Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Doria diz que reagirá 'na forma da lei' contra Saúde sobre doses da Pfizer

Divulgação/ Governo do Estado de SP Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


05/08/2021 | 10:50


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rechaçou a resposta do Ministério da Saúde sobre a entrega de vacinas contra a covid-19. Doria acusa a pasta federal de ter enviado apenas metade das doses do imunizante da Pfizer a que o Estado tinha direito, mas a Saúde nega. "Vamos reagir na forma de lei", declarou o governador, que lamentou que o ministro Marcelo Queiroga tenha "contraído o vírus do presidente Jair Bolsonaro".

Nesta quinta-feira (5), a procuradora-geral do Estado, Lia Porto, e o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, vão apresentar, às 12h, no Palácio dos Bandeirantes, informações sobre as medidas judiciais a serem tomadas pelo governo de São Paulo contra o Ministério da Saúde em razão do corte de 50% na quantidade das doses, alegado pelo governo paulista.

"Há de se lamentar e agir judicialmente", anunciou Doria. Ao que classificou de "medida arbitrária e sem fundamento", o chefe do Executivo estadual pontuou que "coibir, limitar, reter vacinas" contribuem com a prorrogação da pandemia da covid-19 no País. "Isso é de uma desumanidade incomensurável, típico de um olhar de um governo negacionista".

Em críticas à gestão do governo federal no combate à doença, o governador lamentou a postura de Queiroga que, segundo ele, ao ser indicado para conduzir o ministério, "trouxe uma certa esperança por ser médico". Doria, no entanto, acusa o ministro de ter se influenciado pelas atitudes de Bolsonaro. "Para o ''''Bolsonaro vírus'''', não há vacina nem tratamento".

Em entrevista coletiva na quarta-feira (4), Doria acusou o Ministério da Saúde de ter deixado de entregar 228 mil doses de vacinas da Pfizer contra a covid-19, 50% da cota que havia sido estabelecida para o Estado. Pelo Twitter, o governador disse que o argumento utilizado é de que o Estado está com a vacinação mais avançada. À noite, o ministério contestou o governo paulista, dizendo que houve uma "compensação" (de retiradas anteriores).

Mais cedo, nesta quinta, Doria afirmou na rede social: "estão criando factoides para tentar justificar o injustificável. Parem de mentir e entreguem as vacinas da população de SP!"

Insumo

O anúncio de medidas judiciais contra o governo federal ocorreu nesta madrugada durante a entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo necessário para produção da vacina da Coronavac contra a covid-19, pelo Instituto Butantan. Segundo o governador paulista, foram entregues 4 mil litros de insumo, o que dá suporte para a produção de 8 milhões de doses do imunizante. A produção tem previsão de começar na sexta-feira (6).

O tucano afirmou ainda que o governo do Estado vai receber, no domingo (8), mais 2 milhões de doses da vacina já prontas para serem aplicadas. O destino das doses é o Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;