Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A teia da droga

Os sinais estão sendo dados diariamente. Não passa um dia sem que a imprensa regional paulista deixe de trazer novos aspectos


Wilson Marini

17/06/2010 | 00:00


Os sinais estão sendo dados diariamente. Não passa um dia sem que a imprensa regional paulista deixe de trazer novos aspectos sobre o consumo e o tráfico de drogas. O problema deixou de ser pontual para se tornar epidêmico. Deixou de ser localizado para se tornar global.
Até há poucos anos era comum se falar em "rotas" do tráfico. Era uma tentativa de se confinar a criminalidade numa espécie de mapa por onde a droga entrava e era distribuída. Os caminhos coincidiam com as fronteiras de entrada no País.
No Estado de São Paulo, as divisas com o Mato Grosso do Sul eram e ainda são porta importante.
Muita coisa mudou. A operação do tráfico se disseminou de tal forma que as antigas rotas marcadas por estradas e ferrovias ficaram obsoletas, meros rastros do passado. Acompanhando a evolução do mundo, os negócios da droga se enraizaram de tal jeito no interior paulista que a melhor imagem para definir a atual estrutura de comércio é a ‘teia' preconizada pelo físico Fritjof Capra ao explicar a rede interligada da qual todos fazem parte e com conexões que interferem mutuamente. A droga globalizou-se. Não será controlada enquanto for tratada como um desafio apenas local e policial, como nos velhos mapas.

O povo fala
A impotência perante a expansão da droga foi um dos temas recorrentes na audiência pública para debater o orçamento estadual de 2011 em Rio Preto. "Cresce o número de usuários de crack no município", destacou o site oficial da Assembleia Legislativa com base em depoimento de cidadãos. Quem fala agora sobre o assunto não são mais as autoridades, nem especialistas. É o povo que sente no dia a dia o crescimento do problema. Houve um aumento "desenfreado" do número de usuários de crack, constatou o site.

Facilidade
Segundo o Diário da Região, um motel da cidade passou a oferecer drogas para os clientes. A equipe do jornal esteve no local após receber denúncia anônima e "comprou" com facilidade duas pedras de crack por R$ 20. O entorpecente foi negociado com uma mulher, que também forneceu duas velas para facilitar o consumo.

Oferta e procura
A polícia faz o que pode para aumentar a eficiência, mas o conceito da oferta e da procura, princípio básico que rege as relações comerciais, também é realidade no narcotráfico. Em Sorocaba, falta droga em alguns lugares de venda conhecidos como bocas, segundo revelou o Cruzeiro do Sul. Como ocorre com a verdura na feira livre, a escassez da maconha faz aumentar a sua cotação no mercado, de acordo com delegados e policiais militares.

Crianças e adolescentes
Em São José dos Campos, o jornal O Vale revela que a venda de drogas no município hoje está nas mãos de crianças e adolescentes. A função de vapor, aquele que na hierarquia do tráfico é responsável pela venda direta da droga para o usuário, é exercida por menores recrutados e explorados por traficantes adultos. São seduzidos pela chance de obter dinheiro fácil.

Veias no Interior
Chega a R$ 5 bilhões o total de investimentos em quatro anos pelo governo do Estado nas estradas municipais. "As vicinais são como as veias do nosso corpo, por onde escoamos a nossa produção e garantimos competitividade aos pequenos produtores que, por elas, conseguem chegar aos seus compradores", afirma o governador Goldman. São Paulo possui a maior e melhor malha rodoviária do Brasil. A má conservação das estradas está entre as mais graves causas da degradação ambiental. Os técnicos sabem que uma estrada vicinal em boas condições resulta na elevação do nível de renda no setor agrícola. Evandro Losacco, coordenador do programa de recuperação das estradas para o Interior, afirma que foram criados perto de 45 mil empregos diretos e 136 mil indiretos com o programa.

Na Copa
Dizem que o Brasil para em época de Copa do Mundo, mas não a indústria paulista. Na semana de estreia da Seleção Brasileira, a Fiesp se preparou para receber em sua sede na Avenida Paulista mais de 1.000 empresários que participarão de reuniões de sindicatos, conselhos, comitês e outros eventos. Pausa apenas para acompanhar os jogos da Seleção Brasileira, no telão de cinema do teatro do Sesi.

Saúde animal
Canis municipais parecem ignorar que lei estadual proíbe desde 2008 a eutanásia indiscriminada de cães e gatos. Esse é o tema de debate na Assembléia Legislativa nesta sexta-feira. ‘Matar Animais Resolve?', é o tema. O evento trará especialistas para debater o problema das doenças animais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A teia da droga

Os sinais estão sendo dados diariamente. Não passa um dia sem que a imprensa regional paulista deixe de trazer novos aspectos

Wilson Marini

17/06/2010 | 00:00


Os sinais estão sendo dados diariamente. Não passa um dia sem que a imprensa regional paulista deixe de trazer novos aspectos sobre o consumo e o tráfico de drogas. O problema deixou de ser pontual para se tornar epidêmico. Deixou de ser localizado para se tornar global.
Até há poucos anos era comum se falar em "rotas" do tráfico. Era uma tentativa de se confinar a criminalidade numa espécie de mapa por onde a droga entrava e era distribuída. Os caminhos coincidiam com as fronteiras de entrada no País.
No Estado de São Paulo, as divisas com o Mato Grosso do Sul eram e ainda são porta importante.
Muita coisa mudou. A operação do tráfico se disseminou de tal forma que as antigas rotas marcadas por estradas e ferrovias ficaram obsoletas, meros rastros do passado. Acompanhando a evolução do mundo, os negócios da droga se enraizaram de tal jeito no interior paulista que a melhor imagem para definir a atual estrutura de comércio é a ‘teia' preconizada pelo físico Fritjof Capra ao explicar a rede interligada da qual todos fazem parte e com conexões que interferem mutuamente. A droga globalizou-se. Não será controlada enquanto for tratada como um desafio apenas local e policial, como nos velhos mapas.

O povo fala
A impotência perante a expansão da droga foi um dos temas recorrentes na audiência pública para debater o orçamento estadual de 2011 em Rio Preto. "Cresce o número de usuários de crack no município", destacou o site oficial da Assembleia Legislativa com base em depoimento de cidadãos. Quem fala agora sobre o assunto não são mais as autoridades, nem especialistas. É o povo que sente no dia a dia o crescimento do problema. Houve um aumento "desenfreado" do número de usuários de crack, constatou o site.

Facilidade
Segundo o Diário da Região, um motel da cidade passou a oferecer drogas para os clientes. A equipe do jornal esteve no local após receber denúncia anônima e "comprou" com facilidade duas pedras de crack por R$ 20. O entorpecente foi negociado com uma mulher, que também forneceu duas velas para facilitar o consumo.

Oferta e procura
A polícia faz o que pode para aumentar a eficiência, mas o conceito da oferta e da procura, princípio básico que rege as relações comerciais, também é realidade no narcotráfico. Em Sorocaba, falta droga em alguns lugares de venda conhecidos como bocas, segundo revelou o Cruzeiro do Sul. Como ocorre com a verdura na feira livre, a escassez da maconha faz aumentar a sua cotação no mercado, de acordo com delegados e policiais militares.

Crianças e adolescentes
Em São José dos Campos, o jornal O Vale revela que a venda de drogas no município hoje está nas mãos de crianças e adolescentes. A função de vapor, aquele que na hierarquia do tráfico é responsável pela venda direta da droga para o usuário, é exercida por menores recrutados e explorados por traficantes adultos. São seduzidos pela chance de obter dinheiro fácil.

Veias no Interior
Chega a R$ 5 bilhões o total de investimentos em quatro anos pelo governo do Estado nas estradas municipais. "As vicinais são como as veias do nosso corpo, por onde escoamos a nossa produção e garantimos competitividade aos pequenos produtores que, por elas, conseguem chegar aos seus compradores", afirma o governador Goldman. São Paulo possui a maior e melhor malha rodoviária do Brasil. A má conservação das estradas está entre as mais graves causas da degradação ambiental. Os técnicos sabem que uma estrada vicinal em boas condições resulta na elevação do nível de renda no setor agrícola. Evandro Losacco, coordenador do programa de recuperação das estradas para o Interior, afirma que foram criados perto de 45 mil empregos diretos e 136 mil indiretos com o programa.

Na Copa
Dizem que o Brasil para em época de Copa do Mundo, mas não a indústria paulista. Na semana de estreia da Seleção Brasileira, a Fiesp se preparou para receber em sua sede na Avenida Paulista mais de 1.000 empresários que participarão de reuniões de sindicatos, conselhos, comitês e outros eventos. Pausa apenas para acompanhar os jogos da Seleção Brasileira, no telão de cinema do teatro do Sesi.

Saúde animal
Canis municipais parecem ignorar que lei estadual proíbe desde 2008 a eutanásia indiscriminada de cães e gatos. Esse é o tema de debate na Assembléia Legislativa nesta sexta-feira. ‘Matar Animais Resolve?', é o tema. O evento trará especialistas para debater o problema das doenças animais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;