Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vereador quer fim do feriado da consciência negra em Ribeirão


Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

23/02/2005 | 13:40


A maior polêmica na Câmara Municipal de Ribeirão Pires trata de um projeto de lei que ainda nem foi elaborado e deve ser apresentado somente na próxima semana. Trata-se da idéia do vereador Antonio Muraki (PPS) de revogar o feriado de 20 de novembro, dia da Consciência Negra. Entidades de defesa da igualdade racial prometem resistir e já organizam um ato para terça-feira, dia 1º de março.

Segundo o vereador, o mês de novembro abriga três feriados em Ribeirão e isso prejudica a economia da cidade. “Este é o calcanhar de Aquiles para combatermos o desemprego, nosso pior problema”, diz. Muraki acredita que a medida poderá melhorar em 10% o nível de emprego no município. “Prefiro um feriado a menos e mais empresas em Ribeirão”, afirma, embora admita que ainda não tem dados sobre quantas empresas deixaram de se instalar na cidade por conta dessa data. O feriado da Consciência Negra foi instaurado no ano passado.

A proposta de Muraki se ampara em um abaixo-assinado de comerciantes do município entregue terça-feira à Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Pires). “São mais de 500 assinaturas contra o feriado, que poderia ser transformado em dois finais de semana com festa cultural e homenagem”, explica o vereador, que ainda avalia o documento.

“Não queremos festa e sim respeito com a data que marca a morte do maior líder negro da nossa história, Zumbi dos Palmares”, reage a vereadora Elza da Silva Carlos, a professora Elzinha (PT), autora do projeto que criou o feriado em 2002. “Aprovamos por unanimidade na Câmara e em acordo com a Aciarp e o Conselho de Desenvolvimento Econômico”, diz. Para a parlamentar, numa cidade turística pode-se potencializar o feriado para todo o comércio ganhar com ele. “Tem que ter criatividade”, diz.

Elzinha lembra que a proposta de suspensão do feriado aparece justamente no Ano Nacional de Promoção da Igualdade Racial, quando se discute na Câmara dos Deputados, em Brasília, a instituição de feriado nacional para a data. Elzinha foi alertada sobre o abaixo-assinado pela comerciante Reginilde da Costa, a Roxa, que não assinou o documento por não concordar com a proposta do vereador. “O problema do comércio é o cheiro ruim que sai dos bueiros do centro, não o feriado”, afirma a comerciante, que não é afro-descendente.

O presidente da Aciarp, Ricardo Nardelli Júnior, o Nonô, diz que a entidade não organizou o abaixo-assinado. “É uma iniciativa de comerciantes e só agora chegou a nossas mãos”, afirma. Segundo Nonô, o documento seria analisado pela diretoria da entidade durante reunião na noite de terça-feira.

O primeiro impasse sobre o projeto foi registrado terça-feira, durante encontro entre o vereador Antonio Muraki e representantes das entidades Aversão Hip-hop, Centro de Referência Afro-indígena Quilomboca e Federação das Sociedades Amigos de Bairros.

“Todas as raças têm direitos, mas esse feriado causa transtornos para a população, que tem de ir a outras cidades para pagar contas”, alega o vereador. Os representantes das entidades não se convenceram com o argumento e prometem organizar um protesto programado para a próxima terça-feira.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vereador quer fim do feriado da consciência negra em Ribeirão

Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

23/02/2005 | 13:40


A maior polêmica na Câmara Municipal de Ribeirão Pires trata de um projeto de lei que ainda nem foi elaborado e deve ser apresentado somente na próxima semana. Trata-se da idéia do vereador Antonio Muraki (PPS) de revogar o feriado de 20 de novembro, dia da Consciência Negra. Entidades de defesa da igualdade racial prometem resistir e já organizam um ato para terça-feira, dia 1º de março.

Segundo o vereador, o mês de novembro abriga três feriados em Ribeirão e isso prejudica a economia da cidade. “Este é o calcanhar de Aquiles para combatermos o desemprego, nosso pior problema”, diz. Muraki acredita que a medida poderá melhorar em 10% o nível de emprego no município. “Prefiro um feriado a menos e mais empresas em Ribeirão”, afirma, embora admita que ainda não tem dados sobre quantas empresas deixaram de se instalar na cidade por conta dessa data. O feriado da Consciência Negra foi instaurado no ano passado.

A proposta de Muraki se ampara em um abaixo-assinado de comerciantes do município entregue terça-feira à Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Pires). “São mais de 500 assinaturas contra o feriado, que poderia ser transformado em dois finais de semana com festa cultural e homenagem”, explica o vereador, que ainda avalia o documento.

“Não queremos festa e sim respeito com a data que marca a morte do maior líder negro da nossa história, Zumbi dos Palmares”, reage a vereadora Elza da Silva Carlos, a professora Elzinha (PT), autora do projeto que criou o feriado em 2002. “Aprovamos por unanimidade na Câmara e em acordo com a Aciarp e o Conselho de Desenvolvimento Econômico”, diz. Para a parlamentar, numa cidade turística pode-se potencializar o feriado para todo o comércio ganhar com ele. “Tem que ter criatividade”, diz.

Elzinha lembra que a proposta de suspensão do feriado aparece justamente no Ano Nacional de Promoção da Igualdade Racial, quando se discute na Câmara dos Deputados, em Brasília, a instituição de feriado nacional para a data. Elzinha foi alertada sobre o abaixo-assinado pela comerciante Reginilde da Costa, a Roxa, que não assinou o documento por não concordar com a proposta do vereador. “O problema do comércio é o cheiro ruim que sai dos bueiros do centro, não o feriado”, afirma a comerciante, que não é afro-descendente.

O presidente da Aciarp, Ricardo Nardelli Júnior, o Nonô, diz que a entidade não organizou o abaixo-assinado. “É uma iniciativa de comerciantes e só agora chegou a nossas mãos”, afirma. Segundo Nonô, o documento seria analisado pela diretoria da entidade durante reunião na noite de terça-feira.

O primeiro impasse sobre o projeto foi registrado terça-feira, durante encontro entre o vereador Antonio Muraki e representantes das entidades Aversão Hip-hop, Centro de Referência Afro-indígena Quilomboca e Federação das Sociedades Amigos de Bairros.

“Todas as raças têm direitos, mas esse feriado causa transtornos para a população, que tem de ir a outras cidades para pagar contas”, alega o vereador. Os representantes das entidades não se convenceram com o argumento e prometem organizar um protesto programado para a próxima terça-feira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;