Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Festa dionísiaca na anistia de Zé Celso


Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

10/04/2010 | 07:00


José Celso Martinez Corrêa não perdoa nada. Em cerimônia do processo de julgamento de sua anistia, realizada na quarta, na sede do Teatro Oficina, na Capital, o diretor subverteu as formalidades do Estado e colocou o bloco das autoridades na festa dionisíaca que promoveu.

A "Caravana da Anistia", que desde 2001 passou a julgar os processos em locais diferenciados, pela primeira vez pôs os pés em um teatro. Pés descalços, por sinal, que era a ordem para entrar no recinto.

Zé Celso foi inocentado por unanimidade pelo conselho e recebeu o direito à pensão mensal de R$ 5.000, além de pouco mais de R$ 569 mil, retroativos a 5 de julho de 2001. Indenização pela tortura, perseguição e pelos anos que passou exilado por conta do regime militar brasileiro.

"Posso afirmar que a ditadura operou sobre mim e o Oficina, o que Glauber Rocha chamava de assassinato cultural. Eu e o teatro fomos socialmente assassinados. Tomo essa indenização não como algo pessoal, mas algo que é de um grupo de pessoas que sempre esteve comigo. Eu nunca fiz nada sozinho", declarou.

O evento começou às 14h, com sessão lava-pés de todos os integrantes da Caravana. Um diabo preto os conduziu pelas escadarias e os pés foram lavados por homens e mulheres trajando curtas túnicas, mais pelados do que vestidos.

Constituída a sessão ao longo do Oficina, alguns simbolismos deram entrada a um vídeo, que nem bem arrancou lágrimas de Zé Celso, parou de funcionar. O Hino Nacional tocou em samba, bossa e rock.

O relator do requerimento de anistia, Prudente Mello, ex-ator amador, a seguir, fez um discurso inflamado, em que citou os percalços vividos pelo fundador do Oficina, recheando de refrões como "caminhando e cantando e seguindo a canção", "tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu" e "podem me prender, podem me bater..."

Na hora do Zé Celso, a algazarra foi instaurada. Não pelos outros, mas pelo próprio, que já começou cantando "Tupy Or Not Tupy", uma adaptação da frase proferida por Oswald de Andrade. Depois, discorreu sobre a cultura indígena e o manifesto antropofágico. "Todos os dias eu faço duas coisas de índio: acendo um baseado e tomo guaraná em pó, que são para me equilibrar."

Elogiou Dilma, Lula, "o primeiro presidente antropófago do Brasil" e citou o embrólio com o Grupo Silvio Santos, que tem projetos imobiliários no entorno do Teatro Oficina que estão descaracterizando o bairro do Bixiga.

Sobre os momentos que viveu na ditadura, disse: "A grande experiência da tortura que eu tive foi depois de ser torturado. Olhei nos olhos do torturador e vi que ele é também gente. As pessoas cometem esses atos porque se deixam ser mandadas pelo sistema".

No final, declarou que tudo é bom, o problema é o ismo (sufixo de origem grega que designa teoria ou princípio artístico e também doença). "Capital é bom, capitalismo que é ruim. Ser homossexual é bom, homossexualismo é ruim."

Em breve coletiva de imprensa, entre a solenidade e a apresentação do espetáculo "O Banquete", de Platão, revelou o que fará com o dinheiro. "Vou ajudar o teatro, e cuidar dos meus vícios, que são caros, o vinho e a maconha. Também, como sou cardíaco, vou dedicar à compra de remédios."

A FESTA - Depois da saída de alguns engravatados, os outros poucos da comissão que ficaram, viraram os olhos nos momentos mais fortes da festa que virou o espaço na apresentação do clássico diálogo de Platão sobre Eros, deus do amor. O Banquete é uma ode aos amores livres e corpos nus.

Livre, livre, e com atestado de perdoado, Zé Celso, aos 73 anos, protagonizou um dos momentos de nudez do espetáculo. E não há o que ser perdoado, porque tudo no mundo de Zé Celso é apenas um constante exercício do uso de suas liberdades.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;