Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Negociada trégua na regiao da Fazenda Fronteira


Do Diário do Grande ABC

19/01/1999 | 15:24


Os índios guarani-kaiowás negociaram uma trégua com os brancos, no município de Antonio Joao, a 481 km de Campo Grande e no extremo sul de Mato Grosso do Sul. Eles ficarao dentro da Fazenda Fronteira, que invadiram no dia 20 de dezembro último, em uma área cercada medindo 30 hectares, recebendo recursos técnicos e insumos para desenvolver atividades agrícolas, além de cestas básicas de alimentos, até que a Funai (Fundaçao Nacional do Indio) identifique e demarque as áreas indígenas no município.

Em troca, deixarao de invadir lojas e residências do centro da cidade, que, segundo os caciques e feiticeiros, estao nas terras de seus antepassados. É uma faixa de fronteira com o Paraguai que mede 25 mil hectares. O conflito existe devido à crença dos índios de que essa área, que eles chamam de Morro Marankatu, será uma nova e grande naçao indígena. A luta por essa terra prometida começou há pelo menos 35 anos, quando surgiu o líder guarani Marçal de Souza, assassinado em 83 na Aldeia Campestre, onde morava, por ter sido o principal articulador na reconquista das terras indígenas.

Caciques de tribos do Paraguai estao dando apoio aos índios de Antonio Joao, colocando guerreiros à disposiçao dos invasores da Fazenda Fronteira, para evitar que pessoas estranhas entrem no acampamento que montaram, logo após fechar o acordo com várias autoridades, entre elas o chefe de gabinete da presidência da Funai, Celso Carelli Mendes, o administrador regional do órgao, José Nilton Bueno, o cacique Dom Quitito Vilhalba e diversos líderes da Aldeia Campestre.

Nesta terça-feira, houve a confirmaçao do acordo, acrescentando que também nao haverá matança de gado para a alimentaçao dos invasores, e o proprietário da fazenda, Pio Queiroz Silva, poderá trabalhar tranqüilamente na propriedade rural com seus empregados. Durante as negociaçoes, foram oferecidos aos 250 índios adultos que estao no imóvel rural uma fazenda com 180 hectares, vizinha da Aldeia Campestre, tratores, sementes, água potável, cestas básicas e lenha, para que eles desocupassem a Fazenda Fronteira, mas nao concordaram, preferindo aguardar a demarcaçao que está sendo realizada pela Funai.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Negociada trégua na regiao da Fazenda Fronteira

Do Diário do Grande ABC

19/01/1999 | 15:24


Os índios guarani-kaiowás negociaram uma trégua com os brancos, no município de Antonio Joao, a 481 km de Campo Grande e no extremo sul de Mato Grosso do Sul. Eles ficarao dentro da Fazenda Fronteira, que invadiram no dia 20 de dezembro último, em uma área cercada medindo 30 hectares, recebendo recursos técnicos e insumos para desenvolver atividades agrícolas, além de cestas básicas de alimentos, até que a Funai (Fundaçao Nacional do Indio) identifique e demarque as áreas indígenas no município.

Em troca, deixarao de invadir lojas e residências do centro da cidade, que, segundo os caciques e feiticeiros, estao nas terras de seus antepassados. É uma faixa de fronteira com o Paraguai que mede 25 mil hectares. O conflito existe devido à crença dos índios de que essa área, que eles chamam de Morro Marankatu, será uma nova e grande naçao indígena. A luta por essa terra prometida começou há pelo menos 35 anos, quando surgiu o líder guarani Marçal de Souza, assassinado em 83 na Aldeia Campestre, onde morava, por ter sido o principal articulador na reconquista das terras indígenas.

Caciques de tribos do Paraguai estao dando apoio aos índios de Antonio Joao, colocando guerreiros à disposiçao dos invasores da Fazenda Fronteira, para evitar que pessoas estranhas entrem no acampamento que montaram, logo após fechar o acordo com várias autoridades, entre elas o chefe de gabinete da presidência da Funai, Celso Carelli Mendes, o administrador regional do órgao, José Nilton Bueno, o cacique Dom Quitito Vilhalba e diversos líderes da Aldeia Campestre.

Nesta terça-feira, houve a confirmaçao do acordo, acrescentando que também nao haverá matança de gado para a alimentaçao dos invasores, e o proprietário da fazenda, Pio Queiroz Silva, poderá trabalhar tranqüilamente na propriedade rural com seus empregados. Durante as negociaçoes, foram oferecidos aos 250 índios adultos que estao no imóvel rural uma fazenda com 180 hectares, vizinha da Aldeia Campestre, tratores, sementes, água potável, cestas básicas e lenha, para que eles desocupassem a Fazenda Fronteira, mas nao concordaram, preferindo aguardar a demarcaçao que está sendo realizada pela Funai.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;