Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Faturamento da indústria cresce 1,5% em abril e confirma recuperação, diz CNI

EBC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


04/06/2018 | 15:28


Os Indicadores Industriais de abril, divulgados nesta segunda-feira, 4, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostram que o setor está retomando sua recuperação, "embora esse processo seja lento e ainda esteja longe de ser concluído". No mês de abril, pela série dessazonalizada do estudo, o faturamento da indústria aumentou 1,5% na comparação com março, representando uma alta de 6,9% no primeiro quadrimestre do ano em relação ao mesmo período de 2017. "Os resultados confirmam a tendência de alta do faturamento industrial", cita a pesquisa.

A maior parte dos indicadores, incluindo o faturamento, mostra crescimento na passagem de março para abril. As horas trabalhadas registraram a maior alta (2,2%) desde janeiro de 2016, revertendo as perdas de fevereiro e março; e o emprego cresceu, mesmo que em um porcentual pequeno, pelo oitavo mês seguido (0,1%).

O estudo mostra ainda que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) ficou praticamente estável (78,1%) em abril, com um recuo de 0,1 ponto porcentual (p.p) em relação a março. "Mesmo com a queda, o porcentual de utilização da capacidade é o segundo maior desde julho de 2015", diz o estudo. "O resultado é 1,6 p.p. acima do registrado em abril de 2017 e a UCI média do primeiro quadrimestre de 2018 é 1,2 p.p. superior ao registrado no primeiro quadrimestre de 2017", completa.

Dois indicadores tiveram queda em abril, a massa salarial real e o rendimento médio real do trabalhador industrial, "mostrando que o mercado de trabalho ainda segue em fase de ajustes". Tanto o recuo da massa salarial quanto o do rendimento médio real foi de -0,4%, cada um. Nos dois casos também, o desempenho de abril interrompe uma sequência positiva de três meses.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Faturamento da indústria cresce 1,5% em abril e confirma recuperação, diz CNI


04/06/2018 | 15:28


Os Indicadores Industriais de abril, divulgados nesta segunda-feira, 4, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostram que o setor está retomando sua recuperação, "embora esse processo seja lento e ainda esteja longe de ser concluído". No mês de abril, pela série dessazonalizada do estudo, o faturamento da indústria aumentou 1,5% na comparação com março, representando uma alta de 6,9% no primeiro quadrimestre do ano em relação ao mesmo período de 2017. "Os resultados confirmam a tendência de alta do faturamento industrial", cita a pesquisa.

A maior parte dos indicadores, incluindo o faturamento, mostra crescimento na passagem de março para abril. As horas trabalhadas registraram a maior alta (2,2%) desde janeiro de 2016, revertendo as perdas de fevereiro e março; e o emprego cresceu, mesmo que em um porcentual pequeno, pelo oitavo mês seguido (0,1%).

O estudo mostra ainda que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) ficou praticamente estável (78,1%) em abril, com um recuo de 0,1 ponto porcentual (p.p) em relação a março. "Mesmo com a queda, o porcentual de utilização da capacidade é o segundo maior desde julho de 2015", diz o estudo. "O resultado é 1,6 p.p. acima do registrado em abril de 2017 e a UCI média do primeiro quadrimestre de 2018 é 1,2 p.p. superior ao registrado no primeiro quadrimestre de 2017", completa.

Dois indicadores tiveram queda em abril, a massa salarial real e o rendimento médio real do trabalhador industrial, "mostrando que o mercado de trabalho ainda segue em fase de ajustes". Tanto o recuo da massa salarial quanto o do rendimento médio real foi de -0,4%, cada um. Nos dois casos também, o desempenho de abril interrompe uma sequência positiva de três meses.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;