Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Ao pai com carinho


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

04/04/2010 | 07:04


Um significativo lançamento marca os 50 anos da fundação da Livraria Martins Fontes. É Platero e Eu (296 págs., R$ 48), obra-prima da literatura espanhola do século 20, de autoria de Juan Ramón Jiménez, prêmio Nobel de Literatura em 1956.

A publicação sempre foi um desejo de Waldir Martins Fontes, um dos fundadores da editora nascida em Santos, morto em novembro de 2000. "Platero e Eu sempre foi uma das obras favoritas de meu pai. Durante anos, ele sonhou com a possibilidade de publicá-la no Brasil, e, por razões diversas, nunca chegou a fazê-lo", lembra o herdeiro Alexandre Martins Fontes.

Apesar de o autor Juan Ramón Jiménez ser reconhecido como um grande poeta, sua obra mais conhecida é um volume de prosa poética sobre a amizade entre um homem e seu burro, de uma primavera a outra, ambientada na cidade natal do autor, Moguer, na região espanhola de Andaluzia.
"Na obra de Ramón Jiménez transbordam lirismo, simplicidade, musicalidade, e sobretudo, melancolia. A mesma melancolia do fado português, que meu pai tanto amava", observa Alexandre Martins Fontes.

Cada detalhe foi pensado com extremo carinho. Optou-se por uma edição bilíngue para que o leitor tenha contato direto com a melodia e a doçura da voz do poeta. Como é dividido em 138 capítulos curtos fica fácil comparar rapidamente original e tradução, a cargo da competente Monica Stahel.

As ilustrações levam assinatura do premiado Javier Zabala. "Ao longo das últimas décadas Platero e Eu conheceu inúmeras edições no mundo inteiro. Nenhuma mais bela que esta", valoriza o editor.

O certo é que caminhantes, amantes da natureza e seres observadores devem ser tocados pelo olhar aparentemente simples do poeta sobre paisagens e figuras humanas que surgem ao longo da jornada do homem e seu burrinho andaluz.

Trecho

"Entrando na invernada dos cavalos, Platero começou a coxear. Fui para o chão.
- Mas, homem, o que houve?

Platero levantou um pouco a mão direita, mostrando a ranilha, sem força e sem peso, quase sem tocar com o casco a areia ardente do caminho. Com solicitude maior, decerto, do que a do velho Darbón, médico dele, dobrei-lhe a mão e observei a ranilha vermelha. Um espinho grande e verde, de laranjeira, estava cravado nela como um perfeito punhalzinho de esmeralda. Tocado pela dor de Platero, puxei o espinho; e levei o coitado até o riacho de lírios amarelos, para que a água corrente, com sua longa língua pura, lhe lambesse o ferimento. Depois, seguimos para o mar branco, eu à frente, ele atrás, ainda mancando e me dando suaves cabeçadas nas costas..."
Capítulo XII, O Espinho, página 27



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;