Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cleuza sofre com rejeição em São Bernardo e Capital


Rogério Santos
Do Diário do Grande ABC

22/11/2012 | 07:29


Perto de trocar a Secretaria de Educação de São Bernardo pela da Capital paulista, na gestão do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), Cleuza Repulho não deixará saudades nem será bem recebida.

Ela está sendo rejeitada tanto pelo Sindserv (Sindicato dos Servidores) de São Bernardo quanto pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo).

As duas entidades de classe publicaram notas de repúdio a Cleuza. Os textos foram divulgados na internet. O Sindserv lançou a campanha ‘Fora Cleuza', alegando sentimento de insatisfação com a política educacional adotada pela secretária, que está no Paço desde 2009.

No dia 30 - data prevista para apresentação do novo estatuto para os profissionais do magistério e de Educação de São Bernardo - os professores farão marcha de protesto no Centro, em crítica à falta de diálogo para discutir as mudanças no documento, uma das principais reivindicações da categoria.

O coordenador da subsede da Apeoesp, Aldo Santos (ex-prefeiturável pelo Psol), avalia que a saída de Cleuza traz alívio para os professores de São Bernardo, mas preocupação para os rumos da Educação na Capital. "Será um problema, porque a metodologia adotada por ela não beneficia os professores", disse.

PERTO DA DEFINIÇÃO

Marinho vai tratar sobre a liberação de Cleuza Repulho diretamente com Haddad. Nos bastidores, a troca de cidades por parte da secretária é dada como certa. Basta apenas o acerto entre os prefeitos. "O Haddad conversou comigo semana passada. Ele quer falar sobre a liberação da Cleuza, vamos dialogar", disse Marinho.

O encontro deve ocorrer sexta-feira, quando Haddad retornará de Paris. Ele acompanha o atual comandante do Paço paulistano, Gilberto Kassab (PSD), na defesa da candidatura da Capital à World Expo 2020, exposição mundial de projetos, na sede do BIE (Bureau Internacional de Exposições).

Com a definição, Cleuza fará companhia ao deputado federal e ex-prefeito de Diadema, José de Filippi Júnior (PT), escolhido por Haddad para chefiar a Pasta da Saúde.

A mudança será a primeira baixa de Marinho para o segundo mandato, que deve perder também o secretário de Serviços Urbanos, Sebastião Ney Vaz, cotado para integrar o secretariado do prefeito eleito de Santo André, Carlos Grana (PT).

A trajetória de Cleuza Repulho na vida pública é marcada por problemas com a Justiça. Em 2011, a Promotoria da Cidadania de São Bernardo abriu sindicância para investigar convênio firmado entre a Secretaria de Educação e o Instituto Paradigma, no valor de R$ 3,2 milhões.

O MP abriu inquérito para apurar denúncia de que as metas e os objetivos do contrato são subjetivos.

Sua passagem pela Pasta em Santo André, de 2005 a 2008, também foi polêmica. Está arrolada em investigação do MP sobre suposto desvio de R$ 49 milhões, envolvendo serviços de ONG cujos serviços não teriam sido prestados. Cleuza nega todas as acusações.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cleuza sofre com rejeição em São Bernardo e Capital

Rogério Santos
Do Diário do Grande ABC

22/11/2012 | 07:29


Perto de trocar a Secretaria de Educação de São Bernardo pela da Capital paulista, na gestão do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), Cleuza Repulho não deixará saudades nem será bem recebida.

Ela está sendo rejeitada tanto pelo Sindserv (Sindicato dos Servidores) de São Bernardo quanto pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo).

As duas entidades de classe publicaram notas de repúdio a Cleuza. Os textos foram divulgados na internet. O Sindserv lançou a campanha ‘Fora Cleuza', alegando sentimento de insatisfação com a política educacional adotada pela secretária, que está no Paço desde 2009.

No dia 30 - data prevista para apresentação do novo estatuto para os profissionais do magistério e de Educação de São Bernardo - os professores farão marcha de protesto no Centro, em crítica à falta de diálogo para discutir as mudanças no documento, uma das principais reivindicações da categoria.

O coordenador da subsede da Apeoesp, Aldo Santos (ex-prefeiturável pelo Psol), avalia que a saída de Cleuza traz alívio para os professores de São Bernardo, mas preocupação para os rumos da Educação na Capital. "Será um problema, porque a metodologia adotada por ela não beneficia os professores", disse.

PERTO DA DEFINIÇÃO

Marinho vai tratar sobre a liberação de Cleuza Repulho diretamente com Haddad. Nos bastidores, a troca de cidades por parte da secretária é dada como certa. Basta apenas o acerto entre os prefeitos. "O Haddad conversou comigo semana passada. Ele quer falar sobre a liberação da Cleuza, vamos dialogar", disse Marinho.

O encontro deve ocorrer sexta-feira, quando Haddad retornará de Paris. Ele acompanha o atual comandante do Paço paulistano, Gilberto Kassab (PSD), na defesa da candidatura da Capital à World Expo 2020, exposição mundial de projetos, na sede do BIE (Bureau Internacional de Exposições).

Com a definição, Cleuza fará companhia ao deputado federal e ex-prefeito de Diadema, José de Filippi Júnior (PT), escolhido por Haddad para chefiar a Pasta da Saúde.

A mudança será a primeira baixa de Marinho para o segundo mandato, que deve perder também o secretário de Serviços Urbanos, Sebastião Ney Vaz, cotado para integrar o secretariado do prefeito eleito de Santo André, Carlos Grana (PT).

A trajetória de Cleuza Repulho na vida pública é marcada por problemas com a Justiça. Em 2011, a Promotoria da Cidadania de São Bernardo abriu sindicância para investigar convênio firmado entre a Secretaria de Educação e o Instituto Paradigma, no valor de R$ 3,2 milhões.

O MP abriu inquérito para apurar denúncia de que as metas e os objetivos do contrato são subjetivos.

Sua passagem pela Pasta em Santo André, de 2005 a 2008, também foi polêmica. Está arrolada em investigação do MP sobre suposto desvio de R$ 49 milhões, envolvendo serviços de ONG cujos serviços não teriam sido prestados. Cleuza nega todas as acusações.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;