Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-assessor de Trump recorreu a Eduardo Bolsonaro ao ser abordado pela PF



09/10/2021 | 10:30


No dia 7 de setembro, quando foram ao Aeroporto Internacional de Brasília em meio a uma passagem pelo Brasil que rendeu encontros com bolsonaristas e com o próprio presidente Jair Bolsonaro, o ex-assessor do ex-presidente norte-americano Donald Trump, Jason Miller, e o empresário Gerald Brant foram abordados pela Polícia Federal para prestar depoimento. Investigados nos inquéritos das fake news e das milícias digitais, e acuados pela PF, eles pediram ajuda ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para arranjar um advogado. Em meio ao depoimento da dupla, o assessor especial da Presidência, Filipe Martins, apareceu para socorrê-los.

Por serem representantes de uma plataforma de rede social de extrema-direita criada para driblar mecanismos de controle contra crimes virtuais, Miller e Brant entraram na mira das investigações e tiveram suas intimações para depoimento autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Eles já estavam no Brasil e haviam se reunido com Bolsonaro nos dias anteriores à abordagem. Segundo a decisão que autorizou os depoimentos, Miller e Brant são ligados a Steve Bannon, homem de confiança de Trump e um dos artífices das fake news norte-americanas que foram copiadas pelo bolsonarismo.

Assim que abordados no aeroporto, o empresário e o ex-assessor de Trump interromperam os federais para pedir que fosse solicitado um advogado. Enquanto Miller conversou com um servidor da embaixada norte-americana no Brasil, Brant afirmou aos agentes que pediu seu defensor diretamente ao deputado federal Eduardo Bolsonaro. A advogada Milena Ramos Camara compareceu naquela mesma manhã, quando se deu início do depoimento da dupla. Em meio às declarações dos norte-americanos, o assessor da Presidência Felipe Martins apareceu. A advogada disse à PF que Martins era um 'amigo' e que resolveria 'questões de honorários advocatícios'. Ela chegou a pedir aos agentes para que a presença de Martins não fosse registrada pela PF.

Em depoimento, Brant afirmou ser o presidente da empresa de rede social, e disse estar no Brasil para participar da Conferência de Ação Política Conservadora. Ele se recusou a revelar quem lhe convidou. Já Miller preferiu ficar em silêncio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;