Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bancos buscam recuperar mercado de crédito em 2010



09/11/2009 | 07:05


Os bancos privados preparam o terreno para em 2010 recuperarem parte do mercado de crédito perdido nos últimos meses para as instituições públicas. A primeira etapa já foi cumprida, que é o fortalecimento da base de capital. Agora, esses bancos serão mais agressivos na concessão de financiamentos. "Nosso poder de competição é para aproveitar este momento", alertou o diretor presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi.

Dados do Banco Central indicam que os bancos públicos respondiam por 40,48% do total do crédito no país em setembro. Um ano antes esse segmento detinha 34,11% dos empréstimos. Já o setor privado (incluindo os bancos de capital estrangeiros) viu sua participação cair de 65,89% para 59,52%. Essa mudança no mercado foi fruto da postura anticíclica adotada, principalmente, por Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, durante a crise financeira internacional, que enxugou a liquidez dos mercados.

Para ocuparem o espaço perdido, esses bancos estão com capital reforçado, o que permite maior concessão de crédito. O Santander registrava ao final de setembro um índice de Basileia de 17,8%, ante os 14% do mesmo mês de 2008. Esse indicador será ainda reforçado com os recursos da oferta pública de R$ 14,1 bilhões, que foi concluída em outubro. O Bradesco viu esse mesmo indicador saltar de 15,6% para 17,7% no mesmo período, em parte pela emissão de dívida subordina de US$ 750 milhões realizada no exterior. Já o Itaú Unibanco registrava no terceiro trimestre uma Basileia de 16,3%, melhora de 1,6 ponto porcentual em 12 meses. "O setor privado criou robustez patrimonial a partir da perspectiva de maior crescimento do crédito no próximo ano", afirma o analista da Lopes & Filho Consultoria João Augusto Salles.

A Basileia mede a capitalização de uma instituição financeira. No Brasil, o total de patrimônio deve corresponder, em média, a no mínimo 11% dos empréstimos. Quanto maior a Basileia, maior a capacidade de concessão de crédito do banco. Só no caso do Bradesco, por exemplo, o potencial é de concessão de R$ 200 bilhões, quase a totalidade da carteira total hoje, que é de R$ 215,536 bilhões.

O BB também contará com um reforço em seu capital, já que em outubro levantou US$ 1,5 bilhão em dívida subordinada no exterior no mês passado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bancos buscam recuperar mercado de crédito em 2010


09/11/2009 | 07:05


Os bancos privados preparam o terreno para em 2010 recuperarem parte do mercado de crédito perdido nos últimos meses para as instituições públicas. A primeira etapa já foi cumprida, que é o fortalecimento da base de capital. Agora, esses bancos serão mais agressivos na concessão de financiamentos. "Nosso poder de competição é para aproveitar este momento", alertou o diretor presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi.

Dados do Banco Central indicam que os bancos públicos respondiam por 40,48% do total do crédito no país em setembro. Um ano antes esse segmento detinha 34,11% dos empréstimos. Já o setor privado (incluindo os bancos de capital estrangeiros) viu sua participação cair de 65,89% para 59,52%. Essa mudança no mercado foi fruto da postura anticíclica adotada, principalmente, por Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, durante a crise financeira internacional, que enxugou a liquidez dos mercados.

Para ocuparem o espaço perdido, esses bancos estão com capital reforçado, o que permite maior concessão de crédito. O Santander registrava ao final de setembro um índice de Basileia de 17,8%, ante os 14% do mesmo mês de 2008. Esse indicador será ainda reforçado com os recursos da oferta pública de R$ 14,1 bilhões, que foi concluída em outubro. O Bradesco viu esse mesmo indicador saltar de 15,6% para 17,7% no mesmo período, em parte pela emissão de dívida subordina de US$ 750 milhões realizada no exterior. Já o Itaú Unibanco registrava no terceiro trimestre uma Basileia de 16,3%, melhora de 1,6 ponto porcentual em 12 meses. "O setor privado criou robustez patrimonial a partir da perspectiva de maior crescimento do crédito no próximo ano", afirma o analista da Lopes & Filho Consultoria João Augusto Salles.

A Basileia mede a capitalização de uma instituição financeira. No Brasil, o total de patrimônio deve corresponder, em média, a no mínimo 11% dos empréstimos. Quanto maior a Basileia, maior a capacidade de concessão de crédito do banco. Só no caso do Bradesco, por exemplo, o potencial é de concessão de R$ 200 bilhões, quase a totalidade da carteira total hoje, que é de R$ 215,536 bilhões.

O BB também contará com um reforço em seu capital, já que em outubro levantou US$ 1,5 bilhão em dívida subordinada no exterior no mês passado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;