Fechar
Publicidade

Sábado, 30 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Figueroa é como vinho


Alec Duarte
Da AS/Especial para o Diário OnLine
De Montevidéu

30/06/2001 | 14:23


Ele se tornou um jogador de verdade no Peñarol, clube que passou a defender aos 18 anos. E virou um mito no Internacional, o supertime que dominou o futebol brasileiro na década de 70. Agora, mais velho, Don Elías Figueroa tem outro desafio: vai virar vinho. “A iniciativa foi do meu filho, que mora em Porto Alegre e trabalha no ramo. Será uma honra lançar o produto em primeira mão no Brasil”, diz Figueroa, que é chileno - terra de ótimos vinhos.

O ex-zagueiro símbolo de raça e dedicação agora quer fortalecer seu lado empresário, depois de um incursão mal-sucedida na profissão de treinador. Com a marca Don Elías, Figueroa espera manter a tranqüilidade da família por mais alguns anos. “É que ser técnico de futebol é mais complicado ainda para a família, que sofre todo tipo de pressão”, revela ele, que não desistiu do banco de reservas: em alguns anos promete voltar ao batente.

Figueroa, às vezes, também comenta jogos para emissoras de televisão de seu país. Desta vez, veio a Montevidéu a convite de uma emissora gaúcha. E tem várias dúvidas sobre o que vai ver hoje à tarde no Estádio Centenário. Diz que os dois times estão em um momento parecido, que dificulta qualquer tipo de prognóstico.

“O Brasil é sempre favorito, porque o futebol uruguaio caiu muito”, conta o ex-jogador, que aprovou totalmente a escolha de Luiz Felipe Scolari. Para Figueroa, Felipão é a pessoa indicada para ocupar a vaga de Leão porque é o treinador “mais vencedor dos últimos anos no futebol brasileiro.”

Apesar disso, a ciranda dos técnicos é criticada por Figueroa, que a considera a verdadeira responsável pela crise de nosso futebol. “Os técnicos no Brasil mudam muito, isso prejudica qualquer tipo de trabalho. A própria Seleção vai estrear seu quarto técnico nas eliminatórias. É muita coisa”, afirma.

Um chileno com enorme carinho por Brasil e Uruguai. É assim que Figueroa descreve como vai se sentir assistindo ao jogo de hoje. Ele morou muito tempo nos dois países e hoje percebe que a Seleção Brasileira, apesar de mais forte do que o rival de hoje, não é mais a mesma. “O Brasil dormiu no ponto e ficou achando que camisa ganhava jogo”, decreta. No fundo, Figueroa espera o empate.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Figueroa é como vinho

Alec Duarte
Da AS/Especial para o Diário OnLine
De Montevidéu

30/06/2001 | 14:23


Ele se tornou um jogador de verdade no Peñarol, clube que passou a defender aos 18 anos. E virou um mito no Internacional, o supertime que dominou o futebol brasileiro na década de 70. Agora, mais velho, Don Elías Figueroa tem outro desafio: vai virar vinho. “A iniciativa foi do meu filho, que mora em Porto Alegre e trabalha no ramo. Será uma honra lançar o produto em primeira mão no Brasil”, diz Figueroa, que é chileno - terra de ótimos vinhos.

O ex-zagueiro símbolo de raça e dedicação agora quer fortalecer seu lado empresário, depois de um incursão mal-sucedida na profissão de treinador. Com a marca Don Elías, Figueroa espera manter a tranqüilidade da família por mais alguns anos. “É que ser técnico de futebol é mais complicado ainda para a família, que sofre todo tipo de pressão”, revela ele, que não desistiu do banco de reservas: em alguns anos promete voltar ao batente.

Figueroa, às vezes, também comenta jogos para emissoras de televisão de seu país. Desta vez, veio a Montevidéu a convite de uma emissora gaúcha. E tem várias dúvidas sobre o que vai ver hoje à tarde no Estádio Centenário. Diz que os dois times estão em um momento parecido, que dificulta qualquer tipo de prognóstico.

“O Brasil é sempre favorito, porque o futebol uruguaio caiu muito”, conta o ex-jogador, que aprovou totalmente a escolha de Luiz Felipe Scolari. Para Figueroa, Felipão é a pessoa indicada para ocupar a vaga de Leão porque é o treinador “mais vencedor dos últimos anos no futebol brasileiro.”

Apesar disso, a ciranda dos técnicos é criticada por Figueroa, que a considera a verdadeira responsável pela crise de nosso futebol. “Os técnicos no Brasil mudam muito, isso prejudica qualquer tipo de trabalho. A própria Seleção vai estrear seu quarto técnico nas eliminatórias. É muita coisa”, afirma.

Um chileno com enorme carinho por Brasil e Uruguai. É assim que Figueroa descreve como vai se sentir assistindo ao jogo de hoje. Ele morou muito tempo nos dois países e hoje percebe que a Seleção Brasileira, apesar de mais forte do que o rival de hoje, não é mais a mesma. “O Brasil dormiu no ponto e ficou achando que camisa ganhava jogo”, decreta. No fundo, Figueroa espera o empate.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;