Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Filas no Rio se devem a menos zonas eleitorais e demora do eleitor, diz TRE-RJ

Fernando Frazão/ Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/10/2018 | 15:29


A diretora-geral do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), Adriana Brandão, informou neste domingo, 7, que por razão de corte nos custos o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou no ano passado a extinção de zonas eleitorais para reduzir os gastos dos tribunais regionais, e por este motivo as filas para votação no Rio de Janeiro estão mais longas do que o de costume. Ela descartou que as filas estejam sendo causadas por problemas no registro biométrico, que segundo ela estão funcionando dentro do esperado.

"No ano passado, o TSE baixou resolução determinando a extinção de diversas zonas eleitorais, isso resultou no agrupamento de seções em outras zonas. No caso do Rio de Janeiro, houve extinção de 84 zonas. Antes eram 244 zonas eleitorais, hoje são 165", explicou Brandão.

Outro dado que estaria aumentando o tempo de votação é o grande número de candidatos, um a mais do que em outros anos, e o fato de ter a votação em dois senadores, informação desconhecida por alguns eleitores, na avaliação da diretora.

"Nós estamos recebendo informações de juízes de que a demora não está sendo considerada na grande maioria na identificação biométrica. Ao contrário, está sendo considerada até rápida. Um ou outro eleitor demora porque tem que tentar até 4 vezes (o registro biométrico), mas o que estamos percebendo é a demora do eleitor na urna, temos seis candidatos e ainda tem eleitores sendo surpreendidos por serem dois candidatos a senador", afirmou.

Ela lembra que o Rio de Janeiro conta com um número grande de eleitores e que este é o primeiro ano em que 92 municípios do Estado estão utilizando a votação por biometria, ao contrário de 2014, quando um número restrito foi validado. Segundo ela, 2,3 milhões de fluminenses fizeram o cadastramento biométrico.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Filas no Rio se devem a menos zonas eleitorais e demora do eleitor, diz TRE-RJ


07/10/2018 | 15:29


A diretora-geral do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), Adriana Brandão, informou neste domingo, 7, que por razão de corte nos custos o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou no ano passado a extinção de zonas eleitorais para reduzir os gastos dos tribunais regionais, e por este motivo as filas para votação no Rio de Janeiro estão mais longas do que o de costume. Ela descartou que as filas estejam sendo causadas por problemas no registro biométrico, que segundo ela estão funcionando dentro do esperado.

"No ano passado, o TSE baixou resolução determinando a extinção de diversas zonas eleitorais, isso resultou no agrupamento de seções em outras zonas. No caso do Rio de Janeiro, houve extinção de 84 zonas. Antes eram 244 zonas eleitorais, hoje são 165", explicou Brandão.

Outro dado que estaria aumentando o tempo de votação é o grande número de candidatos, um a mais do que em outros anos, e o fato de ter a votação em dois senadores, informação desconhecida por alguns eleitores, na avaliação da diretora.

"Nós estamos recebendo informações de juízes de que a demora não está sendo considerada na grande maioria na identificação biométrica. Ao contrário, está sendo considerada até rápida. Um ou outro eleitor demora porque tem que tentar até 4 vezes (o registro biométrico), mas o que estamos percebendo é a demora do eleitor na urna, temos seis candidatos e ainda tem eleitores sendo surpreendidos por serem dois candidatos a senador", afirmou.

Ela lembra que o Rio de Janeiro conta com um número grande de eleitores e que este é o primeiro ano em que 92 municípios do Estado estão utilizando a votação por biometria, ao contrário de 2014, quando um número restrito foi validado. Segundo ela, 2,3 milhões de fluminenses fizeram o cadastramento biométrico.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;