Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Faculdade desmente currículo de Sabará



25/09/2020 | 07:09


Parte das informações sobre o currículo acadêmico do candidato suspenso pelo partido Novo à Prefeitura de São Paulo, Filipe Sabará, é falsa. O material do partido que apresentava o candidato dizia que ele era aluno do curso de pós-graduação Gerente de Cidades, da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), mas a instituição afirmou ao Estadão que ele nunca fez o curso. Agora, Sabará e o Novo se acusam mutuamente de divulgar informação inverídica.

Sabará teve a candidatura suspensa ontem após um procedimento sigiloso do partido. As inconsistências no currículo de Sabará são um dos motivos levaram um militante do Novo de Santa Catarina a entrar com a impugnação da candidatura.

Além desse ponto, candidato e dirigentes do partido vinham tendo atritos por dados errados na declaração de bens à Justiça Eleitoral (ele inicialmente declarou uma relação de R$ 15 mil, retificada para R$ 5 milhões), por um discurso alinhado ao bolsonarismo e por elogios feitos ao ex-prefeito Paulo Maluf - condenado por lavagem de dinheiro -, durante um programa de rádio. Sabará se desculpou depois pelo episódio.

As notícias no site do Novo sobre a aprovação de Sabará para disputar a eleição e a página de apresentação do candidato informavam que ele é "formado em marketing e cursa pós-graduação em Gerente de Cidade na Faap" desde dezembro do ano passado. Uma das páginas, que apresentava o candidato, foi retirada do ar.

A Faap, entretanto, disse ao Estadão que Sabará foi aluno, por seis meses, do curso de graduação em Relações Internacionais, no ano de 2003. Desde então, não teve nenhum outro vínculo com a instituição, segundo a Faap, e não fez matrícula nesta pós-graduação.

A campanha de Sabará afirma que não tem ideia de onde saiu a informação sobre a pós-graduação, que não teria sido passada pelo candidato suspenso à legenda. A assessoria de imprensa do Novo informou que o texto publicado nessas páginas era de autoria do próprio candidato, enviado ao partido.

A graduação de Sabará, na Faculdade de São Paulo, também é alvo de questionamentos em grupos de WhatsApp de apoiadores do Novo. A instituição, que não existe mais, foi absorvida pela Universidade do Brasil. Sabará afirma ter se formado em 2011, mas só requisitou o diploma em 2016.

Líder

Na manhã de quinta-feira, 24, a candidatura de Sabará foi alvo de nova contestação, desta vez pelo líder do Novo na Assembleia Legislativa de São Paulo, Daniel José. "Fiz isso como militante. A maneira como o sr Filipe Sabará reagiu (à suspensão da campanha) é mais uma evidência de que ele não tem condições de representar a sigla", disse. Questionado sobre os argumentos de seu pedido, Daniel José afirmou que não pode revelar porque o caso corre em sigilo na comissão de ética da legenda.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Faculdade desmente currículo de Sabará


25/09/2020 | 07:09


Parte das informações sobre o currículo acadêmico do candidato suspenso pelo partido Novo à Prefeitura de São Paulo, Filipe Sabará, é falsa. O material do partido que apresentava o candidato dizia que ele era aluno do curso de pós-graduação Gerente de Cidades, da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), mas a instituição afirmou ao Estadão que ele nunca fez o curso. Agora, Sabará e o Novo se acusam mutuamente de divulgar informação inverídica.

Sabará teve a candidatura suspensa ontem após um procedimento sigiloso do partido. As inconsistências no currículo de Sabará são um dos motivos levaram um militante do Novo de Santa Catarina a entrar com a impugnação da candidatura.

Além desse ponto, candidato e dirigentes do partido vinham tendo atritos por dados errados na declaração de bens à Justiça Eleitoral (ele inicialmente declarou uma relação de R$ 15 mil, retificada para R$ 5 milhões), por um discurso alinhado ao bolsonarismo e por elogios feitos ao ex-prefeito Paulo Maluf - condenado por lavagem de dinheiro -, durante um programa de rádio. Sabará se desculpou depois pelo episódio.

As notícias no site do Novo sobre a aprovação de Sabará para disputar a eleição e a página de apresentação do candidato informavam que ele é "formado em marketing e cursa pós-graduação em Gerente de Cidade na Faap" desde dezembro do ano passado. Uma das páginas, que apresentava o candidato, foi retirada do ar.

A Faap, entretanto, disse ao Estadão que Sabará foi aluno, por seis meses, do curso de graduação em Relações Internacionais, no ano de 2003. Desde então, não teve nenhum outro vínculo com a instituição, segundo a Faap, e não fez matrícula nesta pós-graduação.

A campanha de Sabará afirma que não tem ideia de onde saiu a informação sobre a pós-graduação, que não teria sido passada pelo candidato suspenso à legenda. A assessoria de imprensa do Novo informou que o texto publicado nessas páginas era de autoria do próprio candidato, enviado ao partido.

A graduação de Sabará, na Faculdade de São Paulo, também é alvo de questionamentos em grupos de WhatsApp de apoiadores do Novo. A instituição, que não existe mais, foi absorvida pela Universidade do Brasil. Sabará afirma ter se formado em 2011, mas só requisitou o diploma em 2016.

Líder

Na manhã de quinta-feira, 24, a candidatura de Sabará foi alvo de nova contestação, desta vez pelo líder do Novo na Assembleia Legislativa de São Paulo, Daniel José. "Fiz isso como militante. A maneira como o sr Filipe Sabará reagiu (à suspensão da campanha) é mais uma evidência de que ele não tem condições de representar a sigla", disse. Questionado sobre os argumentos de seu pedido, Daniel José afirmou que não pode revelar porque o caso corre em sigilo na comissão de ética da legenda.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;