Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Presidente angolano visita FHC e pede apoio para fim da guerra


Das Agências

02/03/2002 | 00:09


O presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, esteve nesta sexta em Brasília com o presidente Fernando Henrique Cardoso em busca de apoio internacional para acabar com a guerra civil que devasta o país africano há 26 anos. Com a morte no último dia 22 do líder da Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola), Jonas Savimbi, o presidente angolano tenta aproveitar a melhor chance de paz desde o começo dos conflitos.

A visita ao Brasil completou o tour de José Eduardo dos Santos, que também havia se reunido na semana passada com o presidente de Portugal, Jorge Sampaio, e com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.

Na conversa com Fernando Henrique, o presidente angolano pediu apoio na reconstrução do país, destruído por 26 anos de guerra civil. “Saí bastante satisfeito do encontro, na medida em que eu e o sr. Cardoso concordamos nas nossas impressões sobre o processo de paz”, disse.

Um reenvio de tropas brasileiras, contudo, não foi mencionado. Desde 1997, quando um combatente brasileiro foi morto e outro saiu ferido em confrontos com a Unita, o governo do país não mantém soldados em solo angolano.

O presidente angolano também afirmou que deseja um cessar-fogo com as tropas da Unita. Mesmo assim, desdenhou da força do movimento. “Hoje, a presença da Unita é residual”, afirmou.

Devido à morte de Savimbi, líder da Unita desde o início dos conflitos, em 1975, a guerra civil pode terminar por inanição do movimento guerrilheiro. Sem Savimbi, chefe carismático e que, por seu estilo autoritário, não dava margem ao surgimento de novas lideranças, a Unita perde considerável força.

Um dos países mais miseráveis do mundo, a Angola está em guerra desde o fim da colonização portuguesa, em 1975. À época, vários grupos de etnias diferentes reivindicavam o poder, mas coube ao marxista MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) assumir o controle do país.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;