Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Tesouro aumentará nº de títulos prefixados nos leiloes de julho


Do Diário do Grande ABC

28/06/2000 | 00:04


O Tesouro Nacional vai aumentar a quantidade de títulos prefixados nos leiloes que realizará em julho. Esses papéis têm a taxa de juros definida no momento da venda e representam um risco menor para o governo em situaçoes onde a taxa de juros aumente. O cronograma de leiloes para julho será divulgado até depois quinta-feira e segundo o secretário-adjunto do Tesouro, Rubens Sardenberg, deverá ser fixado um limite para emissoes de títulos prefixados superior aos R$ 4 bilhoes que haviam sido estimados para venda em junho. O Tesouro também pretende aumentar a oferta desses papéis com prazo de um ano, retomando a estratégia de alongamento da dívida pública, que foi interrompida em maio devido à volatilidade no mercado financeiro.

O primeiro passo nessa direçao foi dado nesta terça-feira, quando o Tesouro vendeu R$ 500 milhoes de papéis prefixados com prazo de um ano. Esses títulos nao vinham sendo vendidos desde o início de maio. No leilao desta terça, o governo conseguiu vender integralmente o lote de R$ 500 milhoes a uma taxa média de 18 67%. O ágio em relaçao à taxa Selic, que foi fixada pelo Banco Central em 17,5% ao ano, foi considerado natural pelo secretário. "Vale mais a pena ao governo pagar um pouco mais para alongar a dívida do que deixar de vender esses papéis e além disso, a taxa do leilao nao ficou distante da curva de juros que vem sendo usada pelo mercado", explicou Sardenberg.

A decisao do Tesouro de oferecer mais títulos prefixados ao mercado teve como base o leilao de recompra desses papéis, que foi feita na segunda-feira. Sardenberg explicou que pequena oferta desses papéis no leilao, que comprou apenas 428 mil títulos, enquanto o Tesouro esperava uma demanda na casa de um milhao de títulos, mostra a disposiçao do mercado em comprar papéis prefixados. Isso se explica pela tendência de reduçao dos juros. Se o mercado comprar os papéis por uma determinada taxa e o BC reduzir os juros, o ganho para o investidor é automático.

Como o BC tem autorizaçao para reduzir a taxa Selic antes da próxima reuniao do Comitê de Política Monetária (Copom), a aquisiçao desses papéis parece ser vantajosa. "Isso mostra que o mercado está confortável com esses papéis, o que indica otimismo com relaçao à economia brasileira e à continuidade da reduçao nas taxas de juros", disse Sardemberg.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tesouro aumentará nº de títulos prefixados nos leiloes de julho

Do Diário do Grande ABC

28/06/2000 | 00:04


O Tesouro Nacional vai aumentar a quantidade de títulos prefixados nos leiloes que realizará em julho. Esses papéis têm a taxa de juros definida no momento da venda e representam um risco menor para o governo em situaçoes onde a taxa de juros aumente. O cronograma de leiloes para julho será divulgado até depois quinta-feira e segundo o secretário-adjunto do Tesouro, Rubens Sardenberg, deverá ser fixado um limite para emissoes de títulos prefixados superior aos R$ 4 bilhoes que haviam sido estimados para venda em junho. O Tesouro também pretende aumentar a oferta desses papéis com prazo de um ano, retomando a estratégia de alongamento da dívida pública, que foi interrompida em maio devido à volatilidade no mercado financeiro.

O primeiro passo nessa direçao foi dado nesta terça-feira, quando o Tesouro vendeu R$ 500 milhoes de papéis prefixados com prazo de um ano. Esses títulos nao vinham sendo vendidos desde o início de maio. No leilao desta terça, o governo conseguiu vender integralmente o lote de R$ 500 milhoes a uma taxa média de 18 67%. O ágio em relaçao à taxa Selic, que foi fixada pelo Banco Central em 17,5% ao ano, foi considerado natural pelo secretário. "Vale mais a pena ao governo pagar um pouco mais para alongar a dívida do que deixar de vender esses papéis e além disso, a taxa do leilao nao ficou distante da curva de juros que vem sendo usada pelo mercado", explicou Sardenberg.

A decisao do Tesouro de oferecer mais títulos prefixados ao mercado teve como base o leilao de recompra desses papéis, que foi feita na segunda-feira. Sardenberg explicou que pequena oferta desses papéis no leilao, que comprou apenas 428 mil títulos, enquanto o Tesouro esperava uma demanda na casa de um milhao de títulos, mostra a disposiçao do mercado em comprar papéis prefixados. Isso se explica pela tendência de reduçao dos juros. Se o mercado comprar os papéis por uma determinada taxa e o BC reduzir os juros, o ganho para o investidor é automático.

Como o BC tem autorizaçao para reduzir a taxa Selic antes da próxima reuniao do Comitê de Política Monetária (Copom), a aquisiçao desses papéis parece ser vantajosa. "Isso mostra que o mercado está confortável com esses papéis, o que indica otimismo com relaçao à economia brasileira e à continuidade da reduçao nas taxas de juros", disse Sardemberg.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;