Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PTB luta para manter papel protagonista em S.Caetano

Legenda com largo histórico de prefeitos eleitos tenta reorganização depois de saída de Auricchio


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

15/11/2015 | 07:00


A pouco menos de um ano da eleição de 2016, o PTB de São Caetano ainda não definiu como caminhará no pleito do ano que vem. O partido, que chegou a governar a cidade por três décadas, luta para manter papel protagonista no processo de sucessão do prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) em meio a cenário que se desenha com polarização entre o peemedebista e o ex-prefeito José Auricchio Júnior (ex-PTB, hoje PSDB).

Oficialmente, os petebistas falam que poderão lançar candidato próprio ao Paço, mas nos bastidores trabalham para ocupar a vaga de vice de Pinheiro. Atual detentora do posto, Lúcia Dal’Mas (PRTB) está rachada com o peemedebista e garante que vai disputar o Palácio da Cerâmica. Presidente da Câmara e atual comandante do PTB na cidade, Paulo Bottura é um dos que reivindicam o posto, também disputado pelo líder de governo, Jorge Salgado (ex-PTB, hoje Pros) – o secretário de Governo, Nilson Bonome (PMDB), é defendido por ala dentro do Paço. Insatisfeito com a saída de Auricchio do partido, o presidente paulista da legenda, deputado estadual Campos Machado, já anunciou que a sigla não caminhará no projeto do agora tucano.

O revés dos petebistas ocorreu em 2012, quando a então candidata da legenda à Prefeitura, Regina Maura Zetone (hoje no PSDB) perdeu a disputa para Pinheiro, que havia sido vereador justamente pelo PTB e que chegou a tentar ser indicado por Auricchio para ser candidato à sucessão. Desde então, o partido – que em 2008 venceu o pleito com 78,14% dos votos – diminuiu sua influência no cenário político da cidade. A bancada petebista eleita na eleição passada reduziu de quatro para dois parlamentares, com as saídas de Bottura e de Salgado. Neste ano, porém, este primeiro retornou aos quadros do partido.

CADEIRAS NA CÂMARA
O PTB também não definiu se fará coligação para a corrida à Câmara. Em 2012, os petebistas firmaram aliança com o DEM e com o PV, rendendo quatro vagas – todas para os petebistas. A previsão é a de que, se irem ao pleito isolados e sem candidato próprio à Prefeitura, a legenda corre risco de não reeleger os três parlamentares do partido: Bottura, Flavio Rstom e Gersio Sartori. Prevendo esse cenário, o dirigente do Legislativo tenta ser parceiro de chapa de Pinheiro na briga pela reeleição.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PTB luta para manter papel protagonista em S.Caetano

Legenda com largo histórico de prefeitos eleitos tenta reorganização depois de saída de Auricchio

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

15/11/2015 | 07:00


A pouco menos de um ano da eleição de 2016, o PTB de São Caetano ainda não definiu como caminhará no pleito do ano que vem. O partido, que chegou a governar a cidade por três décadas, luta para manter papel protagonista no processo de sucessão do prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) em meio a cenário que se desenha com polarização entre o peemedebista e o ex-prefeito José Auricchio Júnior (ex-PTB, hoje PSDB).

Oficialmente, os petebistas falam que poderão lançar candidato próprio ao Paço, mas nos bastidores trabalham para ocupar a vaga de vice de Pinheiro. Atual detentora do posto, Lúcia Dal’Mas (PRTB) está rachada com o peemedebista e garante que vai disputar o Palácio da Cerâmica. Presidente da Câmara e atual comandante do PTB na cidade, Paulo Bottura é um dos que reivindicam o posto, também disputado pelo líder de governo, Jorge Salgado (ex-PTB, hoje Pros) – o secretário de Governo, Nilson Bonome (PMDB), é defendido por ala dentro do Paço. Insatisfeito com a saída de Auricchio do partido, o presidente paulista da legenda, deputado estadual Campos Machado, já anunciou que a sigla não caminhará no projeto do agora tucano.

O revés dos petebistas ocorreu em 2012, quando a então candidata da legenda à Prefeitura, Regina Maura Zetone (hoje no PSDB) perdeu a disputa para Pinheiro, que havia sido vereador justamente pelo PTB e que chegou a tentar ser indicado por Auricchio para ser candidato à sucessão. Desde então, o partido – que em 2008 venceu o pleito com 78,14% dos votos – diminuiu sua influência no cenário político da cidade. A bancada petebista eleita na eleição passada reduziu de quatro para dois parlamentares, com as saídas de Bottura e de Salgado. Neste ano, porém, este primeiro retornou aos quadros do partido.

CADEIRAS NA CÂMARA
O PTB também não definiu se fará coligação para a corrida à Câmara. Em 2012, os petebistas firmaram aliança com o DEM e com o PV, rendendo quatro vagas – todas para os petebistas. A previsão é a de que, se irem ao pleito isolados e sem candidato próprio à Prefeitura, a legenda corre risco de não reeleger os três parlamentares do partido: Bottura, Flavio Rstom e Gersio Sartori. Prevendo esse cenário, o dirigente do Legislativo tenta ser parceiro de chapa de Pinheiro na briga pela reeleição.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;