Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Luiz Marinho acredita que PMDB vá caminhar com Tarcisio Secoli


Leandro Baldini
Do Diário Grande ABC

02/08/2016 | 07:00


Prefeito de São Bernardo e mentor da pré-campanha do ex-secretário Tarcisio Secoli (PT) ao Executivo, Luiz Marinho (PT) salientou ontem acreditar que terá novamente a adesão do PMDB no processo eleitoral de outubro. A legenda, que caminha com o petismo desde a primeira gestão de Marinho, em 2009, sustenta que trabalha para lançar projeto próprio ao Paço, encabeçado pelo ex-vereador e ex-secretário Tunico Vieira, mas ainda não cravou definição.

“Não trato com o presidente (Michel) Temer postura do PMDB na cidade. Tratamos com dirigentes partidários. A possibilidade de candidatura do partido está colocada, respeito. Se o Tunico desejar ser candidato, depende disso. Se não tiver (projeto próprio), estamos aberto ao diálogo, mas não vou ficar forçando a barra para cima do PMDB. Vamos deixar para a foto da nuvem do dia 5. Fotografia de nuvem todo dia pode mudar”, citou o prefeito petista, referindo-se a sexta-feira, quando os partidos realizarão convenção partidária para oficializar posicionamento eleitoral.

Em março, Tunico pediu baixa do primeiro escalão de Marinho – comandava Pasta de Relações Internacionais –, anunciando ser pré-candidato a prefeito. De imediato, o partido rachou, com o único vereador da legenda, Gilberto França, liderando ala para fixar manutenção de aliança com o PT. Neste período, Tunico se aproximou das pré-candidaturas de oposição, em especial a do PSDB, do deputado estadual Orlando Morando, para uma composição na dobrada. As tratativas não avançaram.

Na semana passada, a cúpula peemedebista selou pacto de unificação interna, com vistas ao processo eleitoral. Paralelamente, os petistas passaram a reaver diálogo para aproximação.

Na sexta-feira, Marinho esboçou um plano coligações proporcionais à eleição de vereadores entre os partidos aliados de Tarcisio. Mesmo sem avançar diálogo, o prefeito petista incluiu o PMDB entre as siglas da coalizão. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Luiz Marinho acredita que PMDB vá caminhar com Tarcisio Secoli

Leandro Baldini
Do Diário Grande ABC

02/08/2016 | 07:00


Prefeito de São Bernardo e mentor da pré-campanha do ex-secretário Tarcisio Secoli (PT) ao Executivo, Luiz Marinho (PT) salientou ontem acreditar que terá novamente a adesão do PMDB no processo eleitoral de outubro. A legenda, que caminha com o petismo desde a primeira gestão de Marinho, em 2009, sustenta que trabalha para lançar projeto próprio ao Paço, encabeçado pelo ex-vereador e ex-secretário Tunico Vieira, mas ainda não cravou definição.

“Não trato com o presidente (Michel) Temer postura do PMDB na cidade. Tratamos com dirigentes partidários. A possibilidade de candidatura do partido está colocada, respeito. Se o Tunico desejar ser candidato, depende disso. Se não tiver (projeto próprio), estamos aberto ao diálogo, mas não vou ficar forçando a barra para cima do PMDB. Vamos deixar para a foto da nuvem do dia 5. Fotografia de nuvem todo dia pode mudar”, citou o prefeito petista, referindo-se a sexta-feira, quando os partidos realizarão convenção partidária para oficializar posicionamento eleitoral.

Em março, Tunico pediu baixa do primeiro escalão de Marinho – comandava Pasta de Relações Internacionais –, anunciando ser pré-candidato a prefeito. De imediato, o partido rachou, com o único vereador da legenda, Gilberto França, liderando ala para fixar manutenção de aliança com o PT. Neste período, Tunico se aproximou das pré-candidaturas de oposição, em especial a do PSDB, do deputado estadual Orlando Morando, para uma composição na dobrada. As tratativas não avançaram.

Na semana passada, a cúpula peemedebista selou pacto de unificação interna, com vistas ao processo eleitoral. Paralelamente, os petistas passaram a reaver diálogo para aproximação.

Na sexta-feira, Marinho esboçou um plano coligações proporcionais à eleição de vereadores entre os partidos aliados de Tarcisio. Mesmo sem avançar diálogo, o prefeito petista incluiu o PMDB entre as siglas da coalizão. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;