Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

BoJ mantém política monetária e decide reduzir frequência de reuniões



19/06/2015 | 05:12


O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu manter sua política monetária inalterada e anunciou que vai reduzir a frequência com que se reúne, seguindo o padrão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e do Banco Central Europeu (BCE).

O BoJ, que costuma realizar 14 reuniões regulares por ano, passará a promover oito encontros de política monetária anualmente, a partir de janeiro de 2016. Por outro lado, o BC japonês começará a divulgar relatórios de perspectiva sobre crescimento e preços trimestralmente, e não mais duas vezes ao ano.

Encerrando uma reunião de dois dias, o BoJ decidiu hoje, por 8 votos a 1, a manter inalterado o volume anual do programa de compras de ativos em 80 trilhões de ienes, numa sinalização de confiança de que atingirá sua meta de inflação de 2,0% no próximo ano. Como ocorreu em encontros anteriores, o único dirigente contrário à manutenção do volume atual foi Takahide Kiuchi, que mais uma vez sugeriu reduzir o programa para 45 trilhões de ienes anuais.

O BoJ também previu que a inflação ao consumidor do Japão deverá oscilar em torno de zero nos próximos meses, em razão principalmente de fatores externos que fogem ao controle do BC japonês, como a tendência de queda dos preços do petróleo.

Contudo, autoridades do BoJ, incluindo o presidente Haruhiko Kuroda, têm se mostrado otimistas em relação à perspectiva da inflação, com o argumento de que os preços devem voltar a subir até o fim do ano, uma vez que diminuírem os efeitos da energia barata. Eles argumentam que aumentos salariais, condições mais estreitas do mercado de trabalho e o comportamento das empresas de estabelecer preços mais altos para os bens de necessidade estão entre os fatores que ajudarão a reverter anos de mentalidade deflacionária no país.

Repetindo avaliação anterior, o BoJ afirmou ainda que a economia japonesa "continuou a se recuperar de forma moderada". Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

BoJ mantém política monetária e decide reduzir frequência de reuniões


19/06/2015 | 05:12


O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu manter sua política monetária inalterada e anunciou que vai reduzir a frequência com que se reúne, seguindo o padrão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e do Banco Central Europeu (BCE).

O BoJ, que costuma realizar 14 reuniões regulares por ano, passará a promover oito encontros de política monetária anualmente, a partir de janeiro de 2016. Por outro lado, o BC japonês começará a divulgar relatórios de perspectiva sobre crescimento e preços trimestralmente, e não mais duas vezes ao ano.

Encerrando uma reunião de dois dias, o BoJ decidiu hoje, por 8 votos a 1, a manter inalterado o volume anual do programa de compras de ativos em 80 trilhões de ienes, numa sinalização de confiança de que atingirá sua meta de inflação de 2,0% no próximo ano. Como ocorreu em encontros anteriores, o único dirigente contrário à manutenção do volume atual foi Takahide Kiuchi, que mais uma vez sugeriu reduzir o programa para 45 trilhões de ienes anuais.

O BoJ também previu que a inflação ao consumidor do Japão deverá oscilar em torno de zero nos próximos meses, em razão principalmente de fatores externos que fogem ao controle do BC japonês, como a tendência de queda dos preços do petróleo.

Contudo, autoridades do BoJ, incluindo o presidente Haruhiko Kuroda, têm se mostrado otimistas em relação à perspectiva da inflação, com o argumento de que os preços devem voltar a subir até o fim do ano, uma vez que diminuírem os efeitos da energia barata. Eles argumentam que aumentos salariais, condições mais estreitas do mercado de trabalho e o comportamento das empresas de estabelecer preços mais altos para os bens de necessidade estão entre os fatores que ajudarão a reverter anos de mentalidade deflacionária no país.

Repetindo avaliação anterior, o BoJ afirmou ainda que a economia japonesa "continuou a se recuperar de forma moderada". Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;