Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Manifestação anti-globalização deixa 32 feridos em Barcelona


Das Agências

25/06/2001 | 11:47


Confrontos entre manifestantes anti-globalização e a polícia deixaram 32 pessoas feridas e outras 22 foram presas neste domingo em Barcelona.

Segundo a polícia da Cataluña, os presos, 15 espanhóis, um marroquino, um argentino, um português, um italiano e um uruguaio, foram colocados a disposição da Justiça nesta segunda-feira.

Os incidentes começaram depois de uma manifestação anti-globalização, que reuniu oito mil pessoas segundo a polícia e mais de 20 mil segundo os organizadores, que foi convocada por 350 associações para protestar contra uma reunião do Banco Mundial em Barcelona, que foi cancelada por temor a atos violentos.

A força policial indiscriminada contra um grupo de manifestantes, com gases e balas de borracha, ao final da marcha, provocou várias críticas.

A polícia não fez nada para impedir os atos de vandalismo, como a quebra de vidros de bancos e lojas, enquanto os organizadores da manifestação tentavam em vão deter os vândalos.

A oposição socialista e comunista pediu o comparecimento urgente do ministro do Interior, Mariano Rajoy, no Congresso de deputados, enquanto o Partido Socialista catalão anunciou a intenção de pedir a demissão da delegada do governo na Cataluña, Julia Garcia Valdecasas.

Os organizadores da manifestação denunciaram que policiais a paisana, vários deles com o rosto coberto com lenços catalães e bascos, estavam entre um grupo de provocadores, cuja ação desatou a ação policial.

Dois fotógrafos e um câmera foram agredidos pela polícia enquanto registravam essas cenas. Sete policiais ficaram feridos, segundo o governo.

O jornal El Periódico publicou nesta segunda-feira uma foto mostrando a agressão a um fotógrafo por um homem com um bastão, identificado pelo jornal como um policial disfarçado.

O conselheiro de Interior, Xavier Pomés, afirmou que é um "insulto à inteligência" dizer que foram agentes da polícia os que provocaram os atos violentos durante os protestos anti-globalização.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Manifestação anti-globalização deixa 32 feridos em Barcelona

Das Agências

25/06/2001 | 11:47


Confrontos entre manifestantes anti-globalização e a polícia deixaram 32 pessoas feridas e outras 22 foram presas neste domingo em Barcelona.

Segundo a polícia da Cataluña, os presos, 15 espanhóis, um marroquino, um argentino, um português, um italiano e um uruguaio, foram colocados a disposição da Justiça nesta segunda-feira.

Os incidentes começaram depois de uma manifestação anti-globalização, que reuniu oito mil pessoas segundo a polícia e mais de 20 mil segundo os organizadores, que foi convocada por 350 associações para protestar contra uma reunião do Banco Mundial em Barcelona, que foi cancelada por temor a atos violentos.

A força policial indiscriminada contra um grupo de manifestantes, com gases e balas de borracha, ao final da marcha, provocou várias críticas.

A polícia não fez nada para impedir os atos de vandalismo, como a quebra de vidros de bancos e lojas, enquanto os organizadores da manifestação tentavam em vão deter os vândalos.

A oposição socialista e comunista pediu o comparecimento urgente do ministro do Interior, Mariano Rajoy, no Congresso de deputados, enquanto o Partido Socialista catalão anunciou a intenção de pedir a demissão da delegada do governo na Cataluña, Julia Garcia Valdecasas.

Os organizadores da manifestação denunciaram que policiais a paisana, vários deles com o rosto coberto com lenços catalães e bascos, estavam entre um grupo de provocadores, cuja ação desatou a ação policial.

Dois fotógrafos e um câmera foram agredidos pela polícia enquanto registravam essas cenas. Sete policiais ficaram feridos, segundo o governo.

O jornal El Periódico publicou nesta segunda-feira uma foto mostrando a agressão a um fotógrafo por um homem com um bastão, identificado pelo jornal como um policial disfarçado.

O conselheiro de Interior, Xavier Pomés, afirmou que é um "insulto à inteligência" dizer que foram agentes da polícia os que provocaram os atos violentos durante os protestos anti-globalização.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;