Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Empresa indiana teria exportado materiais sensíveis ao Iraque


Da AFP

19/01/2003 | 12:23


Uma empresa da Índia, utilizando falsos documentos e outras firmas de fachada, teria exportado para o Iraque materiais sensíveis que poderiam ser utilizados para a produção de armas químicas e de mísseis de longo alcance. A informação foi divulgada na edição deste domingo o jornal norte-americano Los Angeles Times.

Citando documentos da justiça indiana, o jornal informa que a NEC Engineering Private Ltd recebeu encomendas do Iraque avaliadas em cerca de US$ 800 mil, incluindo bombas centrífugas de titânio, entre setembro de 1998 e fevereiro de 2001.

As exportações passavam pela Jordânia e os Emirados Árabes Unidos até chegarem ao complexo químico Fallujah II em Al Mamun no Iraque, acrescenta o diário, citando os serviços de informação americano e britânico.

Segundo LA Times, Bagdá não mencionou as compras desta companhia na sua declaração à ONU sobre a capacidade do país em armas de destruição em massa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresa indiana teria exportado materiais sensíveis ao Iraque

Da AFP

19/01/2003 | 12:23


Uma empresa da Índia, utilizando falsos documentos e outras firmas de fachada, teria exportado para o Iraque materiais sensíveis que poderiam ser utilizados para a produção de armas químicas e de mísseis de longo alcance. A informação foi divulgada na edição deste domingo o jornal norte-americano Los Angeles Times.

Citando documentos da justiça indiana, o jornal informa que a NEC Engineering Private Ltd recebeu encomendas do Iraque avaliadas em cerca de US$ 800 mil, incluindo bombas centrífugas de titânio, entre setembro de 1998 e fevereiro de 2001.

As exportações passavam pela Jordânia e os Emirados Árabes Unidos até chegarem ao complexo químico Fallujah II em Al Mamun no Iraque, acrescenta o diário, citando os serviços de informação americano e britânico.

Segundo LA Times, Bagdá não mencionou as compras desta companhia na sua declaração à ONU sobre a capacidade do país em armas de destruição em massa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;