Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pesquisa: ano 2000 deve ser recebido 'sem exageros'


Do Diário do Grande ABC

30/11/1999 | 13:11


As pesquisas assinalam unanimemente que a febre da celebraçao do Ano Novo 2000 nao foi detectada ainda, faltando apenas um mês para o Dia-D. Apesar das quantias enormes investidas em alguns países para organizar festividades memoráveis, recentes pesquisas indicam que a grande maioria das pessoas nao pretende fazer loucuras para celebrar a chegada de 2000.

A opçao geral parece ser a celebraçao em família ou entre amigos e nao as extravagâncias. Segundo uma pesquisa da regista Time, 72% dos norte-americanos nao programaram nada de excepcional para a noite de 31 de dezembro e somente 19% deles querem organizar uma celebraçao mais importante do que a costumeira.

No Canadá, somente 37% das pessoas consultadas pelo jornal La Presse disseram ter um projeto especial de comemoraçao para o Ano Novo. Na Polônia, assim como na Holanda, três quartas partes das pessoas pretendem passar a noite de fim de ano em família ou com amigos. E na Gra-Bretanha, mais de 50% dos consultados passarao a noite em suas casas.

Este desinteresse pelas grandes comemoraçoes, apesar das intensivas campanhas publicitárias, parece ser devida a três fatores: os preços exagerados apresentados até agora por hotéis, restaurantes e agências turísticas, o medo das multidoes nos centros das cidades onde estao programadas as festas principais(Londres, Paris, Nova York, Sydney) e, finalmente, o temor dos possíveis problemas provocados pelo bug do ano 2000.

Como conseqüência, muitas manifestaçoes tiveram de ser reduzidas ou até mesmo canceladas em todo o mundo. Por exemplo, em Nova York, a ``festa do século'' anunciada em Manhattan, cujos preços iniciais eram de entre mil e dois mil dólares, será realizada em outro local de dimensoes mais modestas e com preços mais razoáveis.

Em Los Angeles, um conjunto de grandes manifestaçoes foi cancelado devido à pequena venda de ingressos. Na India, uma suntuosa festa programada para os templos de Khajuraho (Centro), famosos por suas esculturas eróticas, foi suspensa.

E apesar do gigantesco investimento (cerca de US$ 10 bilhoes) feito por Londres para estar à altura de sua pretensao de ser a capital mundial das celebraçoes do ano 2000, o entusiasmo dos turistas estrangeiros nao atingiu o nível esperado.

No início do ano, o Departamento de Turismo da capital britânica estimava em pelo menos três milhoes o número de pessoas esperadas nas ruas de Londres na noite de fim de ano. Sua única ambiçao agora é que haja ``muita gente''. Na França, para a ceia de fim de ano, sete em cada dez restaurantes aumentaram seus preços em relaçao a 1998, com altas de 73% em média, mas em Paris os restaurantes registram aumentos de até 110%, segundo uma pesquisa realizada pela firma especializada Coach Omnium.

Como resultado deste vertiginoso aumento de preços, a maioria dos franceses prefere fazer em suas casas a ceia de Ano Novo. O mesmo panorama é assinalado por numerosos profissionais do turismo da Europa, Estados Unidos e América Latina. Temendo o ``fiasco do ano 2000'' em razao do pouco entusiasmo causado por suas propostas de celebraçoes exóticas a preços exorbitantes (cruzeiros na Antártica, celebraçao no povoado de Rovaniemi, berço de Papai Noel na Lapônia finlandesa, etc.), tentam salvar a situaçao fazendo promoçoes, com reduçoes às vezes de até 50%.

De qualquer modo, quem perder esta festa de Ano Novo e século novo terá oportunidade de recuperar o perdido no próximo ano. Como exemplo, o presidente cubano, Fidel Castro, anunciou a seus concidadaos que nao haverá nenhuma celebraçao particular este ano, considerando que o terceiro milênio só começa na realidade no dia 1º de janeiro de 2001.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;