Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Caixa Econômica ampliará participação em bancos



29/11/2009 | 07:00


A CEF (Caixa Econômica Federal) pretende anunciar até o fim do ano a compra de participação em ao menos mais uma instituição financeira, além do Panamericano, segundo revelou fonte próxima das negociações, que falou sob a condição de não ter seu nome revelado. O profissional não informou qual banco será o próximo alvo, mas disse que o processo está em andamento e que o objetivo da Caixa é, com as associações, oferecer novos produtos aos correntistas ou melhorar o modelo de atuação em determinados nichos de mercado.

De acordo com esse profissional, todas as compras da Caixa seguirão o modelo em discussão com o Panamericano, ou seja, o banco público irá participar da gestão do negócio, mas não terá o controle. A fonte lembrou que esse modelo evitará que os constratos financeiros fechados com instituições de capital aberto resultem no pagamento de tag along, ou seja, dar o direito dos minoritários venderem suas ações pelo mesmo preço pago aos controladores.

Embora os bancos de menor porte não façam parte do Novo Mercado, maior nível de governança corporativa da Bovespa, a maior parte concede aos minoritários o direito de tag along.

Atualmente, a Caixa negocia com o Grupo Silvio Santos a compra de cerca de 35% do capital total do Panamericano, parcela que será composta por 49% das ações ordinárias e 20% dos papéis preferenciais. O valor a ser desembolsado, segundo a fonte, ficará em torno de R$ 700 milhões e o banco trabalha para fazer o anúncio oficial na amanhã.

Nas negociações para a definição dos preços, a Caixa levará em conta também o desempenho da instituição financeira no período pré-crise, segundo a fonte. Até setembro do ano passado, a maior parte dos bancos médios apresentava forte crescimento nas operações de crédito.

O movimento foi interrompido com o agravamento da crise externa. As compras serão feitas por meio da CaixaPar, subsidiária criada pela Caixa para adquirir participações em outras empresas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caixa Econômica ampliará participação em bancos


29/11/2009 | 07:00


A CEF (Caixa Econômica Federal) pretende anunciar até o fim do ano a compra de participação em ao menos mais uma instituição financeira, além do Panamericano, segundo revelou fonte próxima das negociações, que falou sob a condição de não ter seu nome revelado. O profissional não informou qual banco será o próximo alvo, mas disse que o processo está em andamento e que o objetivo da Caixa é, com as associações, oferecer novos produtos aos correntistas ou melhorar o modelo de atuação em determinados nichos de mercado.

De acordo com esse profissional, todas as compras da Caixa seguirão o modelo em discussão com o Panamericano, ou seja, o banco público irá participar da gestão do negócio, mas não terá o controle. A fonte lembrou que esse modelo evitará que os constratos financeiros fechados com instituições de capital aberto resultem no pagamento de tag along, ou seja, dar o direito dos minoritários venderem suas ações pelo mesmo preço pago aos controladores.

Embora os bancos de menor porte não façam parte do Novo Mercado, maior nível de governança corporativa da Bovespa, a maior parte concede aos minoritários o direito de tag along.

Atualmente, a Caixa negocia com o Grupo Silvio Santos a compra de cerca de 35% do capital total do Panamericano, parcela que será composta por 49% das ações ordinárias e 20% dos papéis preferenciais. O valor a ser desembolsado, segundo a fonte, ficará em torno de R$ 700 milhões e o banco trabalha para fazer o anúncio oficial na amanhã.

Nas negociações para a definição dos preços, a Caixa levará em conta também o desempenho da instituição financeira no período pré-crise, segundo a fonte. Até setembro do ano passado, a maior parte dos bancos médios apresentava forte crescimento nas operações de crédito.

O movimento foi interrompido com o agravamento da crise externa. As compras serão feitas por meio da CaixaPar, subsidiária criada pela Caixa para adquirir participações em outras empresas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;