Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

O que mudou depois daquele vilão?


Gabriela Germano
Da TV Press

28/04/2008 | 07:03


Maldades na ficção podem causar efeitos bem reais na vida dos atores. Ao encarnarem os vilões mais polêmicos da TV, há profissionais que passam a ser hostilizados nas ruas. Mas há outros que são amados. Tem até quem perca outras oportunidades de trabalho enquanto comete vilanias em um folhetim.

Seja negativa ou positivamente, o que acontece é uma transformação. “É incrível como a reação das pessoas mudou comigo. Antes me chamavam de linda e me abraçavam. Agora não falam comigo e às vezes nem olham para a minha cara”, conta Alinne Moraes, a psicopata Silvia, de Duas Caras.

Antes desse trabalho, ela só tinha interpretado mocinhas. A atriz acredita que o público não confunde ator e personagem. Mas inevitavelmente o clima entre telespectador e ator muda enquanto ele dá vida a um mau-caráter.

Regiane Alves é mais radical em relação ao assunto. A atriz já tinha feito algumas novelas na TV, mas estourou mesmo como Dóris, em Mulheres Apaixonadas, de 2003. Na trama, sua personagem batia nos avós, além de cometer outras atrocidades.

A atriz, que na época enfrentou manifestações desagradáveis nas ruas, já disse várias vezes que até hoje muita gente acha que ela é a própria Dóris. E se esforça para reverter esse quadro com a correta mocinha Joana, de Beleza Pura. “Só agora começo a saber o que é ser abraçada nas ruas”, confirma Regiane. E ela vai mais longe ao contar que campanhas publicitárias e capas de revista eram praticamente inexistentes na época em que fazia a novela de Manoel Carlos. “Agora, como a mocinha da novela das sete e com a reprise de Cabocla, tenho muitos convites para esse tipo de trabalho”, compara a atriz.

Na mesma Mulheres Apaixonadas, outro ator que enfrentou problemas foi Dan Stulbach, que na história espancava a mulher Raquel, de Helena Ranaldi. Dan conta que as pessoas atravessavam a rua quando cruzavam com ele, deixavam de atendê-lo nos lugares e até se recusavam a sentar ao seu lado em viagens. “Porque foi meu primeiro personagem de peso na TV, as pessoas não tinham outra imagem de mim”, teoriza o ator, que até hoje é lembrado pelo personagem.

E é uma teoria que tem fundamento se forem levadas em conta as experiências de atores com mais tempo de televisão. Em Páginas da Vida, Lilia Cabral se destacou como a fria e preconceituosa Marta. A atriz acredita que, por já ter interpretado outros personagens consistentes como a Amorzinho, de Tieta e Sheila, de História de Amor, não enfrentou situações negativas. Mas Lilia não nega que a popularidade que alcançou com a Marta foi algo novo. “Foi o papel da minha vida até aqui. Não imaginava que fosse surpreender tanto o público”, afirma. Lilia ainda ousa fazer uma comparação e cita a vilã que é a grande referência. “Na época da Odete Roitman ainda existia isso de ficarem com ódio das vilãs. Hoje não. A Beatriz Segall carrega esse estigma”, opina a atriz.

E Beatriz carrega mesmo essa marca. Tanto é que a atriz não gosta de falar sobre a figura que representou em Vale Tudo, de 1988. Quando questionada sobre Odete Roitman, ela é direta. “O público e os profissionais da TV acham que tenho de fazer sempre a rica e má", protesta a veterana.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O que mudou depois daquele vilão?

Gabriela Germano
Da TV Press

28/04/2008 | 07:03


Maldades na ficção podem causar efeitos bem reais na vida dos atores. Ao encarnarem os vilões mais polêmicos da TV, há profissionais que passam a ser hostilizados nas ruas. Mas há outros que são amados. Tem até quem perca outras oportunidades de trabalho enquanto comete vilanias em um folhetim.

Seja negativa ou positivamente, o que acontece é uma transformação. “É incrível como a reação das pessoas mudou comigo. Antes me chamavam de linda e me abraçavam. Agora não falam comigo e às vezes nem olham para a minha cara”, conta Alinne Moraes, a psicopata Silvia, de Duas Caras.

Antes desse trabalho, ela só tinha interpretado mocinhas. A atriz acredita que o público não confunde ator e personagem. Mas inevitavelmente o clima entre telespectador e ator muda enquanto ele dá vida a um mau-caráter.

Regiane Alves é mais radical em relação ao assunto. A atriz já tinha feito algumas novelas na TV, mas estourou mesmo como Dóris, em Mulheres Apaixonadas, de 2003. Na trama, sua personagem batia nos avós, além de cometer outras atrocidades.

A atriz, que na época enfrentou manifestações desagradáveis nas ruas, já disse várias vezes que até hoje muita gente acha que ela é a própria Dóris. E se esforça para reverter esse quadro com a correta mocinha Joana, de Beleza Pura. “Só agora começo a saber o que é ser abraçada nas ruas”, confirma Regiane. E ela vai mais longe ao contar que campanhas publicitárias e capas de revista eram praticamente inexistentes na época em que fazia a novela de Manoel Carlos. “Agora, como a mocinha da novela das sete e com a reprise de Cabocla, tenho muitos convites para esse tipo de trabalho”, compara a atriz.

Na mesma Mulheres Apaixonadas, outro ator que enfrentou problemas foi Dan Stulbach, que na história espancava a mulher Raquel, de Helena Ranaldi. Dan conta que as pessoas atravessavam a rua quando cruzavam com ele, deixavam de atendê-lo nos lugares e até se recusavam a sentar ao seu lado em viagens. “Porque foi meu primeiro personagem de peso na TV, as pessoas não tinham outra imagem de mim”, teoriza o ator, que até hoje é lembrado pelo personagem.

E é uma teoria que tem fundamento se forem levadas em conta as experiências de atores com mais tempo de televisão. Em Páginas da Vida, Lilia Cabral se destacou como a fria e preconceituosa Marta. A atriz acredita que, por já ter interpretado outros personagens consistentes como a Amorzinho, de Tieta e Sheila, de História de Amor, não enfrentou situações negativas. Mas Lilia não nega que a popularidade que alcançou com a Marta foi algo novo. “Foi o papel da minha vida até aqui. Não imaginava que fosse surpreender tanto o público”, afirma. Lilia ainda ousa fazer uma comparação e cita a vilã que é a grande referência. “Na época da Odete Roitman ainda existia isso de ficarem com ódio das vilãs. Hoje não. A Beatriz Segall carrega esse estigma”, opina a atriz.

E Beatriz carrega mesmo essa marca. Tanto é que a atriz não gosta de falar sobre a figura que representou em Vale Tudo, de 1988. Quando questionada sobre Odete Roitman, ela é direta. “O público e os profissionais da TV acham que tenho de fazer sempre a rica e má", protesta a veterana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;