Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Em dois meses, vazamento de esgoto se agrava no Jd.Pedroso

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Promessa da Prefeitura era resolver problema em 30 dias, o que não ocorreu


Bia Moço
Do Diário do Grande do ABC

06/03/2019 | 07:00


 Dois meses depois que o Diário noticiou esgoto a céu aberto na Avenida Queiróz Pedroso, altura do 688, no Jardim Pedroso, em Mauá, a situação se agravou, principalmente pelo aumento de pancadas de chuva no período do verão. O acúmulo de resíduos em meio a terreno tem aumentado a cada enxurrada. A promessa da Prefeitura de resolver o problema em 30 dias, entretanto, não foi cumprida. Com medo de mais chuva neste mês, moradores cobram da administração medidas emergenciais.

A população já convive há pelo menos seis meses com cheiro de esgoto. Segundo a vizinhança, em dias de sol o odor aumenta, mas quando chove os resíduos e a água fétida invadem calçadas. O problema maior gira em torno da infestação de mosquitos, baratas, ratos e aranhas, que invadem casas do entorno.

Segundo moradoras, os transtornos começaram desde que houve deslizamento de terra na área. Conforme publicado em dezembro, a tubulação que fica no terreno rompeu e o esgoto se espalhou.

“A maior parte dos moradores do entorno deste terreno fez reclamação na Prefeitura. A administração diz que o terreno é particular e que notificaria o proprietário. No entanto, o tempo está passando e nada acontece”, reclamou moradora que não quis se identificar.

Já o comerciante Paulo Pelegrino, 47 anos, mora em casa que fica na frente do terreno. Há um ano, ele e a mulher compraram a residência, entretanto, já pensam em vender e buscar outro local. “Estamos querendo mudar daqui. Não tem condições de conviver com essa imundície. Não podemos deixar uma fresta aberta de tanto inseto. A Prefeitura passa fazendo campanha contra a dengue, e o maior proliferador está bem na nossa frente e ninguém toma providência.”

Além do cheiro, que afirma ser “insuportável”, Pelegrino reclama que o bairro está abandonado. Isso porque as calçadas estão quebradas e com mato alto; no meio da rua, há cratera aberta no asfalto. “Veja isso aqui, basta olhar ao redor e para ver que estamos largados. Não há o que fazer a não ser sair dessa cidade.”

Questionada, a Prefeitura não retornou aos contatos do Diário até o fechamento desta edição.

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;