Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Bamba Junio Barreto recicla samba


Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

01/09/2005 | 08:37


Sempre com um pé no passado e outro bem fincado no futuro, o samba se recicla nas mãos de artistas que se alimentam das mais diversas influências. Um exemplo significativo dessa renovação no cenário dos bambas é o cantor e compositor Junio Barreto. O músico vive uma fase de conquistas importantes, após quase 20 anos de intensa batalha, iniciada em Pernambuco, o Estado em que nasceu.

Sucesso absoluto na casa de shows paulistana Grazie a Dio, ele já demarcou território em outro palco da capital, o do Blen Blen, onde faz show nesta sexta-feira e cumpre temporada até o fim de outubro. As apresentações ocorrem sempre às sextas-feiras, às 23h, e os ingressos vão de R$ 12,50 a R$ 25.

A lista de ilustres admiradores do trabalho de Barreto, inclui o conterrâneo Lenine e as divas Gal Costa, Maria Bethânia e Maria Rita, que já encomendaram músicas para seus próximos discos. Bebendo na fonte da poesia de Guimarães Rosa e Manoel de Barros, faz sambas com elementos pop, como o psicodelismo e as batidas eletrônicas, que preserva os laços da convivência com os representantes da geração mangue beat.

"Esse movimento foi um tapa para mim", explica Barreto, que começou a carreira artística como compositor de um grupo dark com influências dos ingleses Echo & The Bunnymen e Smiths. "Eu já adorava a música brasileira desde a infância. Ela estava escondida em mim e o movimento fez com que ressurgisse essa vontade de colocar elementos brasileiros na música", afirma. Apesar de não tocar nenhum instrumento, o músico elabora harmonias sofisticadas, com a ajuda dos integrantes da banda de apoio que o acompanhou nas gravações de seu primeiro disco, produzido no ano passado de forma independente e distribuído pela Tratore. Nove das dez faixas do álbum têm a assinatura dele, exceto A Mesma Rosa Amarela, letra do poeta Carlos Pena Filho musicada por Capiba. Outros destaques ficam por conta das dançantes Qual É Mago?, Se Vê que Vai Cair Deita de Vez e Amigos Bons, feita em parceria com os companheiros do mangue Otto e Bactéria.

Dono de uma voz suave e jeitão tranqüilo, Barreto faz um samba que poderia ser chamado de lisérgico, cheio de nuances que instigam o ouvinte. Fala para o mundo a partir de sua tribo, sem perder a identidade. "Vou criando a melodia na cabeça e passo para os músicos solfejando. Acho que as harmonias são mais elaboradas justamente por isso. Se tocasse algum instrumento, elas seriam mais simples", brinca o compositor.

Junio Barreto – Show. Nesta sexta-feira, às 23h, no Blen Blen – r. Inácio Pereira da Rocha, 520, São Paulo. Tel.: 3815-4999. Ingr.: R$ 12,50 (até às 23h) e R$ 25 (após as 23h). Até 28 de outubro.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;