco Central para a rede bancária da capital gaúcha, 600 pequenos agricultores montaram um acampamento na rua, com colchoes, fogoes e outros pertences, em pleno centro da cidade.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;