Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Companhia aérea turca diz que jatos foram usados ilegalmente para fuga de Ghosn

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/01/2020 | 08:42


A companhia aérea turca MNG Jet, com sede em Istambul, afirmou em comunicado hoje que seus jatos foram usados de forma ilegal para auxiliar na fuga do ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, do Japão para o Líbano.

A empresa diz ter apresentado na quarta-feira uma queixa criminal sobre o acontecido e que um funcionário, que está sob investigação das autoridades, admitiu ter falsificado os registros do voo, fazendo com que o nome de Ghosn não aparecesse.

A MNG Jet explica no documento que alugou dois jatos particulares para dois clientes diferentes em dezembro: um jato particular de Dubai para Osaka e de Osaka para Istambul e outro jato particular de Istambul para Beirute. Os dois contratos de locação aparentemente não estavam conectados um ao outro e o nome de Ghosn não constava na documentação oficial de nenhum deles.

Depois disso, a companhia afirma ter descoberto pela mídia que as operações beneficiaram Ghosn e não os passageiros oficialmente declarados, e então entrou com o processo. A MNG Jet afirma ainda que está cooperando com as autoridades e espera que as pessoas que "usaram e/ou facilitaram ilegalmente o uso dos serviços da empresa sejam devidamente processadas".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Companhia aérea turca diz que jatos foram usados ilegalmente para fuga de Ghosn


03/01/2020 | 08:42


A companhia aérea turca MNG Jet, com sede em Istambul, afirmou em comunicado hoje que seus jatos foram usados de forma ilegal para auxiliar na fuga do ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, do Japão para o Líbano.

A empresa diz ter apresentado na quarta-feira uma queixa criminal sobre o acontecido e que um funcionário, que está sob investigação das autoridades, admitiu ter falsificado os registros do voo, fazendo com que o nome de Ghosn não aparecesse.

A MNG Jet explica no documento que alugou dois jatos particulares para dois clientes diferentes em dezembro: um jato particular de Dubai para Osaka e de Osaka para Istambul e outro jato particular de Istambul para Beirute. Os dois contratos de locação aparentemente não estavam conectados um ao outro e o nome de Ghosn não constava na documentação oficial de nenhum deles.

Depois disso, a companhia afirma ter descoberto pela mídia que as operações beneficiaram Ghosn e não os passageiros oficialmente declarados, e então entrou com o processo. A MNG Jet afirma ainda que está cooperando com as autoridades e espera que as pessoas que "usaram e/ou facilitaram ilegalmente o uso dos serviços da empresa sejam devidamente processadas".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;