Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vanessa projeta fortalecer Sama

Prefeiturável de Mauá isenta servidores e atribui ineficiência à má gestão da autarquia


Mark Ribeiro
do Diário do Grande ABC

31/07/2012 | 07:00


A candidata a prefeita de Mauá Vanessa Damo (PMDB) abriu ontem o ciclo de sabatinas a prefeituráveis promovido por funcionários concursados da Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) prometendo, se eleita em outubro, fortalecer a autarquia. Com a fala, a peemedebista tentou arrebanhar o apoio dos servidores, que estão assustados com a possibilidade de perderem os empregos se os serviços de água e esgoto da cidade forem devolvidos à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

Repassar a Sama ao governo do Estado é projeto do candidato Edimar da Reciclagem (PSDB) anunciado pelo Diário em junho. A posição do tucano, inclusive, foi o que motivou os servidores a estabelecer contato com os oito prefeituráveis para saber o que pensam sobre a autarquia. Todos deverão ter reuniões com a categoria até o fim da campanha. "Isso mexeu com o nosso brio", disse Francimar Luciano da Silva, presidente da comissão e funcionário da Sama há 14 anos.

O grupo mostrou preocupação com a imagem desgastada do setor junto à população. A autarquia foi comandada por Diniz Lopes (PR) até abril, que pediu demissão do cargo para concorrer a prefeito - deu lugar a Ivã Ribeiro de Oliveira, seu assessor. Na gestão do republicano, a Sama foi alvo de denúncias de contratos irregulares e alvejada por críticas sobre a qualidade dos serviços. O rompimento de uma adutora em fevereiro deixou 300 mil mauaenses sem água por onze dias.

"A Sama tem abastecido negativamente os noticiários. Isso não tem a ver com os funcionários, mas com a má gestão", considerou Vanessa, para 15 funcionários que foram a seu comitê. A peemedebista prometeu renegociar a dívida da autarquia com a Sabesp e valorizar o funcionalismo com reajustes salariais anuais, gratificação atrelada à satisfação da população com o atendimento e cursos de reciclagem profissional.

"Não há nenhum plano de devolução ou privatização da Sama, mas de fortalecimento", externou Vanessa. A prefeiturável também projetou enxugar a quantidade de servidores comissionados da autarquia, acabando com o "cabide de empregos". Segundo Francimar, indicados por Diniz ocupam 60 cargos e, concursados, outros 100.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vanessa projeta fortalecer Sama

Prefeiturável de Mauá isenta servidores e atribui ineficiência à má gestão da autarquia

Mark Ribeiro
do Diário do Grande ABC

31/07/2012 | 07:00


A candidata a prefeita de Mauá Vanessa Damo (PMDB) abriu ontem o ciclo de sabatinas a prefeituráveis promovido por funcionários concursados da Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) prometendo, se eleita em outubro, fortalecer a autarquia. Com a fala, a peemedebista tentou arrebanhar o apoio dos servidores, que estão assustados com a possibilidade de perderem os empregos se os serviços de água e esgoto da cidade forem devolvidos à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

Repassar a Sama ao governo do Estado é projeto do candidato Edimar da Reciclagem (PSDB) anunciado pelo Diário em junho. A posição do tucano, inclusive, foi o que motivou os servidores a estabelecer contato com os oito prefeituráveis para saber o que pensam sobre a autarquia. Todos deverão ter reuniões com a categoria até o fim da campanha. "Isso mexeu com o nosso brio", disse Francimar Luciano da Silva, presidente da comissão e funcionário da Sama há 14 anos.

O grupo mostrou preocupação com a imagem desgastada do setor junto à população. A autarquia foi comandada por Diniz Lopes (PR) até abril, que pediu demissão do cargo para concorrer a prefeito - deu lugar a Ivã Ribeiro de Oliveira, seu assessor. Na gestão do republicano, a Sama foi alvo de denúncias de contratos irregulares e alvejada por críticas sobre a qualidade dos serviços. O rompimento de uma adutora em fevereiro deixou 300 mil mauaenses sem água por onze dias.

"A Sama tem abastecido negativamente os noticiários. Isso não tem a ver com os funcionários, mas com a má gestão", considerou Vanessa, para 15 funcionários que foram a seu comitê. A peemedebista prometeu renegociar a dívida da autarquia com a Sabesp e valorizar o funcionalismo com reajustes salariais anuais, gratificação atrelada à satisfação da população com o atendimento e cursos de reciclagem profissional.

"Não há nenhum plano de devolução ou privatização da Sama, mas de fortalecimento", externou Vanessa. A prefeiturável também projetou enxugar a quantidade de servidores comissionados da autarquia, acabando com o "cabide de empregos". Segundo Francimar, indicados por Diniz ocupam 60 cargos e, concursados, outros 100.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;