Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Exportação de autopeças cresce 23,6% em 2005


Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

15/02/2006 | 07:45


O setor de autopeças acompanhou o ritmo das montadoras em 2005 ao registrar aumentos significativos nas exportações. Os embarques de componentes ao exterior cresceram 23,6% na comparação com o ano anterior, destaca o balanço divulgado nesta terça pelo Sindipeças (Sindicato Nacional dos Fabricantes de Autopeças). Esse maior dinamismo das exportações contribuiu para alavancar em 6% o faturamento das empresas do setor.

Só no ano passado, a indústria brasileira de autopeças movimentou US$ 7,49 bilhões em exportações, contra os US$ 6,06 bilhões registrados em 2004. A elevação aconteceu mesmo num cenário de queda livre nos preços do dólar. Esse desempenho seguiu igual trajetória observado sobre os fabricantes de veículos, que tiveram incremento de 21,47% nas exportações realizadas em 2005.

“Fizemos a lição de casa e procuramos no mercado externo compradores para os nossos produtos, compensando as sucessivas quedas nas vendas internas”, avalia o presidente do Sindipeças, Paulo Butori, em nota divulgada à imprensa.

O balanço também destaca que o setor de autopeças exportou mais componentes do que importou. De um ano para o outro, o saldo positivo passou de US$ 462 milhões para US$ 832 milhões – um acréscimo de 80%. As importações de componentes tiveram incremento de 18,75% no ano passado, ante 2004. Pularam de US$ 5,6 bilhões para US$ 6,65 bilhões.

O levantamento, no entanto, não apontou valores de quanto as fabricantes de autopeças faturaram em 2005. O Sindipeças consultou 52 empresas associadas em todo o país, um universo equivalente a 35% do segmento.

A pesquisa faz parte de um acompanhamento mensal do desempenho do setor. Outra análise mais abrangente, com o balanço financeiro, deverá ser divulgado pelo Sindipeças no início de março.

Motivos – Mesmo com o dólar baixo, o aumento das exportações de autopeças ocorreu em atendimento aos contratos já firmados com os clientes, na avaliação do consultor automotivo David Wong, diretor da Booz, Allen & Hamilton. “Além disso, o Brasil continua competitivo em alguns subsetores da indústria (de autopeças) apesar da queda do câmbio. Isso favorece um bom desempenho”, explicou. Entre esses segmentos, está o de transformação de metais, diz o consultor.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Exportação de autopeças cresce 23,6% em 2005

Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

15/02/2006 | 07:45


O setor de autopeças acompanhou o ritmo das montadoras em 2005 ao registrar aumentos significativos nas exportações. Os embarques de componentes ao exterior cresceram 23,6% na comparação com o ano anterior, destaca o balanço divulgado nesta terça pelo Sindipeças (Sindicato Nacional dos Fabricantes de Autopeças). Esse maior dinamismo das exportações contribuiu para alavancar em 6% o faturamento das empresas do setor.

Só no ano passado, a indústria brasileira de autopeças movimentou US$ 7,49 bilhões em exportações, contra os US$ 6,06 bilhões registrados em 2004. A elevação aconteceu mesmo num cenário de queda livre nos preços do dólar. Esse desempenho seguiu igual trajetória observado sobre os fabricantes de veículos, que tiveram incremento de 21,47% nas exportações realizadas em 2005.

“Fizemos a lição de casa e procuramos no mercado externo compradores para os nossos produtos, compensando as sucessivas quedas nas vendas internas”, avalia o presidente do Sindipeças, Paulo Butori, em nota divulgada à imprensa.

O balanço também destaca que o setor de autopeças exportou mais componentes do que importou. De um ano para o outro, o saldo positivo passou de US$ 462 milhões para US$ 832 milhões – um acréscimo de 80%. As importações de componentes tiveram incremento de 18,75% no ano passado, ante 2004. Pularam de US$ 5,6 bilhões para US$ 6,65 bilhões.

O levantamento, no entanto, não apontou valores de quanto as fabricantes de autopeças faturaram em 2005. O Sindipeças consultou 52 empresas associadas em todo o país, um universo equivalente a 35% do segmento.

A pesquisa faz parte de um acompanhamento mensal do desempenho do setor. Outra análise mais abrangente, com o balanço financeiro, deverá ser divulgado pelo Sindipeças no início de março.

Motivos – Mesmo com o dólar baixo, o aumento das exportações de autopeças ocorreu em atendimento aos contratos já firmados com os clientes, na avaliação do consultor automotivo David Wong, diretor da Booz, Allen & Hamilton. “Além disso, o Brasil continua competitivo em alguns subsetores da indústria (de autopeças) apesar da queda do câmbio. Isso favorece um bom desempenho”, explicou. Entre esses segmentos, está o de transformação de metais, diz o consultor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;