Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Recursos serão aplicados também em órgãos de controle e fiscalização, diz Salles



22/04/2021 | 13:05


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reforçou nesta quinta-feira, 22, o pedido por recursos internacionais para apoiar o combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. O ministro destacou que a duplicação de recursos para ações de comando e controle, anunciada hoje pelo presidente Jair Bolsonaro, deve ser direcionada para equipes da Força Nacional e órgãos de fiscalização.

"Os recursos, especificamente em comando e controle, serão dobrados, como disse o presidente na sua fala, e os recursos estão sendo estabelecidos agora por ocasião da aprovação do orçamento junto ao Congresso Nacional", disse Salles em entrevista coletiva no Palácio do Planalto. O ministro, contudo, não deu detalhes sobre os valores que serão reforçados.

"Com relação ao orçamento, o número (valor) preciso não é possível estabelecer agora porque justamente nesta semana se está definindo o Orçamento junto ao Congresso. O que é possível dizer é que o que houver de disponibilidade, o presidente vai dobrar o recurso", declarou.

"Isso é importante porque dá sustentação ao pagamento das equipes da Força Nacional, que podem aumentar substancialmente, e que se somam - aqui não é substituição - ao que já tem de equipes de logística do Ibama, ICMBio, Polícia Federal e contar com o apoio logístico das Forças Armadas", ressaltou.

Salles também reiterou o pedido de que "países, empresas, entidades nacionais e estrangeiras, colaboram com o robustecimento do orçamento para redução do desmatamento ilegal", além no desenvolvimento da região. No início da gestão de Bolsonaro, o ministro do Meio Ambiente chegou a desdenhar de recursos internacionais voltados para a região amazônica, o que depois levou à paralisação do Fundo Amazônia bancado pela Alemanha e Noruega.

Depois de recordes no desmatamento e queimadas, Salles mudou o tom e passou a defender que o Brasil deve ser pago por seus serviços ambientais. Essa posição foi a mesma defendida por Jair Bolsonaro em sua carta ao presidente americano Joe Biden e em sua fala hoje na Cúpula de Líderes sobre o Clima. Nesta quinta-feira, o ministro afirmou que com a queda do desmatamento os repasses do Fundo Amazônia poderiam ser restabelecidos.

"Quanto mais recurso vier, quanto mais apoio existir, maior probabilidade de antecipar tanto a extinção do desmatamento ilegal quanto a redução de 50% dessas emissões que virá junto com a eliminação do desmatamento", declarou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Recursos serão aplicados também em órgãos de controle e fiscalização, diz Salles


22/04/2021 | 13:05


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reforçou nesta quinta-feira, 22, o pedido por recursos internacionais para apoiar o combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. O ministro destacou que a duplicação de recursos para ações de comando e controle, anunciada hoje pelo presidente Jair Bolsonaro, deve ser direcionada para equipes da Força Nacional e órgãos de fiscalização.

"Os recursos, especificamente em comando e controle, serão dobrados, como disse o presidente na sua fala, e os recursos estão sendo estabelecidos agora por ocasião da aprovação do orçamento junto ao Congresso Nacional", disse Salles em entrevista coletiva no Palácio do Planalto. O ministro, contudo, não deu detalhes sobre os valores que serão reforçados.

"Com relação ao orçamento, o número (valor) preciso não é possível estabelecer agora porque justamente nesta semana se está definindo o Orçamento junto ao Congresso. O que é possível dizer é que o que houver de disponibilidade, o presidente vai dobrar o recurso", declarou.

"Isso é importante porque dá sustentação ao pagamento das equipes da Força Nacional, que podem aumentar substancialmente, e que se somam - aqui não é substituição - ao que já tem de equipes de logística do Ibama, ICMBio, Polícia Federal e contar com o apoio logístico das Forças Armadas", ressaltou.

Salles também reiterou o pedido de que "países, empresas, entidades nacionais e estrangeiras, colaboram com o robustecimento do orçamento para redução do desmatamento ilegal", além no desenvolvimento da região. No início da gestão de Bolsonaro, o ministro do Meio Ambiente chegou a desdenhar de recursos internacionais voltados para a região amazônica, o que depois levou à paralisação do Fundo Amazônia bancado pela Alemanha e Noruega.

Depois de recordes no desmatamento e queimadas, Salles mudou o tom e passou a defender que o Brasil deve ser pago por seus serviços ambientais. Essa posição foi a mesma defendida por Jair Bolsonaro em sua carta ao presidente americano Joe Biden e em sua fala hoje na Cúpula de Líderes sobre o Clima. Nesta quinta-feira, o ministro afirmou que com a queda do desmatamento os repasses do Fundo Amazônia poderiam ser restabelecidos.

"Quanto mais recurso vier, quanto mais apoio existir, maior probabilidade de antecipar tanto a extinção do desmatamento ilegal quanto a redução de 50% dessas emissões que virá junto com a eliminação do desmatamento", declarou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;