Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 24 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Terreno é tomado por lixo e usuários de drogas

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Caroline Garcia
Especial para o Diário

30/07/2012 | 07:00


Usuários de drogas, cavalos e muito lixo. Essa é a situação do terreno localizado entre a Rua Maquiavel e a Avenida Lauro Gomes, no bairro Vila Sacadura Cabral, em Santo André. A área pertence à Petrobras e à Prefeitura.

Segundo moradores, desde que a Rua Maquiavel foi aberta, há dois anos, o poder público sinalizou com a possibilidade de construir praça no local, além da instalação de base da Policia Militar. "Só ouvimos falar mesmo, porque absolutamente nada foi feito desde aquela época", disse a cabeleireira Daniele Dotti Castelani, 25 anos.

A vizinhança tentou se mobilizar e o comerciante Helder Batista, 36 anos, chegou a recolher cerca de 500 assinaturas para que melhorias fossem feitas no terreno. Há um mês, ele levou o documento até a administração, mas não obteve resposta até agora.

"Falam que não dá para fechar o terreno porque passam dutos da Petrobras por baixo. Mas desse jeito também não dá para ficar", avalia Batista.

Outro problema do entorno é com a segurança. "Roubaram até o número da casa da minha mãe", falou o comerciante.

"Se andar com relógio e correntinha, os dependentes químicos levam para poder trocar por droga. Andar sozinho também é correr risco", conta o aposentado Anilson da Silva, 57 anos, que costuma recolher o estrume dos cavalos que ficam no espaço para adubar a horta que cultiva em casa. "É uma maneira de limpar o local, e reaproveitar o lixo", disse.

Os vizinhos contam que as equipes de limpeza da Prefeitura são vistas por lá, mas o descarte de lixo não para e sempre chegam usuários de drogas no terreno aberto. "O trabalho que eles fazem aqui não adianta. Só melhoraria se tivesse fiscalização 24 horas. Eles limpam à tarde, na manhã seguinte está imundo novamente", relata Silva.

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) informa que realiza limpeza periódica no local, cerca de quatro vezes ao mês. E que nesta semana, equipe fará a manutenção mais uma vez.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Terreno é tomado por lixo e usuários de drogas

Caroline Garcia
Especial para o Diário

30/07/2012 | 07:00


Usuários de drogas, cavalos e muito lixo. Essa é a situação do terreno localizado entre a Rua Maquiavel e a Avenida Lauro Gomes, no bairro Vila Sacadura Cabral, em Santo André. A área pertence à Petrobras e à Prefeitura.

Segundo moradores, desde que a Rua Maquiavel foi aberta, há dois anos, o poder público sinalizou com a possibilidade de construir praça no local, além da instalação de base da Policia Militar. "Só ouvimos falar mesmo, porque absolutamente nada foi feito desde aquela época", disse a cabeleireira Daniele Dotti Castelani, 25 anos.

A vizinhança tentou se mobilizar e o comerciante Helder Batista, 36 anos, chegou a recolher cerca de 500 assinaturas para que melhorias fossem feitas no terreno. Há um mês, ele levou o documento até a administração, mas não obteve resposta até agora.

"Falam que não dá para fechar o terreno porque passam dutos da Petrobras por baixo. Mas desse jeito também não dá para ficar", avalia Batista.

Outro problema do entorno é com a segurança. "Roubaram até o número da casa da minha mãe", falou o comerciante.

"Se andar com relógio e correntinha, os dependentes químicos levam para poder trocar por droga. Andar sozinho também é correr risco", conta o aposentado Anilson da Silva, 57 anos, que costuma recolher o estrume dos cavalos que ficam no espaço para adubar a horta que cultiva em casa. "É uma maneira de limpar o local, e reaproveitar o lixo", disse.

Os vizinhos contam que as equipes de limpeza da Prefeitura são vistas por lá, mas o descarte de lixo não para e sempre chegam usuários de drogas no terreno aberto. "O trabalho que eles fazem aqui não adianta. Só melhoraria se tivesse fiscalização 24 horas. Eles limpam à tarde, na manhã seguinte está imundo novamente", relata Silva.

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) informa que realiza limpeza periódica no local, cerca de quatro vezes ao mês. E que nesta semana, equipe fará a manutenção mais uma vez.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;