Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

O recado de dentro


Do Diário do Grande ABC

15/09/2019 | 11:20


Nada mais sintomático do que a declaração do novo coordenador regional do PT no Grande ABC, Brás Marinho, para explicar os motivos pelos quais o partido não consegue superar sua crise. Diante da queda do número de militantes dispostos a saírem de suas casas em um domingo para escolher o presidente do diretório da legenda em sua cidade, o dirigente culpou o filiado.

Fundado em 1980, o Partido dos Trabalhadores surgiu com mote de defender uma classe que era ignorada pelas demais agremiações políticas da época. Se posicionou como oposição ferrenha à ditadura militar vigente. Logo atraiu pessoas das mais variadas classes sociais, agrupando operários e intelectuais. Em 2002, atingiu seu ápice, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. Mas foi neste período que o partido perdeu seu ativo mais importante: a relação de proximidade com o militante.

Lideranças que enalteciam a força do filiado, colocando-o como diferencial em comparação com os demais partidos, preferiram os cargos ao povo – exceção em tempos de eleição. Muitos deles foram flagrados em escândalos de corrupção. A estratégia do alto comando do petismo, diversas vezes, foi culpar os outros, a imprensa, o Poder Judiciário, a polícia.

Ao analisar a queda da militância ativa, Brás recorreu ao expediente que colaborou com a crise no PT: transferir a responsabilidade. O recado dado no PED (Processo de Eleição Direta) é mais um em direção à nata da legenda, desta vez de autoria de quem, um dia, acreditou no propósito do Partido dos Trabalhadores e assinou ficha de adesão. Isso porque, em eleições gerais, a população havia dado mostra de insatisfação com a sigla – não à toa em 2016 nenhum candidato a prefeito petista se elegeu no Grande ABC, algo inédito até então.

O PT se igualou aos partidos que tanto combateu no passado. E se não houver reflexão profunda, do papel do militante ao do máximo dirigente, nesse nível se manterá. Os alertas têm sido emitidos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O recado de dentro

Do Diário do Grande ABC

15/09/2019 | 11:20


Nada mais sintomático do que a declaração do novo coordenador regional do PT no Grande ABC, Brás Marinho, para explicar os motivos pelos quais o partido não consegue superar sua crise. Diante da queda do número de militantes dispostos a saírem de suas casas em um domingo para escolher o presidente do diretório da legenda em sua cidade, o dirigente culpou o filiado.

Fundado em 1980, o Partido dos Trabalhadores surgiu com mote de defender uma classe que era ignorada pelas demais agremiações políticas da época. Se posicionou como oposição ferrenha à ditadura militar vigente. Logo atraiu pessoas das mais variadas classes sociais, agrupando operários e intelectuais. Em 2002, atingiu seu ápice, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. Mas foi neste período que o partido perdeu seu ativo mais importante: a relação de proximidade com o militante.

Lideranças que enalteciam a força do filiado, colocando-o como diferencial em comparação com os demais partidos, preferiram os cargos ao povo – exceção em tempos de eleição. Muitos deles foram flagrados em escândalos de corrupção. A estratégia do alto comando do petismo, diversas vezes, foi culpar os outros, a imprensa, o Poder Judiciário, a polícia.

Ao analisar a queda da militância ativa, Brás recorreu ao expediente que colaborou com a crise no PT: transferir a responsabilidade. O recado dado no PED (Processo de Eleição Direta) é mais um em direção à nata da legenda, desta vez de autoria de quem, um dia, acreditou no propósito do Partido dos Trabalhadores e assinou ficha de adesão. Isso porque, em eleições gerais, a população havia dado mostra de insatisfação com a sigla – não à toa em 2016 nenhum candidato a prefeito petista se elegeu no Grande ABC, algo inédito até então.

O PT se igualou aos partidos que tanto combateu no passado. E se não houver reflexão profunda, do papel do militante ao do máximo dirigente, nesse nível se manterá. Os alertas têm sido emitidos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;