Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Finanças das famílias do Reino Unido pioram



18/11/2013 | 05:16


As famílias do Reino Único reportaram que suas finanças se deterioraram no ritmo mais elevado em sete meses em novembro, divulgou em relatório mensal a Markit Economics.

O índice que mede as finanças das famílias caiu para 38,8 em novembro, de 41,0 em outubro, no menor patamar desde abril. Essa queda evidencia as preocupações com o fraco crescimento dos salários e as recentes altas nos preços da energia, anunciadas por diversos fornecedores.

As famílias também indicaram que estão menos inclinadas a fazerem grandes compras em novembro, com a avaliação da situação financeira para os próximos 12 meses no pior nível desde fevereiro.

Em setembro, o líder do oposicionista Partido Trabalhador prometeu em setembro congelar as contas de energia por quase dois anos se eleito. O primeiro-ministro, David Cameron, disse que o plano não funcionaria porque os fornecedores elevariam os preços antes ou depois do congelamento.

Pressionado a agir, Cameron anunciou uma revisão do mercado de energia ao avaliar a competição, preços, lucros e barreiras a novos entrantes, e propôs retirar cobranças ambientais que estão incluídas nas contas. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Finanças das famílias do Reino Unido pioram


18/11/2013 | 05:16


As famílias do Reino Único reportaram que suas finanças se deterioraram no ritmo mais elevado em sete meses em novembro, divulgou em relatório mensal a Markit Economics.

O índice que mede as finanças das famílias caiu para 38,8 em novembro, de 41,0 em outubro, no menor patamar desde abril. Essa queda evidencia as preocupações com o fraco crescimento dos salários e as recentes altas nos preços da energia, anunciadas por diversos fornecedores.

As famílias também indicaram que estão menos inclinadas a fazerem grandes compras em novembro, com a avaliação da situação financeira para os próximos 12 meses no pior nível desde fevereiro.

Em setembro, o líder do oposicionista Partido Trabalhador prometeu em setembro congelar as contas de energia por quase dois anos se eleito. O primeiro-ministro, David Cameron, disse que o plano não funcionaria porque os fornecedores elevariam os preços antes ou depois do congelamento.

Pressionado a agir, Cameron anunciou uma revisão do mercado de energia ao avaliar a competição, preços, lucros e barreiras a novos entrantes, e propôs retirar cobranças ambientais que estão incluídas nas contas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;