Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Simon: FHC preferiu 2º mandato a reformas


Do Diário do Grande ABC

17/09/1999 | 17:27


Recebido na sede regional do PMDB baiano, em Salvador, na manha desta sexta-feira, como candidato do partido à Presidência da República, o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que participou da filiaçao de um grupo de políticos à legenda, assumiu mais uma vez o tom crítico em relaçao ao governo federal e tentou rebater a principal desculpa do presidente Fernando Henrique Cardoso para a crise, o atraso do Congresso na votaçao das reformas. Para ele, em vez de se preocupar com as reformas no primeiro mandato, Fernando Henrique teria priorizado a aprovaçao do segundo mandato.

"O maior equívoco do presidente foi ter jogado todas as suas fichas, quando estava no auge do seu prestígio, na reeleiçao; se tivesse jogado nas reformas fiscal, tributária e administrativa, teria feito um baita governo no primeiro mandato", raciocinou. Com as reformas econômicas, na visao do senador gaúcho, FHC acumularia cacife para aprovar a reforma eleitoral no último ano.

"Se nao tivesse aprovado a reeleiçao, sairia como papa do governo, elegeria o sucessor, estaria na Embaixada de Paris agora e poderia ser candidato em 2002."

A reforma tributária nao saiu do papel, segundo Simon, pelo fato de o governo federal ter aprovado os mecanismos de arrecadaçao necessários à máquina. "Já aprovou o aumento a alíquota do Imposto de Renda (IR) para 27,5%, a CPMF (Contribuiçao Provisória sobre Movimentaçao Financeira) para 0,38%, enfim, as fontes de recursos; por isso, a reforma nao sai e a crítica do presidente Fernando Henrique ao Congresso é tremendamente injusta."

Simon questionou também os cinco pontos básicos do programa do governo. "A agricultura continua ainda como prioridade e nao se cumpriu; o projeto de casa popular, idem; na questao do emprego, temos uma taxa de desemprego como nunca se viu; a saúde enfrenta o problema mais sério de sua história; e a educaçao, ele está encaminhando." Mesmo candidato declarado à sucessao presidencial, Simon nao apresentou programa ou slogan. O PMDB, por outro lado, revelou a frase que será usada na campanha municipal de 2000: "Feliz Brasil 2000."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Simon: FHC preferiu 2º mandato a reformas

Do Diário do Grande ABC

17/09/1999 | 17:27


Recebido na sede regional do PMDB baiano, em Salvador, na manha desta sexta-feira, como candidato do partido à Presidência da República, o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que participou da filiaçao de um grupo de políticos à legenda, assumiu mais uma vez o tom crítico em relaçao ao governo federal e tentou rebater a principal desculpa do presidente Fernando Henrique Cardoso para a crise, o atraso do Congresso na votaçao das reformas. Para ele, em vez de se preocupar com as reformas no primeiro mandato, Fernando Henrique teria priorizado a aprovaçao do segundo mandato.

"O maior equívoco do presidente foi ter jogado todas as suas fichas, quando estava no auge do seu prestígio, na reeleiçao; se tivesse jogado nas reformas fiscal, tributária e administrativa, teria feito um baita governo no primeiro mandato", raciocinou. Com as reformas econômicas, na visao do senador gaúcho, FHC acumularia cacife para aprovar a reforma eleitoral no último ano.

"Se nao tivesse aprovado a reeleiçao, sairia como papa do governo, elegeria o sucessor, estaria na Embaixada de Paris agora e poderia ser candidato em 2002."

A reforma tributária nao saiu do papel, segundo Simon, pelo fato de o governo federal ter aprovado os mecanismos de arrecadaçao necessários à máquina. "Já aprovou o aumento a alíquota do Imposto de Renda (IR) para 27,5%, a CPMF (Contribuiçao Provisória sobre Movimentaçao Financeira) para 0,38%, enfim, as fontes de recursos; por isso, a reforma nao sai e a crítica do presidente Fernando Henrique ao Congresso é tremendamente injusta."

Simon questionou também os cinco pontos básicos do programa do governo. "A agricultura continua ainda como prioridade e nao se cumpriu; o projeto de casa popular, idem; na questao do emprego, temos uma taxa de desemprego como nunca se viu; a saúde enfrenta o problema mais sério de sua história; e a educaçao, ele está encaminhando." Mesmo candidato declarado à sucessao presidencial, Simon nao apresentou programa ou slogan. O PMDB, por outro lado, revelou a frase que será usada na campanha municipal de 2000: "Feliz Brasil 2000."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;