Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Metalúrgicos pressionam a Magnet


Adriana Mompean
Do Diário do Grande ABC
Com AE

14/10/2004 | 09:40


Cerca de 50 metalúrgicos da Manufatura de Metais Magnet, de São Bernardo, paralisaram nesta quarta as atividades na empresa, após assembléia realizada para discutir a campanha salarial da categoria. Os metalúrgicos pedem reajuste salarial de 9,57% (que inclui reposição da inflação, mais 4% de aumento real) e mudança da data-base de novembro para setembro.

De acordo com Adair Carlos da Cruz, assessor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a Manufatura de Metais Magnet ofereceu aos trabalhadores apenas a reposição da inflação. Nesta quinta, às 7h, os metalúrgicos realizam nova assembléia para discutir sobre a continuidade ou a paralisação da greve.

A FEM (Federação Estadual dos Metalúrgicos) promove nesta quinta reunião dos metalúrgicos do Grupo 9 (máquinas, eletroeletrônicos e outros) com o sindicato patronal. Nesta sexta será a vez do Grupo 10 (mecânica, funilaria, iluminação, estamparia e outros). De acordo com José Lopez Feijóo, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o momento é de tentativa para que as negociações da categoria avancem. "Vamos esperar os resultados da reunião", afirma. Segundo Feijóo, não estão programadas mais paralisações na região nesta semana.

Petroleiros - Nesta quinta, os petroleiros se reúnem para fazer um balanço das assembléias realizadas em todas as bases da Petrobras no país. "Além disso, iremos discutir os próximos passos do movimento e se implementaremos os indicativos de greve a partir do dia 19", afirma João Antônio de Moraes, coordenador geral do Sindicato dos Petroleiros do Estado de São Paulo. A categoria reivindica reajuste de 13,2% para todos os funcionários, incluindo aposentados. A proposta da Petrobras, que foi rejeitada pela categoria, era de 12,1% apenas para os empregados em atividade.

Bancários - Fracassou a nova tentativa do TST (Tribunal Superior do Trabalho) de intermediar um acordo entre bancários em greve e os bancos oficiais federais. A audiência de conciliação foi marcada nesta quarta pelo presidente do TST, ministro Vantuil Abdala, com os representantes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e dos bancários. O julgamento do dissídio coletivo do BB e da Caixa deve ocorrer no dia 21. A greve completa nesta quinta 30 dias.

Na audiência, que ocorreu separadamente com o BB e com a Caixa, o presidente do TST fez a mesma proposta: abono de R$ 1 mil, acréscimo de 1% aos índices já oferecidos pelos bancos e garantia de que os dias parados não seriam descontados. A Caixa não quis negociar e o BB deixou claro que não pode arcar com abono e reajuste extra.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;