Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Metrô volta a operar na Zona Norte de SP


Do Diário do Grande ABC

19/10/1999 | 09:19


A Companhia do Metropolitano (Metrô) conseguiu normalizar, na manha desta terça-feira, o transporte na Linha Norte-Sul. Os trens já estao trafegando normalmente na Regiao Norte, depois de quase 24 horas do grave acidente na Estaçao Santana. As 9h38 de segunda-feira, um trem da companhia com 200 passageiros, que trafegava em direçao à Estaçao Jardim Sao Paulo, teve problemas com o disco de freio, descarrilou e bateu na mureta de segurança. Foi o bastante para interromper a distribuiçao de energia e o funcionamento de nove estaçoes - de Tucuruvi a Santana.

A falta de informaçao deixou os passageiros ainda mais apavorados. Doze trens que estavam nas Estaçoes Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim Sao Paulo, Santana, Carandiru, Tietê, Armênia e Tiradentes tiveram de parar e os passageiros foram retirados por funcionários. Alguns, como Maria Fernada Dinail, 42 anos, tiveram de sair, às pressas, pelos túneis escuros. "Andei uns bons metros, mas o pior foi ficar parada 30 minutos dentro do vagao, sem informaçao", disse ela, que estava no Tucuruvi na hora do acidente.

Pelo menos 250 mil pessoas ficaram sem conduçao. A composiçao foi retirada às 16 horas, mas o sistema danificado por causa do choque. Cerca de 1,2 milhao de pessoas usam a Linha Norte-Sul diariamente.

Filas e confusao - Na hora de arrumar um outro meio de conduçao, mais problemas. Do lado de fora das estaçoes, pessoas desnorteadas. As portas das estaçoes que tiveram o fluxo interrompido estavam trancadas, apenas com avisos escritos à mao em cartolinas brancas. "Tráfego interrompido entre Luz e Tucuruvi; ônibus gratuitos".

Além de um número exagerado de pessoas nos pontos de ônibus e em busca de lotaçoes, filas imensas nos orelhoes para justificar os atrasos. "Vai ser uma aventura", disse Ronaldo de Moraes, 35 anos, que pretendia pegar o metrô até a Estaçao Santa Cruz. "Se já demora normalmente, com os atrasos, imagina a que horas vou chegar ao meu destino?"

Apesar dos avisos do metrô, nenhum ônibus a mais foi posto à disposiçao da populaçao e os carros saíam lotados. A Sao Paulo Transporte S.A. (SPTrans) desviou o itinerário das 61 linhas que atendem os bairros de Tucuruvi, Parada Inglesa e Jardim Sao Paulo e estendeu o trajeto desses ônibus até o centro. Para a assessoria de Imprensa do Metrô, ninguém ficou sem conduçao.

Metrô - Na Estaçao da Luz, onde os passageiros com destino à zona sul poderiam pegar o metrô (o funcionamento foi mantido entre as Estaçoes da Luz e Jabaquara), a situaçao era caótica. Pessoas vindas da zona norte tentavam passar pelas roletas enquanto aquelas com destino a outras estaçoes da zona norte disputavam espaço nos ônibus e lotaçoes. Mesmo quem nao usa o metrô foi prejudicado.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego, houve congestionamentos nas proximidades da Estaçao da Luz entre 10 horas e meio-dia. Na Avenida 23 de Maio, os motoristas enfrentaram filas de até quatro quilômetros por causa do incidente no metrô. A Avenida Prestes Maia ficou parada durante quase todo o dia. Houve problemas também na volta para casa, no início da noite, pois o trecho nao pôde ser reativado. Passageiros habituais tiveram de enfrentar filas em ônibus e muito trânsito.

Disco de freio - O motivo do acidente, segundo o metrô, foi o disco de freio de uma das rodas do penúltimo vagao do trem, que se soltou. A primeira roda do lado esquerdo saiu dos trilhos e fez que o trem batesse no muro de proteçao. Os prejuízos teriam sido menores se a caixa de controle e de sinalizaçao nao tivesse sido afetada.

Na hora do acidente, o truck - equipamento que lembra uma caixa, onde estao as rodas - bateu num dos trilhos e movimentou a máquina de chaves. Essa máquina permite a mudança do trem de uma via para outra e fica próxima da chamada passarela de emergência, onde estao os cabos de sinalizaçao e controle, que foram imediatamente prejudicados, interrompendo a energia.

O metrô nao soube explicar por que o disco de freio se soltou, mas admitiu que o acidente foi muito grave e está investigando a causa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Metrô volta a operar na Zona Norte de SP

Do Diário do Grande ABC

19/10/1999 | 09:19


A Companhia do Metropolitano (Metrô) conseguiu normalizar, na manha desta terça-feira, o transporte na Linha Norte-Sul. Os trens já estao trafegando normalmente na Regiao Norte, depois de quase 24 horas do grave acidente na Estaçao Santana. As 9h38 de segunda-feira, um trem da companhia com 200 passageiros, que trafegava em direçao à Estaçao Jardim Sao Paulo, teve problemas com o disco de freio, descarrilou e bateu na mureta de segurança. Foi o bastante para interromper a distribuiçao de energia e o funcionamento de nove estaçoes - de Tucuruvi a Santana.

A falta de informaçao deixou os passageiros ainda mais apavorados. Doze trens que estavam nas Estaçoes Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim Sao Paulo, Santana, Carandiru, Tietê, Armênia e Tiradentes tiveram de parar e os passageiros foram retirados por funcionários. Alguns, como Maria Fernada Dinail, 42 anos, tiveram de sair, às pressas, pelos túneis escuros. "Andei uns bons metros, mas o pior foi ficar parada 30 minutos dentro do vagao, sem informaçao", disse ela, que estava no Tucuruvi na hora do acidente.

Pelo menos 250 mil pessoas ficaram sem conduçao. A composiçao foi retirada às 16 horas, mas o sistema danificado por causa do choque. Cerca de 1,2 milhao de pessoas usam a Linha Norte-Sul diariamente.

Filas e confusao - Na hora de arrumar um outro meio de conduçao, mais problemas. Do lado de fora das estaçoes, pessoas desnorteadas. As portas das estaçoes que tiveram o fluxo interrompido estavam trancadas, apenas com avisos escritos à mao em cartolinas brancas. "Tráfego interrompido entre Luz e Tucuruvi; ônibus gratuitos".

Além de um número exagerado de pessoas nos pontos de ônibus e em busca de lotaçoes, filas imensas nos orelhoes para justificar os atrasos. "Vai ser uma aventura", disse Ronaldo de Moraes, 35 anos, que pretendia pegar o metrô até a Estaçao Santa Cruz. "Se já demora normalmente, com os atrasos, imagina a que horas vou chegar ao meu destino?"

Apesar dos avisos do metrô, nenhum ônibus a mais foi posto à disposiçao da populaçao e os carros saíam lotados. A Sao Paulo Transporte S.A. (SPTrans) desviou o itinerário das 61 linhas que atendem os bairros de Tucuruvi, Parada Inglesa e Jardim Sao Paulo e estendeu o trajeto desses ônibus até o centro. Para a assessoria de Imprensa do Metrô, ninguém ficou sem conduçao.

Metrô - Na Estaçao da Luz, onde os passageiros com destino à zona sul poderiam pegar o metrô (o funcionamento foi mantido entre as Estaçoes da Luz e Jabaquara), a situaçao era caótica. Pessoas vindas da zona norte tentavam passar pelas roletas enquanto aquelas com destino a outras estaçoes da zona norte disputavam espaço nos ônibus e lotaçoes. Mesmo quem nao usa o metrô foi prejudicado.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego, houve congestionamentos nas proximidades da Estaçao da Luz entre 10 horas e meio-dia. Na Avenida 23 de Maio, os motoristas enfrentaram filas de até quatro quilômetros por causa do incidente no metrô. A Avenida Prestes Maia ficou parada durante quase todo o dia. Houve problemas também na volta para casa, no início da noite, pois o trecho nao pôde ser reativado. Passageiros habituais tiveram de enfrentar filas em ônibus e muito trânsito.

Disco de freio - O motivo do acidente, segundo o metrô, foi o disco de freio de uma das rodas do penúltimo vagao do trem, que se soltou. A primeira roda do lado esquerdo saiu dos trilhos e fez que o trem batesse no muro de proteçao. Os prejuízos teriam sido menores se a caixa de controle e de sinalizaçao nao tivesse sido afetada.

Na hora do acidente, o truck - equipamento que lembra uma caixa, onde estao as rodas - bateu num dos trilhos e movimentou a máquina de chaves. Essa máquina permite a mudança do trem de uma via para outra e fica próxima da chamada passarela de emergência, onde estao os cabos de sinalizaçao e controle, que foram imediatamente prejudicados, interrompendo a energia.

O metrô nao soube explicar por que o disco de freio se soltou, mas admitiu que o acidente foi muito grave e está investigando a causa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;