Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Adeus a dona Marisa Letícia

Aos 66 anos, ex-primeira-dama tem morte cerebral constatada após sofrer AVC na semana passada; velório acontecerá no Sindicato dos Metalúrgicos


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/02/2017 | 07:00


Ex-primeira-dama do Brasil e nascida em São Bernardo, Marisa Letícia Lula da Silva teve morte cerebral constatada ontem, aos 66 anos, após sofrer AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico na semana passada. Mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ela está internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde o dia 24, mas seu quadro se agravou há dois dias.

Filha de Regina Rocco Casa e Antônio João Casa, Marisa Letícia tem quatro filhos – Marcos Lula (ex-vereador de São Bernardo), Fábio Luis, Sandro Luís e Luís Cláudio – e dois netos. Com morte cerebral confirmada no começo da manhã de ontem e o desligamento de aparelhos, a família autorizou a doação de órgãos.

“A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos dez dias pela recuperação da ex-primeira-dama dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgãos”, escreveu o ex-presidente em sua página oficial no Facebook.

Marisa passou mal na manhã do dia 24, em sua residência, em São Bernardo. Foi levada ao Hospital Assunção, também em São Bernardo, onde se constatou o AVC. Na sequência foi conduzida ao Hospital Sírio-Libanês. Segundo familiares, a ex-primeira-dama tinha histórico de pressão alta.

Lula e Marisa se casaram em 1974 – ambos eram viúvos. Lula perdeu a primeira mulher, Maria de Lourdes da Silva, vítima de hepatite, enquanto o primeiro marido de Marisa, Marcos Cláudio da Silva (pai de Marcos Lula), morreu assassinado a tiros.

Ao lado do sindicalista, Marisa Letícia se destacou por dar suporte ao marido nas grandes greves sindicais dos anos 1970 e 1980, que resultaram na criação do PT, em 1980, e na prisão de Lula no mesmo ano.

A última aparição pública de Marisa Letícia no Grande ABC foi no dia 2 de outubro, no primeiro turno da eleição municipal. Ela foi votar ao lado do marido e apoiar Tarcisio Secoli, prefeiturável do PT à época. No dia 16 de agosto, participou de atividade em defesa das mulheres na Casa de Portugal, em Santo André. “Sou casado com a Marisa há 42 anos e durante toda a vida ela cuidou dos filhos, porque eu tive de cuidar dos meus filhos chamados PT e sindicato (dos Metalúrgicos do ABC). A Marisa foi mãe, tia e avó dos nossos filhos”, relatou Lula, à ocasião.

Ontem, Lula recebeu a visita do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que prestou condolências ao petista. Em 2008, quando Ruth Cardoso morreu, Lula fez questão de comparecer ao enterro da mulher de FHC.

O velório deve acontecer na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo. O corpo da ex-primeira-dama será cremado no Jardim da Colina, também na cidade.

Petista estava no centro da Lava Jato

Marisa Letícia Lula da Silva, ex-primeira-dama e mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), virou alvo da Operação Lava Jato e respondia na Justiça a crimes de lavagem de dinheiro por denúncias do MPF (Ministério Público Federal) envolvendo seu marido.

Ela, que teve morte cerebral constatada ontem, é apontada pelo MPF de ser proprietária oculta de um sítio em Atibaia, Interior de São Paulo, e de um triplex no Guarujá, no Litoral. Ela sempre negou.

A petista também virou ré em ação que apura compra de terreno para construção do Instituto Lula, em São Paulo, e do apartamento vizinho ao seu em São Bernardo. Para os promotores, o dinheiro utilizado nessas operações seria de propina paga pela Odebrecht, em uma transação que envolveu o primo de José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Ela também negou qualquer irregularidade no episódio.

Na segunda-feira, Lula recebeu grupo de simpatizantes que manifestou solidariedade ao ex-presidente e desejou recuperação de Marisa Letícia. Na ocasião, o petista falou sobre os episódios judiciais. “Eu acho que a pressão e a tensão fazem as pessoas chegarem ao ponto que a Marisa chegou. Mas isso não vai fazer eu ficar chorando pelos cantos. Vai ficar apenas batendo na minha cabeça, como mais uma razão para que a luta continue”, disse ele ao Movimento dos Atingidos por Barragens.

A defesa de Lula trava batalha jurídica contra o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, no Paraná, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância. Os advogados já ingressaram com pedido de suspeição de Moro e ação por abuso de autoridade, contestando a autorização à condução coercitiva contra Lula em março do ano passado, o aval à busca e apreensão de bens e documentos ligados ao ex-presidente e interceptações telefônicas contra o petista.

“A petição pede que o agente público Sergio Fernando Moro seja condenado nas penas previstas no artigo 6º. da Lei 4.898/65, que pune o abuso de autoridade com detenção de dez dias a seis meses, além de outras sanções civis e administrativas”, diz a defesa de Lula.

Políticos da região prestam condolências

Felipe Siqueira, Especial para o Diário

Autoridades políticas do Grande ABC prestaram condolências pela morte cerebral constatada da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva.

Ex-prefeito de São Bernardo e pupilo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Luiz Marinho (PT) se manifestou em sua página nas redes sociais. “O ‘força, Lula’ que povoa as redes sociais é pouco se comparados ao tamanho da tristeza que sentimos e, mais do que isso, do orgulho que se imortaliza no exemplo dela, sobrenome com raízes na nossa São Bernardo”.

“Independentemente de ideais políticos e partidários, lamento profundamente o acontecido com a ex-primeira-dama Marisa Letícia, que nasceu e sempre residiu em nossa cidade. Todas as condolências e conforto aos seus familiares”, afirmou o atual prefeito Orlando Morando (PSDB).

Deputado estadual por São Bernardo e de origem sindical, Teonílio Barba (PT) ressaltou a força de Marisa Letícia: “O País perde uma mulher guerreira, uma lutadora, que lutou muito nesse período, ao lado do presidente Lula, segurando as barras das eleições pesadas que disputamos em todos esses anos, a partir de 1982, e foi uma fiel companheira, ao lado dele. O PT, o País e a militância perdem uma mulher que cumpriu uma tarefa importante na nossa luta pelo Brasil”.

Também parlamentar estadual por São Bernardo, Luiz Fernando Teixeira (PT) disse que se aproximara de Marisa Letícia: “Lula e dona Marisa foram figuras que caminharam juntos, às vezes, eram uma figura só. Mas ela tinha toda humildade de dar o espaço e crédito ao presidente Lula. Essa mesma mulher foi muito forte, não conseguiu somatizar esse grande ataque que a família vem sofrendo. Eu não tenho dúvida: a Marisa foi assassinada por uma sociedade sórdida e por uma política sórdida”.

Os prefeitos de Santo André, Paulo Serra (PSDB); de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB); de Diadema, Lauro Michels (PV); de Mauá, Atila Jacomussi (PSB); e de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), enviaram notas de pesar pelo fato. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Adeus a dona Marisa Letícia

Aos 66 anos, ex-primeira-dama tem morte cerebral constatada após sofrer AVC na semana passada; velório acontecerá no Sindicato dos Metalúrgicos

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/02/2017 | 07:00


Ex-primeira-dama do Brasil e nascida em São Bernardo, Marisa Letícia Lula da Silva teve morte cerebral constatada ontem, aos 66 anos, após sofrer AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico na semana passada. Mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ela está internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde o dia 24, mas seu quadro se agravou há dois dias.

Filha de Regina Rocco Casa e Antônio João Casa, Marisa Letícia tem quatro filhos – Marcos Lula (ex-vereador de São Bernardo), Fábio Luis, Sandro Luís e Luís Cláudio – e dois netos. Com morte cerebral confirmada no começo da manhã de ontem e o desligamento de aparelhos, a família autorizou a doação de órgãos.

“A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos dez dias pela recuperação da ex-primeira-dama dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgãos”, escreveu o ex-presidente em sua página oficial no Facebook.

Marisa passou mal na manhã do dia 24, em sua residência, em São Bernardo. Foi levada ao Hospital Assunção, também em São Bernardo, onde se constatou o AVC. Na sequência foi conduzida ao Hospital Sírio-Libanês. Segundo familiares, a ex-primeira-dama tinha histórico de pressão alta.

Lula e Marisa se casaram em 1974 – ambos eram viúvos. Lula perdeu a primeira mulher, Maria de Lourdes da Silva, vítima de hepatite, enquanto o primeiro marido de Marisa, Marcos Cláudio da Silva (pai de Marcos Lula), morreu assassinado a tiros.

Ao lado do sindicalista, Marisa Letícia se destacou por dar suporte ao marido nas grandes greves sindicais dos anos 1970 e 1980, que resultaram na criação do PT, em 1980, e na prisão de Lula no mesmo ano.

A última aparição pública de Marisa Letícia no Grande ABC foi no dia 2 de outubro, no primeiro turno da eleição municipal. Ela foi votar ao lado do marido e apoiar Tarcisio Secoli, prefeiturável do PT à época. No dia 16 de agosto, participou de atividade em defesa das mulheres na Casa de Portugal, em Santo André. “Sou casado com a Marisa há 42 anos e durante toda a vida ela cuidou dos filhos, porque eu tive de cuidar dos meus filhos chamados PT e sindicato (dos Metalúrgicos do ABC). A Marisa foi mãe, tia e avó dos nossos filhos”, relatou Lula, à ocasião.

Ontem, Lula recebeu a visita do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que prestou condolências ao petista. Em 2008, quando Ruth Cardoso morreu, Lula fez questão de comparecer ao enterro da mulher de FHC.

O velório deve acontecer na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo. O corpo da ex-primeira-dama será cremado no Jardim da Colina, também na cidade.

Petista estava no centro da Lava Jato

Marisa Letícia Lula da Silva, ex-primeira-dama e mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), virou alvo da Operação Lava Jato e respondia na Justiça a crimes de lavagem de dinheiro por denúncias do MPF (Ministério Público Federal) envolvendo seu marido.

Ela, que teve morte cerebral constatada ontem, é apontada pelo MPF de ser proprietária oculta de um sítio em Atibaia, Interior de São Paulo, e de um triplex no Guarujá, no Litoral. Ela sempre negou.

A petista também virou ré em ação que apura compra de terreno para construção do Instituto Lula, em São Paulo, e do apartamento vizinho ao seu em São Bernardo. Para os promotores, o dinheiro utilizado nessas operações seria de propina paga pela Odebrecht, em uma transação que envolveu o primo de José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Ela também negou qualquer irregularidade no episódio.

Na segunda-feira, Lula recebeu grupo de simpatizantes que manifestou solidariedade ao ex-presidente e desejou recuperação de Marisa Letícia. Na ocasião, o petista falou sobre os episódios judiciais. “Eu acho que a pressão e a tensão fazem as pessoas chegarem ao ponto que a Marisa chegou. Mas isso não vai fazer eu ficar chorando pelos cantos. Vai ficar apenas batendo na minha cabeça, como mais uma razão para que a luta continue”, disse ele ao Movimento dos Atingidos por Barragens.

A defesa de Lula trava batalha jurídica contra o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, no Paraná, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância. Os advogados já ingressaram com pedido de suspeição de Moro e ação por abuso de autoridade, contestando a autorização à condução coercitiva contra Lula em março do ano passado, o aval à busca e apreensão de bens e documentos ligados ao ex-presidente e interceptações telefônicas contra o petista.

“A petição pede que o agente público Sergio Fernando Moro seja condenado nas penas previstas no artigo 6º. da Lei 4.898/65, que pune o abuso de autoridade com detenção de dez dias a seis meses, além de outras sanções civis e administrativas”, diz a defesa de Lula.

Políticos da região prestam condolências

Felipe Siqueira, Especial para o Diário

Autoridades políticas do Grande ABC prestaram condolências pela morte cerebral constatada da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva.

Ex-prefeito de São Bernardo e pupilo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Luiz Marinho (PT) se manifestou em sua página nas redes sociais. “O ‘força, Lula’ que povoa as redes sociais é pouco se comparados ao tamanho da tristeza que sentimos e, mais do que isso, do orgulho que se imortaliza no exemplo dela, sobrenome com raízes na nossa São Bernardo”.

“Independentemente de ideais políticos e partidários, lamento profundamente o acontecido com a ex-primeira-dama Marisa Letícia, que nasceu e sempre residiu em nossa cidade. Todas as condolências e conforto aos seus familiares”, afirmou o atual prefeito Orlando Morando (PSDB).

Deputado estadual por São Bernardo e de origem sindical, Teonílio Barba (PT) ressaltou a força de Marisa Letícia: “O País perde uma mulher guerreira, uma lutadora, que lutou muito nesse período, ao lado do presidente Lula, segurando as barras das eleições pesadas que disputamos em todos esses anos, a partir de 1982, e foi uma fiel companheira, ao lado dele. O PT, o País e a militância perdem uma mulher que cumpriu uma tarefa importante na nossa luta pelo Brasil”.

Também parlamentar estadual por São Bernardo, Luiz Fernando Teixeira (PT) disse que se aproximara de Marisa Letícia: “Lula e dona Marisa foram figuras que caminharam juntos, às vezes, eram uma figura só. Mas ela tinha toda humildade de dar o espaço e crédito ao presidente Lula. Essa mesma mulher foi muito forte, não conseguiu somatizar esse grande ataque que a família vem sofrendo. Eu não tenho dúvida: a Marisa foi assassinada por uma sociedade sórdida e por uma política sórdida”.

Os prefeitos de Santo André, Paulo Serra (PSDB); de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB); de Diadema, Lauro Michels (PV); de Mauá, Atila Jacomussi (PSB); e de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), enviaram notas de pesar pelo fato. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;