Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

São Silvestre tem mais uma luta de brasileiros contra favoritos quenianos

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos
venceu, os corredores africanos dominam a prova



31/12/2014 | 06:00


A cada ano aumenta a sofreguidão dos atletas locais, imbuídos da ingrata missão de dar ao Brasil uma vitória na São Silvestre, nesta quarta-feira, a partir das 8h40 (mulheres) e 9 horas (homens). Desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos venceu, os corredores africanos dominam a prova. Na disputa feminina, o jejum brasileiro é ainda mais longo. A última vitória de uma corredora do país foi em 2006.

Novamente as maiores apostas do Brasil no masculino recaem sobre Giovani dos Santos. Já com cabelos brancos aos 33 anos de idade, o mineiro de Natércia nunca foi além da quarta colocação. Nos últimos três anos, ele tem chegado credenciado pela vitória na Volta da Pampulha, mas os resultados na corrida de Belo Horizonte não têm funcionado como referência de fato na São Silvestre, que tem nível mais elevado.

"Na Volta da Pampulha correm bons africanos. Eles se cansam lá e na São Silvestre vêm outros, tão bons quantos eles e descansados. Nós, brasileiros, somos sempre os mesmos", constatou Giovani dos Santos.

Um dado demonstra a dificuldade de enfrentar os africanos. No Mundial de Meia Maratona de 2012, na Bulgária, Giovani conseguiu um resultado que poderia ser avaliado como bom, dependendo do prisma: foi o melhor corredor não-africano. Por outro lado, foi apenas o 14.º na colocação geral. "Alguns brasileiros ficam satisfeitos em ser o melhor do país. Eu não trabalho para isso. Meu trabalho é voltado para enfrentar os africanos".

Campeã na Pampulha em sua primeira participação na prova de Belo Horizonte, Joziane da Silva Cardoso desponta como uma esperança nacional. Ela acha possível medir forças com as africanas, mas dá uma dimensão do drama. "Para onde você olha, estão brotando quenianas. É meio assustador".

LIMITES - Sensível à pressão de treinadores e atletas brasileiros, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) estabeleceu há alguns anos limites para a participação de africanos. Em uma prova como a São Silvestre, classificada como de nível A-1-Nacional, são permitidos até três atletas de cada país. O problema é que várias nações africanas apresentam atletas de excelente nível: além do Quênia, Etiópia, Tanzânia, Marrocos e Eritreia, entre outras.

"É bem complicado. Tem situações em que ficam quatro ou cinco africanos me espremendo, cada um para um lado. Se saio dali, logo encontro mais alguns. Mas fico satisfeito pela presença deles. Para mim, quando são anunciados grandes nomes, acho bom. Quero competir com os melhores porque no exterior é assim", disse Giovani dos Santos.

Outro agravante é a dificuldade para se fazer o chamado jogo de equipe. Alguns africanos costumam se revezar na função de puxar a prova, quebrando o ritmo dos brasileiros. "Não conseguimos fazer jogo de equipe entre os brasileiros. É chato falar, mas estou no mesmo nível em que o Marilson estava anos atrás, quando disputava a São Silvestre. Só tinha ele naquele nível. Hoje não existe outro brasileiro com condições iguais às minhas", afirmou o corredor.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Silvestre tem mais uma luta de brasileiros contra favoritos quenianos

Desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos
venceu, os corredores africanos dominam a prova


31/12/2014 | 06:00


A cada ano aumenta a sofreguidão dos atletas locais, imbuídos da ingrata missão de dar ao Brasil uma vitória na São Silvestre, nesta quarta-feira, a partir das 8h40 (mulheres) e 9 horas (homens). Desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos venceu, os corredores africanos dominam a prova. Na disputa feminina, o jejum brasileiro é ainda mais longo. A última vitória de uma corredora do país foi em 2006.

Novamente as maiores apostas do Brasil no masculino recaem sobre Giovani dos Santos. Já com cabelos brancos aos 33 anos de idade, o mineiro de Natércia nunca foi além da quarta colocação. Nos últimos três anos, ele tem chegado credenciado pela vitória na Volta da Pampulha, mas os resultados na corrida de Belo Horizonte não têm funcionado como referência de fato na São Silvestre, que tem nível mais elevado.

"Na Volta da Pampulha correm bons africanos. Eles se cansam lá e na São Silvestre vêm outros, tão bons quantos eles e descansados. Nós, brasileiros, somos sempre os mesmos", constatou Giovani dos Santos.

Um dado demonstra a dificuldade de enfrentar os africanos. No Mundial de Meia Maratona de 2012, na Bulgária, Giovani conseguiu um resultado que poderia ser avaliado como bom, dependendo do prisma: foi o melhor corredor não-africano. Por outro lado, foi apenas o 14.º na colocação geral. "Alguns brasileiros ficam satisfeitos em ser o melhor do país. Eu não trabalho para isso. Meu trabalho é voltado para enfrentar os africanos".

Campeã na Pampulha em sua primeira participação na prova de Belo Horizonte, Joziane da Silva Cardoso desponta como uma esperança nacional. Ela acha possível medir forças com as africanas, mas dá uma dimensão do drama. "Para onde você olha, estão brotando quenianas. É meio assustador".

LIMITES - Sensível à pressão de treinadores e atletas brasileiros, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) estabeleceu há alguns anos limites para a participação de africanos. Em uma prova como a São Silvestre, classificada como de nível A-1-Nacional, são permitidos até três atletas de cada país. O problema é que várias nações africanas apresentam atletas de excelente nível: além do Quênia, Etiópia, Tanzânia, Marrocos e Eritreia, entre outras.

"É bem complicado. Tem situações em que ficam quatro ou cinco africanos me espremendo, cada um para um lado. Se saio dali, logo encontro mais alguns. Mas fico satisfeito pela presença deles. Para mim, quando são anunciados grandes nomes, acho bom. Quero competir com os melhores porque no exterior é assim", disse Giovani dos Santos.

Outro agravante é a dificuldade para se fazer o chamado jogo de equipe. Alguns africanos costumam se revezar na função de puxar a prova, quebrando o ritmo dos brasileiros. "Não conseguimos fazer jogo de equipe entre os brasileiros. É chato falar, mas estou no mesmo nível em que o Marilson estava anos atrás, quando disputava a São Silvestre. Só tinha ele naquele nível. Hoje não existe outro brasileiro com condições iguais às minhas", afirmou o corredor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;