Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alckmin é contra a ampliação do Mercosul



24/07/2006 | 07:58


A intenção de incluir Bolívia, México e Cuba no Mercosul seria mais política do que produtiva, na opinião do candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin. “Vejo que estamos adotando uma politização, colocando a política ideológica à frente do interesse nacional”, afirmou domingo, após visitar o 9º Festival do Japão.

Segundo Alckmin, os governos que participam do Mercosul têm feito acordos comerciais de poucos resultados. “Essa não é a nossa tradição, é a do multilateralismo. É preciso fortalecer sim o Mercosul, mas também fortalecer o mercado com a União Européia”, afirmou. Na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que assumiu a coordenação do Mercosul, mostrou-se disposto a agregar Bolívia, Cuba e México ao bloco. Ele declarou o novo objetivo ao final da 30ªReunião de Cúpula do Mercosul, em Córdoba, na Argentina. Alckmin afirmou que é preciso avançar em Doha, na OMC (Organização Mundial do Comércio), e em acordos bilaterais.

Ao falar sobre as exportações dos produtos brasileiros, Alckmin disse que há um novo tipo de protecionismo – o “sanitário” –, e citou como exemplo o recente embargo da Rússia à carne suína do Estado de Santa Catarina. “O Estado está livre de febre aftosa, mas há este tipo de protecionismo. Precisamos cuidar da questão sanitária no Brasil.”

O candidato do PSDB reafirmou que é preciso fazer uma política fiscal de melhor qualidade, com responsabilidade fiscal , qualidade do gasto público, câmbio flutuante e metas de inflação. “Mas é preciso voltar a crescer. Porque estabilidade é um pré-requisito, mas não é um fim em si próprio”, disse. “O governo não deve ter como meta a estabilidade, ele tem que ter como meta melhorar a vida do povo brasileiro.”

Vestido com um quimono amarelo, presente dos membros da Keren (Federação das Associações das Províncias do Japão no Brasil), Alckmin esteve domingo no 9º Festival do Japão, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Lá, posou para fotos com muitos que o abordaram, comeu tempurá (massa frita com camarão e legumes) e até arriscou tocar um tambor.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alckmin é contra a ampliação do Mercosul


24/07/2006 | 07:58


A intenção de incluir Bolívia, México e Cuba no Mercosul seria mais política do que produtiva, na opinião do candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin. “Vejo que estamos adotando uma politização, colocando a política ideológica à frente do interesse nacional”, afirmou domingo, após visitar o 9º Festival do Japão.

Segundo Alckmin, os governos que participam do Mercosul têm feito acordos comerciais de poucos resultados. “Essa não é a nossa tradição, é a do multilateralismo. É preciso fortalecer sim o Mercosul, mas também fortalecer o mercado com a União Européia”, afirmou. Na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que assumiu a coordenação do Mercosul, mostrou-se disposto a agregar Bolívia, Cuba e México ao bloco. Ele declarou o novo objetivo ao final da 30ªReunião de Cúpula do Mercosul, em Córdoba, na Argentina. Alckmin afirmou que é preciso avançar em Doha, na OMC (Organização Mundial do Comércio), e em acordos bilaterais.

Ao falar sobre as exportações dos produtos brasileiros, Alckmin disse que há um novo tipo de protecionismo – o “sanitário” –, e citou como exemplo o recente embargo da Rússia à carne suína do Estado de Santa Catarina. “O Estado está livre de febre aftosa, mas há este tipo de protecionismo. Precisamos cuidar da questão sanitária no Brasil.”

O candidato do PSDB reafirmou que é preciso fazer uma política fiscal de melhor qualidade, com responsabilidade fiscal , qualidade do gasto público, câmbio flutuante e metas de inflação. “Mas é preciso voltar a crescer. Porque estabilidade é um pré-requisito, mas não é um fim em si próprio”, disse. “O governo não deve ter como meta a estabilidade, ele tem que ter como meta melhorar a vida do povo brasileiro.”

Vestido com um quimono amarelo, presente dos membros da Keren (Federação das Associações das Províncias do Japão no Brasil), Alckmin esteve domingo no 9º Festival do Japão, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Lá, posou para fotos com muitos que o abordaram, comeu tempurá (massa frita com camarão e legumes) e até arriscou tocar um tambor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;