Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Justiça não encontra conta bancária de Menem na Suíça


Das Agências

10/09/2001 | 12:28


Nenhuma conta bancária pertencente ao ex-presidente argentino Carlos Saúl Menem foi descoberta na Suíça, após o pedido de colaboração judicial apresentado por Buenos Aires, informou nesta segunda-feira um comunicado oficial suíço.

O ex-presidente Menem, atualmente sob prisão domiciliar, é acusado de tráfico ilegal de armas para Croácia e Equador e está sendo investigado por suposto enriquecimento ilícito.

Em sua solicitação de assistência processual, Buenos Aires mencionou os nomes de dois bancos. Um "não existe" e o outro, com sede em Zurique, não tem nenhuma conta em nome do ex-presidente, "apesar das investigações feitas pelo Ministério federal de Justiça", afirma o comunicado deste órgão.

O ex-secretário geral da Presidência na época de Carlos Menem, Alberto Kohan, e o atual ministro de Economia, Domingo Cavallo, são igualmente suspeitos de enriquecimento ilícito neste tráfico.

Carlos Menem, presidente de 1989 a 1999, foi indiciado no princípio de julho pelo juiz federal Jorge Urso, que o acusou de liderar uma associação ilícita que possibilitou comércio ilegal de armas para Croácia e Equador, entre 1991 e 1995, um delito punido com entre cinco e dez anos de prisão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça não encontra conta bancária de Menem na Suíça

Das Agências

10/09/2001 | 12:28


Nenhuma conta bancária pertencente ao ex-presidente argentino Carlos Saúl Menem foi descoberta na Suíça, após o pedido de colaboração judicial apresentado por Buenos Aires, informou nesta segunda-feira um comunicado oficial suíço.

O ex-presidente Menem, atualmente sob prisão domiciliar, é acusado de tráfico ilegal de armas para Croácia e Equador e está sendo investigado por suposto enriquecimento ilícito.

Em sua solicitação de assistência processual, Buenos Aires mencionou os nomes de dois bancos. Um "não existe" e o outro, com sede em Zurique, não tem nenhuma conta em nome do ex-presidente, "apesar das investigações feitas pelo Ministério federal de Justiça", afirma o comunicado deste órgão.

O ex-secretário geral da Presidência na época de Carlos Menem, Alberto Kohan, e o atual ministro de Economia, Domingo Cavallo, são igualmente suspeitos de enriquecimento ilícito neste tráfico.

Carlos Menem, presidente de 1989 a 1999, foi indiciado no princípio de julho pelo juiz federal Jorge Urso, que o acusou de liderar uma associação ilícita que possibilitou comércio ilegal de armas para Croácia e Equador, entre 1991 e 1995, um delito punido com entre cinco e dez anos de prisão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;