Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresas europeias aumentam pessimismo com China



29/05/2014 | 02:04


As empresas europeias que fazem negócios na China relatam que o mercado está menos atrativo devido ao aumento nos custos trabalhistas, uma economia em desaceleração e pela falta de adesão ao Estado de Direito, afirmou a Câmara de Comércio da União Europeia na China.

De acordo com a pesquisa, conduzida com 552 empresas sediadas na Europa mas com operações na China, a dificuldade de atrair e reter funcionários, barreiras no acesso ao mercado e a aplicação discricionária de regulamentos também prejudicam o sentimento de negócios.

"A desaceleração econômica é uma verdadeira mudança no jogo para as empresas europeias na China", disse Jörg Wuttke, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China. "Para multinacionais, a China ainda é importante, mas não tão importante quanto era há alguns anos."

Pequim promete implantar amplas reformas econômicas, mas apenas 53% dos entrevistados disseram esperar mudanças de modo significativo. O relatório concluiu que está em curso uma nova realidade e alertou para o aumento do pessimismo para a performance futura.

A proporção de empresas planejando ampliar as atividades na China no curto prazo caiu para 57%, de 86% um ano atrás. Aquelas que estão há mais tempo no país oriental se mostraram mais pessimistas do que as novatas.

O relatório da Câmara de Comércio da União Europeia na China reconhece que muitos dos problemas não são novos, mas explicou que as barreiras estão se tornando mais pronunciadas e arraigadas. As empresas pesquisadas afirmaram que a aplicação da lei seria o melhor modo de melhorar o crescimento econômico. Elas reclamaram que, embora as leis sejam adequadas, há grandes deficiências na aplicação.

O Ministério do Comércio da China não respondeu imediatamente os pedidos por comentários. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresas europeias aumentam pessimismo com China


29/05/2014 | 02:04


As empresas europeias que fazem negócios na China relatam que o mercado está menos atrativo devido ao aumento nos custos trabalhistas, uma economia em desaceleração e pela falta de adesão ao Estado de Direito, afirmou a Câmara de Comércio da União Europeia na China.

De acordo com a pesquisa, conduzida com 552 empresas sediadas na Europa mas com operações na China, a dificuldade de atrair e reter funcionários, barreiras no acesso ao mercado e a aplicação discricionária de regulamentos também prejudicam o sentimento de negócios.

"A desaceleração econômica é uma verdadeira mudança no jogo para as empresas europeias na China", disse Jörg Wuttke, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China. "Para multinacionais, a China ainda é importante, mas não tão importante quanto era há alguns anos."

Pequim promete implantar amplas reformas econômicas, mas apenas 53% dos entrevistados disseram esperar mudanças de modo significativo. O relatório concluiu que está em curso uma nova realidade e alertou para o aumento do pessimismo para a performance futura.

A proporção de empresas planejando ampliar as atividades na China no curto prazo caiu para 57%, de 86% um ano atrás. Aquelas que estão há mais tempo no país oriental se mostraram mais pessimistas do que as novatas.

O relatório da Câmara de Comércio da União Europeia na China reconhece que muitos dos problemas não são novos, mas explicou que as barreiras estão se tornando mais pronunciadas e arraigadas. As empresas pesquisadas afirmaram que a aplicação da lei seria o melhor modo de melhorar o crescimento econômico. Elas reclamaram que, embora as leis sejam adequadas, há grandes deficiências na aplicação.

O Ministério do Comércio da China não respondeu imediatamente os pedidos por comentários. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;