Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em agenda na Capital, Dilma e Alckmin evitam política


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

23/02/2016 | 07:00


A presidente Dilma Rousseff (PT) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), evitaram comentar sobre política ontem, durante agenda oficial na Capital, em dia marcado pela prisão expedida e bloqueio das contas pessoais e das empresas do publicitário João Santana e de sua mulher, Mônica Moura – Santana foi responsável pelas campanhas presidenciais de Dilma em 2010 e 2014 e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006.

Em São Paulo, a chefe da Nação e o chefe do Executivo paulista participaram de assinatura de contrato para o desenvolvimento de vacina contra a dengue, que vai produzir imunizante nacional de acesso de grande parte da população ao produto. O contrato foi assinado entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado. Contrato prevê R$ 100 milhões para o Instituto Butantan. Ao todo, o aporte é R$ 300 milhões. A assinatura ocorreu no Hospital das Clínicas.

“A vacina também afirma o papel do País como tendo um laboratório capaz de produzir uma vacina que hoje, sem sombra de dúvida, seria usada por parte importante da humanidade. O desafio é chegar à vacina contra o zika vírus. Um dos caminhos é o de transformar essa vacina tetravalente em vacina pentavalente ou desenvolver vacina exclusiva para esse vírus”, pontuou Dilma.

Durante agenda, os governantes assistiram à aplicação da vacina em três voluntários no hospital. “Estamos em um momento da ciência em que o Brasil está na vanguarda. Essa questão envolve grande parte do planeta. É uma boa parceria com governo federal”, discursou Alckmin, que, ao lado de Dilma, deixou o local sem falar com os jornalistas. O secretário de Saúde do Estado, Davi Uip, respondeu aos questionamentos da impressa e reforçou que ao todo, 1.200 voluntários de São Paulo serão vacinados nesta fase dos testes.

Presente ao evento, o presidente estadual do PT, o ex-prefeito de Osasco Emidio de Souza, foi o único a comentar sobre situação do marqueteiro do petista.

“Não sei o que ele (João Santana) tem a explicar. O juiz (Sérgio Moro) não chama para conversar, manda prender. Ele (João Santana) vai estar de volta ao País em pouco tempo, mas o juiz chama e manda prender, uma ação espetaculosa”, criticou Emidio de Souza. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em agenda na Capital, Dilma e Alckmin evitam política

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

23/02/2016 | 07:00


A presidente Dilma Rousseff (PT) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), evitaram comentar sobre política ontem, durante agenda oficial na Capital, em dia marcado pela prisão expedida e bloqueio das contas pessoais e das empresas do publicitário João Santana e de sua mulher, Mônica Moura – Santana foi responsável pelas campanhas presidenciais de Dilma em 2010 e 2014 e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006.

Em São Paulo, a chefe da Nação e o chefe do Executivo paulista participaram de assinatura de contrato para o desenvolvimento de vacina contra a dengue, que vai produzir imunizante nacional de acesso de grande parte da população ao produto. O contrato foi assinado entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado. Contrato prevê R$ 100 milhões para o Instituto Butantan. Ao todo, o aporte é R$ 300 milhões. A assinatura ocorreu no Hospital das Clínicas.

“A vacina também afirma o papel do País como tendo um laboratório capaz de produzir uma vacina que hoje, sem sombra de dúvida, seria usada por parte importante da humanidade. O desafio é chegar à vacina contra o zika vírus. Um dos caminhos é o de transformar essa vacina tetravalente em vacina pentavalente ou desenvolver vacina exclusiva para esse vírus”, pontuou Dilma.

Durante agenda, os governantes assistiram à aplicação da vacina em três voluntários no hospital. “Estamos em um momento da ciência em que o Brasil está na vanguarda. Essa questão envolve grande parte do planeta. É uma boa parceria com governo federal”, discursou Alckmin, que, ao lado de Dilma, deixou o local sem falar com os jornalistas. O secretário de Saúde do Estado, Davi Uip, respondeu aos questionamentos da impressa e reforçou que ao todo, 1.200 voluntários de São Paulo serão vacinados nesta fase dos testes.

Presente ao evento, o presidente estadual do PT, o ex-prefeito de Osasco Emidio de Souza, foi o único a comentar sobre situação do marqueteiro do petista.

“Não sei o que ele (João Santana) tem a explicar. O juiz (Sérgio Moro) não chama para conversar, manda prender. Ele (João Santana) vai estar de volta ao País em pouco tempo, mas o juiz chama e manda prender, uma ação espetaculosa”, criticou Emidio de Souza. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;