Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Pesquisa: consumidor prefere quitar dívidas a comprar


Carolina Rodriguez
Do Diário do Grande ABC

04/10/2003 | 18:46


Os consumidores devem preferir quitar as dívidas e limpar o nome do que realizar novas compras nos próximos meses. Este é o resultado de uma pesquisa feita pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo). De acordo com o levantamento, 95% dos entrevistados disseram que pretendem limpar o nome, sendo que apenas 5% manifestaram o desejo de continuar comprando (veja tabela ao lado). A pesquisa foi realizada com os inadimplentes que procuraram a entidade nas últimas semanas.

O levantamento da Associação Comercial mostra ainda que do total de consumidores que pretendem limpar o nome, 71% deles utilizarão recursos do próprio salário. Os demais devem usar o dinheiro do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) (2%); férias (4%); poupança (2%); e outros (21%).

Quando questionados se pretendem realizar compras a prazo nos próximos meses, 37% dos entrevistados responderam que sim, contra 63%, que disseram que não. Entre os produtos que devem ser adquiridos, os consumidores responderam móveis (23%), eletrodomésticos (20%), material de construção (15%), roupas e calçados (9%), automóveis (9%), alimentação (6%), celular (2%), casa ou apartamento (1%) e outros (15%).

O levantamento da entidade mostra ainda que o desemprego continua sendo a principal causa de inadimplência, com 58% dos casos, seguido por fiador ou avalista em segundo lugar, com 12%, e por descontrole dos gastos, em terceiro, com 9%. Do total de pessoas que apontaram o desemprego como causa da inadimplência, 43% continuavam sem emprego.

Quando questionados sobre as principais formas de endividamento, 39% dos consumidores responderam carnê ou cheque, sendo que 66% deles têm as duas formas de inadimplência. No caso do carnê, 27% disseram possuir três ou mais débitos, enquanto no cheque, 35% tiveram mais de seis folhas devolvidas por falta de fundo.

O comércio foi o setor mais afetado pela falta de pagamentos, com 49% do índice de inadimplência, seguido pelos bancos em segundo, com 22%, e pelas financeiras, em terceiro, com 13%.

Otimismo – O diretor de economia da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo, acredita que este fim de ano seja melhor do que o de 2002. “O comércio é otimista por natureza. Mas a nossa expectativa é de termos um Natal igual ou um pouco superior ao do ano passado”, disse o diretor, explicando que 2002 foi muito fraco para o setor. “A base de comparação é baixa”, afirmou.

A previsão da entidade, segundo Solimeo, não está baseada apenas em “otimismo”. De acordo com ele, o próprio governo mostra que a economia está seguindo pelo caminho certo, por conta da queda da inflação e dos juros, e das iniciativas de incentivo ao crédito, entre elas, o microcrédito. “A inflação estabilizada permite aos trabalhadores repor as perdas salariais e aumentar o poder de compra”, afirmou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;