Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 14 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA colocam Xiaomi em lista negra que proíbe americanos de investir na empresa



05/03/2021 | 18:42


As autoridades dos Estados Unidos colocaram em uma lista negra a gigante chinesa Xiaomi como uma empresa com laços militares, em parte devido a um prêmio dado ao fundador da empresa por seus serviços ao governo, afirmou o Departamento de Defesa dos EUA em um processo judicial. Lei Jun, diretor executivo e fundador da Xiaomi, recebeu o prêmio de "Construtor Notável do Socialismo com Características Chinesas" em 2019 do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação.

O prêmio, junto aos planos de investimento da Xiaomi em tecnologia como 5G e inteligência artificial, foram suficientes para o Departamento de Defesa em janeiro adicionar a Xiaomi a uma lista de empresas que apoiam os militares da China, de acordo com o documento.

A designação proíbe os americanos de investir na empresa, a terceira maior vendedora de smartphones do mundo. Desde que a empresa foi indicada, junto a mais oito, no final do governo de Donald Trump, suas ações caíram 25%.

Um porta-voz da Xiaomi não comentou imediatamente o tema. A empresa negou anteriormente qualquer afiliação com os militares chineses e afirma que vende produtos e serviços exclusivamente para uso civil.

Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

EUA colocam Xiaomi em lista negra que proíbe americanos de investir na empresa


05/03/2021 | 18:42


As autoridades dos Estados Unidos colocaram em uma lista negra a gigante chinesa Xiaomi como uma empresa com laços militares, em parte devido a um prêmio dado ao fundador da empresa por seus serviços ao governo, afirmou o Departamento de Defesa dos EUA em um processo judicial. Lei Jun, diretor executivo e fundador da Xiaomi, recebeu o prêmio de "Construtor Notável do Socialismo com Características Chinesas" em 2019 do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação.

O prêmio, junto aos planos de investimento da Xiaomi em tecnologia como 5G e inteligência artificial, foram suficientes para o Departamento de Defesa em janeiro adicionar a Xiaomi a uma lista de empresas que apoiam os militares da China, de acordo com o documento.

A designação proíbe os americanos de investir na empresa, a terceira maior vendedora de smartphones do mundo. Desde que a empresa foi indicada, junto a mais oito, no final do governo de Donald Trump, suas ações caíram 25%.

Um porta-voz da Xiaomi não comentou imediatamente o tema. A empresa negou anteriormente qualquer afiliação com os militares chineses e afirma que vende produtos e serviços exclusivamente para uso civil.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;