Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 13 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Procon suspeita de venda casada


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

26/02/2011 | 06:31


 

O Procon suspeita que algumas empresas do setor imobiliário estão agindo contra o CDC (Código de Defesa do Consumidor) quando negociam as vendas de imóveis na planta.

A principal causa da atenção é o Sati (Serviço de Assessoria Técnica e Imobiliária). Essa taxa paga os serviços de especialistas que coletam, em cartórios e empresas de proteção ao crédito, certidões para provar a idoneidade dos participantes da negociação.

"O problema é que após o cliente assinar a proposta de compra, algumas empresas estão obrigando o consumidor a pagar a taxa, que é feita por outro profissional, normalmente o documentista. O Procon entende que isto é venda casada, que vai contra

o artigo 39, inciso I, do CDC", explicou o diretor da entidade de proteção ao consumidor de São Caetano, Alexandro Guirão.

Ele afirmou que o consumidor pode escolher o prestador de serviço para realizar os procedimentos para a compra do imóvel. "Tem acontecido alguns casos na região. E as reclamações indicam que o valor do Sati chega a R$ 2.500. E alguns advogados documentistas fazem este serviço por cerca de R$ 300", destacou.

O diretor orientou que o consumidor, além de se informar sobre seus direitos, deve analisar todas as possibilidades na hora da compra de um imóvel na planta.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Procon suspeita de venda casada

Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

26/02/2011 | 06:31


 

O Procon suspeita que algumas empresas do setor imobiliário estão agindo contra o CDC (Código de Defesa do Consumidor) quando negociam as vendas de imóveis na planta.

A principal causa da atenção é o Sati (Serviço de Assessoria Técnica e Imobiliária). Essa taxa paga os serviços de especialistas que coletam, em cartórios e empresas de proteção ao crédito, certidões para provar a idoneidade dos participantes da negociação.

"O problema é que após o cliente assinar a proposta de compra, algumas empresas estão obrigando o consumidor a pagar a taxa, que é feita por outro profissional, normalmente o documentista. O Procon entende que isto é venda casada, que vai contra

o artigo 39, inciso I, do CDC", explicou o diretor da entidade de proteção ao consumidor de São Caetano, Alexandro Guirão.

Ele afirmou que o consumidor pode escolher o prestador de serviço para realizar os procedimentos para a compra do imóvel. "Tem acontecido alguns casos na região. E as reclamações indicam que o valor do Sati chega a R$ 2.500. E alguns advogados documentistas fazem este serviço por cerca de R$ 300", destacou.

O diretor orientou que o consumidor, além de se informar sobre seus direitos, deve analisar todas as possibilidades na hora da compra de um imóvel na planta.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;