Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Mercado do etanol carece de estoque regulador


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

23/11/2009 | 07:00


A volatilidade do preço do álcool combustível é algo que vem incomodando há pelo menos seis meses. Do patamar médio de R$ 1,29 o litro em maio, hoje ele é encontrado por até R$ 1,79.

Chuvas e excesso de demanda por conta da entrada de veículos flex no mercado foram os motivos apontados pela Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar) para a elevação dos preços em questão de semanas. Aliado a isso, a entressafra também fez com que os preços se elevassem.

A saída apontada por especialistas para a oscilação extrema de preços é a criação de um estoque regulador. "O governo tentou fazer isso em abril, oferecendo crédito do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para os fabricantes, porém, este crédito estava muito caro e as exigências pedidas eram muitas", conta Sérgio Prado, representante da Unica em Ribeirão Preto.

O financiamento seria destinado aos usineiros para que fossem construídos novos tanques. A ideia era que o excesso produzido na safra fosse guardado e disponibilizado aos distribuidores na entressafra.

"Se houvesse também um contrato futuro, como acontece com o açúcar, que sabemos o preço até o ano que vem, seria muito melhor para o próprio fabricante. Esta oscilação é muito ruim", avalia Prado.

O presidente do Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo) da região, Toninho Gonzalez, defende que o problema está na preferência dos cultivadores de cana-de-açúcar em produzir açúcar em vez de etanol. "As exportações para a Índia estão a todo vapor, enquanto que falta álcool no mercado e eles ficam aumentando a cada semana o preço. Não adianta, o álcool só será vantajoso quando houver o estoque regulador", diz.

Quanto à fabricação de açúcar, Prado, da Unica, alega que as fábricas mistas não têm como mudar, sendo praticamente 50% da produção voltada para o etanol e, a outra metade, para o açúcar. "O máximo que ela pode alterar é 60% para açúcar e 40% para etanol. Por isso, a oferta de álcool é equilibrada; existem muitas indústrias que só produzem etanol."

Para Prado, o preço do álcool está próximo à estabilidade. O problema, de acordo com ele, é que quando sobe o custo na usina, no dia seguinte está na bomba - como a alta de 0,5% há cerca de duas semanas.

Já quando existe uma queda, como a de 2,14% três semanas atrás, leva dias para chegar ao consumidor, se chegar.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;